Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





MINHA VIZINHA ANDRESA


Minha Vizinha Andresa

Como relatei em Márcia e Fabiana, minha afilhada Fabiana começou a namorar, e demorava a vir na minha casa, eu já buscava outras opções, porque já estava de pau na mão fazia um tempo, foi aí que eu entrei de férias e pude reparar melhor nos meus vizinhos, principalmente, Andresa, a filha da minha vizinha. Todo dia quando estava no portão, ela passava e me cumprimentava, “bom dia seu Tony”, eu respondia e dava um belo sorriso prá ela, Andresa as vezes parava e ficava conversando comigo, e logo eu perguntava como ela estava na escola, buscando ter o que falar com ela, uma vez ela me surpreendeu perguntando se eu não tinha namorada, porque ela me via sempre sozinho e ela não queria acreditar que um homem simpático como eu estivesse sozinho, eu falei com ela mesmo sem pensar, “minha gatinha eu queria namorar uma garota igual você”, ela ouviu e deu um sorriso, “ ô seu Tony eu estou falando sério”. Um dia Andresa passou no meu portão e disse que estava indo prá escola, mas, que não queria ir porque tinha festinha lá e cada um teria que levar uma coisa, festa à americana, e a mãe dela não tinha dinheiro prá dar a ela, eu logo falei que podia dar esse dinheiro a ela, “pode? Seu Tony o senhor é legal a beça”, dei 10 pratas a ela que abriu um sorriso, agradecendo “o sr é muito bonzinho”, “só não conta quem te deu, tá?”, “segredinho? Tá bem, segredinho nosso, vou prá escola, depois eu conto como foi a festa”, quando ouvi isso, meu pau deu logo sinal de vida, dentro do meu short dava saltos incríveis que chegava a doer, fiquei com aquilo na cabeça e achei melhor ir ver tv para relaxar, olhava prá tv e só via Andresa, sonhava de olhos abertos, vendo Andresa nuinha na minha frente, as horas passaram e já estava na hora do retorno de Andresa da escola, fui para o portão prá ficar na espreita, vi quando ao longe ela vinha, meu pau que tinha se acomodado voltou a dar saltos, quando chegou no portão, ela deu um sorriso dizendo, “seu Tony foi demais, as meninas levaram salgadinhos, bolos e os meninos refrigerantes, eu comprei 5 porções de salgadinhos com o seu dinheiro e levei, todo mundo gostou, depois eu volto aqui prá contar com detalhes a festa”, eu já imaginava o que fazer para conquistar a confiança dela a ponto de seduzi-la; Andresa apesar de seus 15 aninhos, tem o peitinho formadinho, tipo duas laranjinhas, a bundinha é do tipo da mãe dela redondinha e meio empinada, e altura de garota de 15 anos, uma pretinha linda, Andresa já à tardinha, bateu na minha porta me chamando, “seu Tony, posso entrar prá falar com o senhor?”, olhei em volta, e deixei ela entrar, peguei ela pela mão e levei-a até o sofá, Andresa sentou e pediu prá ligar a tv, eu antes dela entrar estava vendo um dvd pornô e só deu tempo de desligar a tv, mas, o dvd continuava funcionando, logo que liguei a televisão entrou uma cena do ator negro de pau enorme metendo na bundinha de uma garota, eu dei um pulo na frente da tv tentando desligar aquela cena constrangedora prá ela, Andresa falou “hiiii! seu Tony estava vendo safadezas”, eu rapidamente pedi desculpas, dizendo que não tinha sido minha intenção, ela então me contou como foi a festa na escola e como os garotos na hora de dançar ficavam querendo passar a mão nas garotas, então comentei, que eles não eram bobos, “quando eles dançaram com você, com certeza tentaram fazer carinho no seu bumbum, né?” ela riu e disse que um garoto que as garotas achavam um gatinho, dançou com ela e realmente tinha apertado o seu bumbum, “ele é que é feliz” disse prá ela, “porque seu Tony?”, “até eu gostaria de apertar um pouquinho”, ela riu e disse, “sabe seu Tony você é meu amigo e acho que não tem problema se eu deixar um pouquinho, né?” meu pau faltava pouco prá rasgar a calça, percebi que ela estava olhando prá ele, e acabei colocando a mão na frente, “porque o senhor tá assim?” disse que quando fala de safadeza, ele costuma ficar assim, ela veio até mim, pegou minha mão e colocou no bumbum dela, eu apertei o bumbum, tentei meter o dedo pelo lado da calcinha e tive de me controlar prá não agarrá-la ali mesmo e meter meu pau todo no rabinho dela, Andresa quando sentiu minha mão em seu bumbum, deu um gemidinho, que me deixou com mais tesão ainda, me afastei dela porque senão eu não ia resistir, Andresa sentou no sofá e ficou olhando a tv que agora estava desligada, me pediu prá ligar e eu disse que era melhor não, porque ela era muito novinha prá assistir aquele filme, “por favor seu Tony, bota o filme, ninguém vai saber que o senhor me mostrou”, fui pro sofá e com o controle remoto liguei a tv, posicionei o filme para o início, dei play, logo nas primeiras cenas o negão “ajumentado” chegava na casa da garota, eles se beijaram na porta da casa e ali mesmo ele pegou ela no colo e entrou, lá dentro ele começou a tirar a roupa dela e logo ela estava peladinha, “seu Tony eles vão começar a safadeza”, eu disse prá Andresa que quando estivéssemos sozinhos ela podia me chamar só de Tony, porque ela era pra mim uma amiga, ela aceitou e quando a cena do negão encostando e forçando a cabeça da picona na xaninha da garota ela deu um gritinho e disse “caramba Tony ele vai botar na pererequinha dela?” eu nem precisei responder porque o negão de repente meteu até quase a metade lá dentro, apesar de atriz pornô, deu prá perceber que quando ele meteu doeu, Andresa nessa hora estava com a mãozinha em cima da xaninha esfregando devagar, eu sentei bem pertinho dela botei a mão na sua perninha e fui fazendo um carinho bem de leve, minha mão ia subindo bem devagar em direção a xaninha dela, eu torcia prá ela deixar tocar a xaninha dela, mesmo por cima da calcinha, ela se mexeu no sofá e eu parei, ela então me olhou, pegou minha mão e colocou em cima da xaninha dela, meu pau dava pulos e pulos dentro do short, perguntou se podia pegar nele, eu nada falei, fechei meus olhos e senti quando aquela mãozinha me tocou, não agüentei e gozei, respirava com dificuldade, ela meteu a mão dentro do meu short, e percebeu que ele estava molhado, “ você mijou Tony?”, eu disse que aquilo molhado era um leitinho que saía do meu pau quando eu ficava feliz, ela tirou a mão e levou ao nariz, “Tony esse leitinho tem cheiro esquisito”, eu passei a esfregar a minha mão na xaninha dela dando uma sensação gostosa nela, ela remexia demais no sofá, eu já percebia que Andresa estava prá ter o seu primeiro orgasmo, eu puxei a calcinha dela pro lado e espalmei minha mão na sua xaninha com o dedo médio passando de ponta a ponta na xaninha, eu as vezes tocava com a ponta do dedo na “boquinha da xana”, numa desta vez eu forcei o dedo e ela sentiu e gemeu prendendo minha mão entre suas coxinhas enquanto gozava, esperei ela terminar e tirei a mão, Andresa continuava de olhos fechados, me ajoelhei em frente ao sofá entre as perninhas de Andresa, abri suas coxas e meti minha cabeça ali, ela parecendo sair do transe me perguntou o que eu ia fazer, eu disse que ia mostrar que realmente gostava dela e queria ser seu amigo, puxei a calcinha dela prá baixo enquanto ela estava sem defesa e passei a língua na xaninha dela, Andresa ficou toda arrepiada, fiz um carinho na bundinha dela, busquei o cuzinho dela com o polegar, quando toquei nele ela deu um pulinho jogando mais ainda a xaninha na minha cara, quando senti que ela estava pronta prá gozar novamente, me levantei e fui na gaveta do armário e peguei meu gel KY, lubrificante anestésico, voltei a beijar a xaninha dela, mas agora meu polegar estava besuntado de KY, passei um pouquinho no cuzinho dela e esperei ela ficar eufórica com minhas linguadinhas na xaninha, logo que senti ela se arrepiando de novo eu forcei meu polegar no cuzinho dela, “uuuuiiii Toninho, tá ardendo”, eu massageei com o polegar seu cuzinho e de repente meti todo polegar, ela deu um gritinho, mas não reclamou, virei Andresa no sofá botando ela ajoelhada com o rosto no assento do sofá, enquanto com uma mão eu esfregava o grelinho dela, com a outra eu metia todo o polegar no cuzinho dela, ela gemia antecipando o poderoso orgasmo que ela teria, “vai Toninho mete no meu bumbum, mete, isso que você faz é bom, é muito bom, uuuuuiiiiiiii, faz mais faaaazzzz”, outra vez ela travou minha mão que estava entre suas coxinhas e gozou tudo que tinha direito, quando terminou de gozar caiu deitada no sofá então eu abri suas pernas e lambi todo liquido que ainda saía de sua xaninha, o filme na tv já tinha acabado, olhei o relógio e vi que estava tarde, era um dia ótimo prá meter meu pau na xaninha ou no cuzinho dela, mas, também se alguém procurasse por ela, eu não saberia explicar porque ela estaria aqui em casa, por isso, pedi prá ela ir embora, sabia que ela voltaria e quando voltasse eu faria dela uma mulher, Andresa se vestiu, eu fui até a porta e olhei em volta, estava “limpo”, ela poderia sair que ninguém veria, antes de Andresa sair abracei ela pegando na bundinha deliciosa, dei um beijinho na boquinha dela e disse que esperava que ela voltasse, “prá que Tony?”, eu sorri e disse que ela sabia o que eu queria.
Dias depois, vi Andresa passando e perguntei quando ela ia vir na minha casa, ela disse que por ter chegado tarde naquele dia a mãe dela estava pegando no seu pé, eu falei então que ela podia vir no dia que a mãe dela saísse pra trabalhar, ela falou que logo que desse ela viria, “ Tony na sua casa não dá ainda, mas, podemos ir no shopping ou no cinema”, entendi o que ela quis dizer e levei ela num shopping com cinema, fizemos um lanche, comprei um par de brincos e uma pulseira prá ela de presente, e fomos pro cinema, paguei as entradas, comprei um refri e uma pipoca e entramos na sala de projeção, passava o filme a lagoa azul, ela já vira o filme, só acabamos o refri e a pipoca e logo começou a esfregação, beijei sua boquinha e meti a mão entre suas pernas, esfregava meu dedo médio na xaninha por cima da calcinha, aí eu pedi prá ela descer a calcinha até o joelho, Andresa tirou a calcinha e eu voltei a esfregar o dedo agora passando o dedo direto entre os grandes lábios, ela já se alvoroçava, já rebolava na poltrona, eu sentia o desejo dela na ponta do meu dedo, e as vezes forçava a ponta do dedo no cabacinho dela, ela gemia pedia cuidado, ela queria gozar, mas, tinha medo de eu meter o dedo até o fundo e tirar o cabaço dela ali mesmo no cinema, “cuidado Tony, não faz aqui”, eu forcei um pouco mais e senti que o cabacinho ia ceder, “uuuiiiii! uuuuiiiii!”, ouvir aqueles gemidos me deixava com mais tesão, se eu enfiasse meu dedo um pouco mais fundo, já era um cabacinho, respirei fundo e tirei meu dedo dali, no cinema meu alvo era outro, virei ela de ladinho, peguei meu tubo de KY gel no bolso, untei meu dedo médio e indicador, passei o gel também no cuzinho dela, e meti os dois dedos de uma vez, Andresa deu um gritinho, que eu entendi como uma aceitação, e comecei um vai e vem rápido naquela bundinha, ouvia os gemidos de Andresa, abafados pela própria mão dela que estava tapando sua boca, fiquei socando os dois dedos até perceber que Andresa estava gozando, “ isso Tony, faz mais forte, está delicioso, faz”, eu aproveitei e disse prá ela que quando fosse lá em casa eu ia tirar o cabacinho dela e meteria o meu pau no cuzinho dela, depois, dela gozar, pedi para Andresa fazer um “boquete”, ela perguntou como era, eu empurrei a cabeça dela em direção do meu pau, botei a cabeça na boca de Andresa, e mandei ela chupar como se fosse um sorvete, ela de início ficou meio atrapalhada, mas, logo em seguida pegou o jeito e me chupou com gosto me fazendo esporrar em sua boca, Andresa no 2º jato engasgou, mas, eu falei que ela tinha de engolir tudinho porque era assim que eu gostava. Saímos do cinema, eu arrumadinho, ela com a saia no lugar mas sem calcinha, pois esta, estava no meu bolso, passamos numa loja do shopping compramos algumas calcinhas cavadinhas, cada uma que ela experimentava ela me mostrava, a vendedora estranhou aquilo e perguntou se ela não tinha vergonha de se mostrar assim, eu disse que lá em casa era normal, dando a entender que ela era minha filha, a vendedora, quando viu Andresa nua ficou maravilhada com seu corpinho, uma prima dela a iniciou na briga de aranhas, e ela gamou na minha pretinha, Andresa tirava uma calcinha ficava por instantes nuazinha na nossa frente, as vezes até pedia prá ajudar a acertar a calcinha no corpo, acertei uma vez na frente e rocei o dedo na xaninha, e atrás acertei apertando o bumbum dela, a vendedora uma mocinha de uns 16 ou 17 anos, foi ajudar Andresa a pedido dela e quando estava ajeitando uma calcinha nela, ela pegou a mão dela e espalmou na sua xaninha, a vendedora uma branquinha simpática, ficou vermelha como um camarão, mas não esboçou nenhuma reação de tirar a mão dali, Andresa parecia ter hipnotizado a vendedora com seu corpinho lindo, ela meteu a mão embaixo da blusa da vendedora e tocou nos seios dela, a outra mão meteu entre as pernas da vendedora e buscou sua bucetinha, ela deu um gemidinho quase inaudível, aproveitei e meti minha mão na xaninha dela também, bem inchadinha, talvez pelo tesão, puxei a calcinha dela de lado e meti o dedo lá dentro, ela suspirou e se encolheu, tirei minha mão e perguntei prá ela se depois ela queria ir lá em casa prá continuar, ela acenou que sim e eu dei meu cartão prá ela me ligar, como poderíamos imaginar que a vendedora gostasse de garotas e novinhas como ela? Andresa terminou de escolher as calcinhas e na saída deu um beijinho no rosto dela que pegou o cantinho da boca, e disse que esperava por ela, a vendedora riu meio sem graça, agradeceu a venda e deu um tchau, quando chegamos no estacionamento eu antes de sair com o carro pedi Andresa prá me chupar, porque aquilo tinha me deixado com tesão renovado, ela chupou um pouco e parou dizendo que ia continuar em casa, dirigi direto prá minha casa estacionei e entrei, ela como sempre depois que foi em casa, voltou olhou em volta e entrou, uma calcinha que eu adorei era uma vermelha de lacinho na frente, e como eu tinha prendido a outra calcinha dela no cinema, ela veio com esta, peguei Andresa no colo dei um beijo longo na sua boca, e levei direto prá minha cama, tirei sua blusinha deixando nus seus seios, que beijei e mordi o mamilo, tirei sua saia e vi a calcinha vermelha, “você gostou tanto dela que resolvi vir com ela prá você tirar e me deixar nua”, perguntei se ela seria minha hoje, ela riu e disse que só dependia de mim, abracei Andresa, enganchei meus dedos na calcinha e desci perna abaixo, deixando ela nuazinha, quando vi aquela garotinha, pretinha, inteiramente nua, meu pau apontou direto pro teto, beijei todo aquele corpinho, parando na xaninha onde por diversas vezes meti a língua, fazendo ela gozar na minha boca, beijei a bundinha de Andresa, e ela empinou na minha direção, coloquei algumas almofadas embaixo dela, peguei o gel KY, passei no seu cuzinho e no meu pau, esfreguei a cabeça na entrada do cuzinho, encostei a cabeça firmemente e empurrei, quando a cabeça entrou ela deu um gritinho, eu então parei e deixei ela se acostumar, porque ela é pequenina e fechadinha, quando ela relaxou empurrei o restante até o fundo de seu cuzinho onde parei de novo e fiquei beijando sua nuca, sabia que tinha tirado algumas preguinhas dali, mas, mesmo assim, comecei a fazer um vai e vem delicioso, puxando meu pau até ficar só a cabeça dentro e socava de novo até o fundo, fiz isso diversas vezes, Andresa já tinha gozado duas vezes, eu não aguentava mais me segurar, soltei meu peso em cima dela e jorrei todo meu leite tipo A no fundo daquele cuzinho, “goza, Tony, goza dentro de sua putinha”, acabei de gozar e deitei do lado dela, nisso o telefone toca e nós dois levamos um susto, atendi e perguntei quem era, era a vendedora (Janaína) perguntando se podia ir agora porque ela não conseguia esquecer “minha filha”, mandei ela pegar um táxi até minha casa, não demorou ela estava na porta, Andresa estava ao meu lado nua, o que fez os olhos de Janaína brilharem, eu fui ate ela dei um abraço e beijei sua boca, perguntei a ela o que ela achava de Andresa toda nua, ela ainda estava sem fala, falei no ouvido dela que ela teria de ficar nua também, e comecei tirando sua blusa, ela não reagia, só olhava pra menina, soltei seu sutiã, tirei sua saia, desci sua calcinha deixando ela nua, Andresa se aproximou dela e deu um beijo que até me deixou com ciúmes, se você veio aqui é porque me quer, meu paizinho quer você, quero gozar com você, igual “papai” faz comigo, levei Janaína prá cama, beijei todo seu corpo, enquanto ela beijava Andresa, toquei sua bucetinha com os dedos e percebi que ela era virgem, ela estava molhadinha, dobrei seus joelhos e passei a esfregar o meu pau na xaninha dela, não agüentando de tesão, encostei o pau na xotinha dela e forcei, ela saindo do transe que Andresa causava nela tentou me empurrar, mas, Andresa disse que ela tinha de deixar eu fazer, Andresa beijou o seio de Janaína dando mordidinhas no mamilo, ela logo ficou “ligada” e eu aproveitei e dei uma estocada forte, tirando o seu cabacinho, Janaína gemia e lágrimas desciam pelos seus olhos, mesmo assim, continuei estocando até tocar no seu útero, quando senti que ia gozar meti meu pau até o útero e gozei, jorrei meu leite entre aquelas coxas grossas e quentes, saí dali e deixei Andresa completar o serviço, ela lambeu todo o leitinho que escorria com filetes de sangue entre as coxas de Janaína, com essa chupada , Janaína teve vários orgasmos, ela prendeu a cabeça de Andresa entre suas coxas, querendo que ela metesse a língua bem fundo nela, “vem minha delícia preta, sente na sua língua o leitinho e meu cabacinho”, eu pensei que tão cedo ia conseguir outra ereção, mas ao ouvir Janaína, meu pau deu sinal de vida, principalmente, porque as duas faziam agora um 69 delicioso, meu pau já estava empinado, resolvi ajudar lambendo o cuzinho da vendedora, ela percebendo minha intenção, pediu a Andresa prá não deixar eu meter no cuzinho dela, “minha pretinha ele já tirou meu cabacinho, pede prá ele poupar meu cuzinho”, Andresa retrucou dizendo que no bumbum era uma delícia, “Janaína enquanto ele mete no seu cuzinho você chupa minha xaninha, você quer?” Andresa dobrou a perna e abriu a xaninha chamando a vendedora, ela não pensou em mais nada e meteu a língua ali naquele recanto maravilhoso, estava levando Andresa ao delírio, eu aproveitei lubrifiquei o cuzinho dela encostei a cabeça na entradinha e forcei, ela gemeu, mas não saiu da posição empinando ainda mais a bundinha, vendo aquela bundinha moreninha com uma marquinha de bikini, eu meti com força, arrebentando algumas pregas devido a força que coloquei, comecei um vai e vem rápido, indo ao fundo e retornando rápido quase tirando a cabeça de dentro daquele cuzinho maravilhoso, eu já estava extenuado, e não consegui segurar o gozo, jorrei meu “Parmalat”no fundo do cuzinho e caí de lado enquanto as meninas se chupavam, fiquei vendo a transa delas e Janaína queria dar dedadas na xaninha da Andresa, ela não deixou porque sabia que esse era meu sonho, mas, cedeu o cuzinho que eu tinha acabado de abrir, ela metia o dedo na pretinha enquanto lambia sua xaninha, Andresa não demorou muito gozou na boca de Janaína, as duas caíram deitadas na cama, eu vendo aquela transa já estava em ponto de bala, ajoelhei na cama sentei em cima dos calcanhares peguei Andresa e coloquei no colo, chupei seu peitinho acendendo seu fogo, esfreguei meu pau na xaninha dela e entendendo o que ia acontecer Janaína segurou meu pau na entrada da xaninha e eu fui socando devagar até encontrar seu cabacinho, ela me beijou e eu segurei sua bundinha e puxei ela prá minha direção, rasguei seu cabacinho e só parei de enfiar quando toquei seu útero, quando sentiu-se toda penetrada ela deu um gritinho, suspirou e disse “ Tony agora eu sou toda sua meu amor, me parte ao meio com esse pauzão, faz de mim sua mulher, sua putinha, sua vadia”, Andresa me cavalgava, primeiro devagar, depois rápido, subia e descia, de um jeito que me levava a loucura, eu sabia que ia gozar, e me soltei nesse clima, soltei o pouco leitinho que me restava dentro da bucetinha da minha pretinha Andresa, 15 aninhos de muita graça, de muita leveza e de muito fogo entre as coxas roliças de negra em formação, durante um bom tempo eu continuei meu relacionamento com Andresa e Janaína, mas, quis o acaso (descuido) que Janaína engravidasse, ela queria abortar, mas nós decidimos que ela teria a criança, durante a gravidez de Janaína, Andresa ficava lá em casa direto devido a “amizade” com Janaína, ela chegava da escola e já me encontrava nu na cama, tomava o seu leitinho na minha mamadeira e quando me fazia ficar duro de novo me cavalgava até gozar, Janaína quando estava em casa participava, sua barriga grande não atrapalhava era mais uma pimenta para nosso namoro, eu era apaixonado pelas duas, pretinha Andresa por mim e Janaína por pretinha, tudo poderia estar muito bem, mas complicações no parto levaram Janaína e nossa criança, Andresa sabia que eu gostava dela, e entendeu quando fiquei abatido, Andresa agora estava com 16 aninhos, e um dia trouxe até minha casa Camila que estudava na mesma escola que ela, Camila moreninha da mesma idade de Andresa com um corpinho de tirar o fôlego, “Tony trouxe minha amiga Camila aqui prá estudar comigo, ela está fraca em matemática e eu falei que você podia ensinar”, “ aula particular até dou, mas como sua amiguinha vai me pagar?” Camila ficou vermelha e sem graça, por que ela não tinha dinheiro prá pagar e Andresa sabia disso, “ah! Tony não faz assim com ela, eu disse que você era amigo e faria de graça ou quase”, chamei Andresa num canto e perguntei o que ela falou prá garota, ela disse que essa garota não era santa e que um tio dela tinha metido na bundinha dela ano passado, olhei prá Camila e percebi que a aula que ela queria era outra, chamei Camila e Andresa prá sentar no sofá, e perguntei várias coisas a Camila, Andresa acabou puxando o papo de sexo, e ela envergonhada disse que não queria falar disso, Andresa disse que eu era um cara legal e sabia compreender as coisas, “você já transou de alguma forma com alguém?”, perguntei a Camila, ela disse que dois primos dela passavam a mão nela e um dia o tio dela viu e deu uma bronca neles, “eu tinha acabado de fazer 15 anos, e eles tem 15 e 17 anos, sempre que ficávamos sozinhos eles mexiam em mim, no bumbum eles meteram até o dedo, só não fizeram mais porque meu tio viu”, eu abracei Camila “seu tio viu o que? ”perguntei, ela falou que o mais velho colocou ela de joelhos e já tinha passado uma pomada no bumbum e no negócio dele, quando o tio chegou ela já estava com a cabeça do negócio dentro dela, cutucando, estava de blusa e saia levantados, depois desse dia o tio dela evitava deixar os dois sozinhos com ela, na semana seguinte, o tio não foi trabalhar e passou na casa dela, falou sobre os garotos e pediu prá ver se eles tinham machucado ela, Camila inocente, deixou, o tio tirou toda roupa dela, colocou ela de joelhos como o filho dele fez, e começou o exame, ele tirou do bolso uma latinha de vaselina passou nela e segurou sua cinturinha e meteu seu pau, ela gritou que doía, mas, o tio continuou metendo até ele gozar, depois tirou se limpou e saiu, antes mandou ela ficar calada senão ele ia dizer pra mãe dela que ela tinha pedido prá ele e pros primos, envergonhada se calou, ouvi aquilo e já estava de pau duro, quis saber o que ela queria exatamente e ela disse que Andresa ia ensinar ela a gostar de sexo e que eu podia ajudar, Andresa ligou o dvd, que logo apareceu a cena do negão, Camila arregalou ou olhos, engoliu em seco, “isso deste tamanho é de verdade?”, “o Tony tem um deste, e é muito gostoso”, “deve machucar toda” disse Camila, Andresa riu da observação, “estou machucada?, não, fazendo com carinho e amor, fica muito gostoso”, a garota no filme agora estava com o negão montado no seu bumbum, ele socava quase toda vara no rabinho dela que rebolava maravilhada, desci minha mão que estava nos ombros de Camila e fiz um carinho nos seios dela, maiores do que os de Andresa, ela se arrepiou quando peguei nos mamilos, Andresa puxou a blusa (um top), deixando os seios dela de fora, aproveitei e coloquei minha boca no esquerdo e Andresa no direito, ela suspirava, mordi o mamilo fazendo ela gemer, botei minha mão entre as coxas dela, Andresa parou de chupa-la, levantou sua saia e puxou a calcinha dela, estava começado o aprendizado, Andresa abriu as pernas dela e me mostrou a bucetinha linda depiladinha, não perdi tempo e fui beija-la, a xaninha dela é delicadinha, cheirosa, meti a língua direto, Camila gozou ligeiro, pois, enquanto eu chupava a xaninha dela a Andresa metia a língua no cuzinho dela, levamos Camila prá cama e tiramos toda sua roupa, fizemos um trabalho de línguas que deixou ela extasiada, quando ela estava toda entregue botei meu pau na boquinha dela e fiz chupar, quase gozei, ela fazia isso com os primos, experiência pura, quando estava bem lubrificado encostei na xaninha e forcei, ela fez carinha de dor, mas, não dei bola, cutuquei, mais forte, a cabeça passou, Andresa chupava a bucetinha dela e meu pau junto, dava um trato especial no grelinho, cheguei na barreira do cabacinho, soquei mais forte e cheguei ao fundo com um grito dado pela Camila, fiquei paradinho dentro dela, e depois, comecei a puxar até quase a cabeça sair e meti de novo, levando Camila a loucura, eu mesmo já não agüentava mais e gozei dentro, tentei evitar mas, o leitinho tipo A, jorrou desembestado, parte da aula foi dada, a perda do cabaço, agora quero experimentar o cuzinho, mas, isso fica pra outro dia, porque estou sem forças prá continuar, logo voltarei com a continuação,



Ficha do Conto

Escritor:
arcanjonegro

Nome do conto:
MINHA VIZINHA ANDRESA

Codigo do conto:
12322

Categoria:
Virgens

Data do Envio:
24/04/2011

Quant.de Votos:
1

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
4104 A CUNHADINHA Virgens 2
12321 MARCIA & FABIANA Heterosexual 2
40477 A CUNHADINHA II Virgens 1
40491 LUCINEIDE Virgens 1
40492 LUCINEIDE ii Virgens 1
40504 COMENDO A NAMORADINHA DO SOBRINHO I Heterosexual 2
40506 COMENDO A NAMORADINHA DO SOBRINHO II Virgens 3
46147 BARBARA E NICOLE Virgens 10
47096 Márcia Pretinha - 1ª vez Virgens 3
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA