Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





Tirando o cabaço da crentinha ( REAL )


Primeiramente gostaria de me apresentar. Tenho 25 anos atualmente, sou moreno claro, 1,75 de altura, 85KG, olhos e cabelos castanhos e um pau de 19 x 13cm.
Na época em que conheci Cristiane (nome ficticio) eu tinha 21 anos. estava chovendo mto e eu estav de moto então decidi me esconder num quiosque que estava fechado, eram ums 22:30 e a chuva não dava sinais que iria parar, em dado momento vi uma figura correndo pela rua procurando abrigo e veio parar justo onde eu estava. era uma morena de mais ou menos 1,65 de altura e uns 50, 55 kg muito bem distribuidos, cabelos castanhos claros e olhos negros. De cara vi que se tratava de uma evangélica pois ela vestia uma saia muito longa assim como também eram seus cabelos.
Ela timidamente entrou na cobertura do quiosque e eu logo comecei a puxar papo. A principio ela só me dava respostas curtas e não dava prosseguimento à conversa mas aos poucos ela foi se soltando. Me disse ter 19 anos e morar num bairro distante cerca de 1 KM de onde estavamos. mas durante toda conversa eu não conseguia tirar os olhos do decote dela, tinha um par de seios que parecia querer explodir e logo já comecei a ficar de pau duro me imaginando chupando aqueles peitinhos. A chuva estava quase parando quenado ela me disse q iria embora e eu ofereci uma carona, ela relutou muito mas após eu perturba-la mto ela acabou sedendo e subiu na garupa de minha mot ocom uma certa dificuldade por causa da longa saia. No caminho ela parecia com medo então pedi que ela se segurasse em mim para ter mais segurança, na hora ela me abraço forte por trás. Ela me indicou a direção de sua casa e me pediu para parar um quarteirão antes e assim o fiz. quando ela desceu da moto eu fiz o mesmo e pedi seu telefone, ela prontamente me passou o numero e foi saindo, a segurei pelo braço e a beijei com vontade, ela tentava me empurrar mas eu a segurava forte e forcei minha lingua para dentro da boca dele, senti quando ela se entregou ao meu beijo, nossas linguas se confrontavam loucamente, ficamos assim por um bom tempo até que soltei sua boca e beijei seu pescoço, ela deu um suspiro e me disse que não podia. a soltei e a deixei ir mas disse q ligaria pra marcar algo.
2 dias depois cumpri minha promessa, pedi q ela me encontrasse num lugar não muito longe de sua casa, era um escritório de advocacia quje tinha um tipo de varanda mas bem fechada, de modo que somente se alguem procurar viria algo ali, cheguei 5 minutos adiantado e para minha surpresa ela já estava lá. decsi da minah moto e já fui agarrando ela pela cintura e beiajndo aquela boquinha gostosa, apertava sua cintura e ela não me oferecia qualquer resistencia, estava totalmente entregue as minahs caricias, a estava deixando sem folego. suagava sua lingua e mordiscava seus lábios, ela só suspirava e quando mordi sua orelha ela deu um gemido. a virei de cara para a parede e comecei a beijar sua nuca e suas orelhas, acariciava suas costas e apertava meu pau já durissimo contra sua bunda. comecei a enfiar minha mão por baixo da sua blusa e acariciei sua barriga, fui subindo até chegar nos peitinhos, apertava por cima do soutiã e ela gemia cada vez mais, enfiei uma das mãos por biaxo e apertei seu mamilo, ela começou a mexer os quadris e empinava a bunda de encontro ao meu corpo. Subi sua saia e comecei a acariciar suas coxas e fui subindo até tocar sua calcinha. Lambia suas orelhas e bolinava seus seios, quenhtes e macios. quando com a outra mão toquei sua bucetinha por cima da calcinha de algodão e vi q ela estav encharcada e nesse instante ela deu um forte gemido e apertou minha coxa com força tive certeza. Éssa crentinha safada quer que eu a coma.
A puxei pra fora e dei um capacete pra ela, dei partida na moto e a mandei subir, sem nada dizer ela obedeceu, a levei pra uma garagem do departamento municipal de agricultura, um lugar que conhecia bem e sabia que me ofereceria a privacidade que eu queria e também o portão só ficava encostado.
Entramos e já a coloquei sentada no capô de um carro, entrei no meio de suas pernas e comecei a beija-la, tirei sua blusinha e o soutiã, ela tinha os seios perfeitos, mandei q ela tirasse minha camisa o que ela fez mas com uma certa falta de pratica. cai de boca naqueles peitinhos e me acabei neles, ela gemia e me arranhava as costas, cmecei beijando em volta e comecei a passara lingua suavemente, ora um ora outro, deixei os biquinhos por último. passei bem de leve a ponta da lingua num deles, ela se contorceu toda, senti ela me apertando com toda força usando suas pernas. Ela gemia como uma verdadeira puta no cio, pouco depois seu corpo ficou mole, ela havia tido seu primeriro gozo.
Dei um beijo em sus boca e enquanto isso fui levantando sua saia e comecei a masturba-la ainda por cima da calcinha, uma calcinha bege e muito grande pra uma mulher gostosa e naquela idade, ela começou a gemer novamente, mordi sua orelha e disse "parece que essa bucetinha tá querendo levar vara" ela nada disse, enfiei a mão por dentro da calcinha, senti varios pelinhos roçandoi minha mão. masturbei seu grelinho e depois tentei enfiar um dedo naquela bucetinha quente e toda melada, foi ai que tive uma surpresa, a safada era virgem. isso me deixou com mias tezão aindak, tirei sua calcinha e comecei a chupar aquela bocetinha, ela delirava de tezão, chupei seu frelinho e enfiei a lingua naquela bucetinah apertada, suguei tudo q ela havia gozado em pouco tempo ela gozou de novo mas dessa vez foi na minha boca. tirei meu pau pra fora, ela ficou assustada com o que viu, acho q nunca viu um pau na via pois não acreditava no que via, mandei q ela pegasse e ela muito assustada disse que não. Peguei sua mão e levei até meu membro que pulsava de tezão, no inicio ela só passava a mão timidamente mas depois começou a apertar e a punheta-lo, fia ela descer do capo do carro e se ajoelhar, mandei que ela chupasse e novamente recebi um não como resposta. a peguei pelos cabelos e enfiei meu pau na sua boca, comecei a fazer movimentos de vai e vem e fodi sua boca, ela tentava me afastar, me dava tapas mas eu nem ligava. vi lagrimas descerem por seus olhos mas isso me deixou aindamasi tarado, tirei meu pau da sua boca e falei "agora é sua vez sua putinha, chupa meu pau ou vai apanhar". Enfiei novamente e ela continuou tentando me afastar, dei um tapa em sua cara e dei um puxão forte emn seus cabelos. Chorando sem parar ela começou a chupar desajeitadamente, mandei que ela usasse os lábios pra não passar os dentes, mandei q ela passasse a lingua no meu pau o que ela fez de imediato, ela foi pegando o jeito e jpá não chorava mais, parecia estar gostando de sentir meu pau dentro da sua boca, ela chupava e lambia a cabeça, passava a lingia por toda a extenção do meu pau, as vezes parava e o punhetava, logo já estava me pagando um delicioso boquete e acariciando minhas bolas.
Mandei que ela sentasse no capo do carro novamente, tirei uma camisinha do bolso e coloquei no meu pau, abri suas pernas e comecei a esfregas a cabeça do meu pau na entrada da bucetinha, ela gemia cada vez mais. comecei a forçar e ela fez uma cara de dor, e eu continuei forçando, ela gritava para parar pois estava doendo mas eunão me importava, queria deflora-la, rasga-la ali mesmo, ela me implorava pra parar, dizia "para por favor tá doendo muito, você tá me rasgando aiiii . . . para. . . . aiiiii, tá doendo eu não aguento mais seu animal", aquilo me deixou ainda com mais tezão, dei uma estocada mais forte e senti seu himen romper, ela deu um grito muito forte e mordeu meu peito, fiquei imóvel por uns 30 segundos e ela só tremia e chorava muito, comecei a mexer meu pau novamente, bem devagar, tirava e depois recolocava lentamente, fiz isso várias vezes até que fui enfiando cada vez mais fundo até que entrou tudo. deixei ela sentir meu pau toda dentro de sua bucetinha apertada, comecei a socar e ela me pedindo pra parar, não dei ouvidos e continuei socando, depois de um tempo ela parou de me pedir pra parar e notei que ela estava gostando, socava forte e a chamava de putinha, a essa altura ela já gemia baixinho e quanto mais forte eu metia mais ela gemia, ela sentia prazer e já não tinha mais dor. Tirei meu pau daquela bucetinha apertada e a levantei do capo do carro, a fiz se apoiar na parede, encaixei meu pau na sua bucetinha por tras e lenatei sua perna direita, comecei a fode-la novamente, metia sem parar e ela gemendo como uma biscatinha, a fodia como um animal, apetava suas ancas, puxava seu cabelo, apertava aqueles peitinhos deliciosos, beliscava seus mamilos, enquanto metia naquela bucetinha, olhava aquela bunda durinha, branquinha e empinada na minha frente e ficava com mais tezão ainda, em dado momento dei um forte tapa naquela bunda, ela deu um grito mas não de dor, foi um grito de prazer, ela havia gozado mais uma vez, continuei metendo e em menos de 30 segundos ela gozou de novo. já não aguentava mais, estava quase explodindo, gozei como um louco naquela bucetinha que já nem se parecia mais com aquela craterinha apertada que vi no inicio. Gozei e abri suas pernas, me agachei e entrei no meio delas, meti a lingua naquela bucetinha e no cuzinho lindo que piscava pra mim, o chupei até que ela gozou novamente. Ficamos ali mais um pouco e a levei perto de sua casa, ela desceu da moto soltou o capacete no chão e saiu correndo sem nada dizer. Não consegui mais falar com ela mas até hoje sinto saudades da minha crentinha safada.

Foto Perfil notreimon

Ficha do Conto

Escritor:
notreimon

Nome do conto:
Tirando o cabaço da crentinha ( REAL )

Codigo do conto:
15366

Categoria:
Virgens

Data do Envio:
24/01/2012

Quant.de Votos:
8

Quant.de Fotos:
1

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us
Foto 1 do Conto erotico: Tirando o cabaço da crentinha ( REAL )




Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Ultimos Comentários
Comentado por: marcelo22 em: 18/02/2012
nossa me mastubo pla mha vizinha crente, kero come la
Comentado por: Ikis em: 30/01/2012
Lindo demais, adoreiiiiiiii
Comentado por: putinha gostosa em: 30/01/2012
Q delícia de conto!
Comentado por: A Inocente em: 28/01/2012
Amei seu conto
Comentado por: jrbianca em: 27/01/2012
gostei do teu conto...me deu muito tesao..leia os meus e comente....

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
15490 Traçando a veterinária safada (REAL) Heterosexual 0
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA