Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web
   Videos Porno
   Porno Tube

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





A melhor amiga da minha mulher


Não vou dar muitos detalhes de lugares, mas posso dizer que foi agora, no domingo dia 12/08/2012.

Durante a semana recebi uma ligação em casa. Era Fabi, uma amiga de infância da minha esposa. Mãe solteira e bem safada. Alguns instantes depois, minha mulher me avisa que estamos convidados para a festa de 1 ano da filha de Fabi. Que tédio, eu pensei, mas como sua amiga é uma parada e usa umas roupas bem sensuais, achei que valia a pena ir.

Descrevendo rapidamente, ela tem 1,75 – 1,76 se bem me lembro. Loira de olhos azuis, cabelos lisos até o meio das costas, pele clara, seios e bunda médios e as pernas maravilhosas com coxas saradas. Enfim, ela tem um corpo de modelo e é de tirar o fôlego. Tem apenas 36 anos. Não vou mentir que sempre tive uma atração por ela e quando vem em casa, meço a loira de cima a baixo.

No domingo à tarde chegamos à festa e a safadinha veio nos receber. Tive que me conter para não enciumar minha mulher, pois, sua amiga estava com um vestido tipo tubinho, todo preto que mal cobria a bunda, agarrado no corpo, toda perfumada e arrumadinha. Era um convite ao pecado. Jeitinho de patricinha, coisa que eu adoro e com um perfume que eu gosto demais.

O tempo passou até rápido naquele dia e eu, quando podia, olhava aquela mulher de cima a baixo, até que nossos olhares se cruzaram. Fabi me deu sorriso safado que me desconcertou.

Eis que chega minha mulher, como sempre, bebendo do jeito que gosta. Eu tinha me sentado em lugar horrível, quase na entrada e passagem do povo. As coisas ficaram bem mais gostosas quando um casal de atrasadinhos, comuns em festas chegou. Fabi foi os receber e ficou ao meu lado. Minha mulher estava conversando com outra amiga e praticamente de costas para mim.

Eis que Fabi se curva para cumprimentar a sobrinha e quase esfrega a bunda na minha cara. Com aquele vestido curtíssimo, quase deu pra ver o fundo da calcinha. Respirei e pensei em me beliscar, afinal era só um sonho. Minha mulher entretida com a conversa e bem alegrinha nem se ligou, ainda bem. Para todas a hipóteses, eu imaginei que fosse só um incidente.

Um pouco depois, Fabi estava perto de mim, conversando com umas amigas e se abaixou para pegar algo que tinha caído ou supostamente caído no chão e mais uma vez pôs aquela bunda deliciosa na minha cara.

Eu já estava de pau duro e Fabi de costas para mim se aproximou tanto que senti suas pernas roçarem no meu braço. A estas horas eu já queria poder ela de jeito, mas ali não dava.

Mais um tempo depois, Fabi saiu do salão de festas do prédio a fim de fumar um cigarro e deixou a filha com os avós. Esperei uns segundos e disse a minha mulher que ia fumar um cigarro, pois fazia horas que eu não fumava.
Encontrei Fabi sozinha e puxei conversa, olhando ela de cima a baixo. Ela sorriu e me disse: tá gostando da festa? Respondi a ela que sim, mas que estava gostando mais da anfitriã. Fabi sorriu e antes de sair me disse como uma cara de safada: será que vc aguenta?

Ela foi ao apartamento pegar a vela do bolo que havia esquecido e eu fui atrás dela. Queria pega-la no elevador, mas com câmera não dava.

Entrei no apartamento, logo atrás de Fabi. Mal entramos, passei a chave na porta e encostei a loira na parede, beijando sua boca. Ela retribuiu e enquanto eu beijava seu pescoço, enfiei a mão entre suas pernas, que institivamente abriu um pouco mais. Sua calcinha estava molhada. Coloquei a mão por dentro da calcinha de Fabi, sua boceta estava ensopada. Comecei a masturba-la. A loira gemia dizendo que estava gostoso e começou a alisar meu pau por cima da calça jeans. Abaixei-me para chupar sua boceta lisinha e deliciosa. Escorria um mel delicioso.

Ela me pediu para parar já que o pessoal poderia dar falta de nós e foi até cozinha. Lá, abracei-a por trás e comecei a beijá-la no pescoço novamente. Ela me pedia para parar com aquilo e dizia: tua mulher tá lá embaixo... eu te quero... mas não hoje... entretanto, Fabi gemia com minha mão dentro de sua calcinha e roçava a bunda com força no meu pau. Eu dizia que a queria naquele momento.

Eis que ela se debruçou sobre a pia com a bunda empinada para mim e me chama ofegante. Vem rápido, tem que ser rápido... fode minha boceta logo. Abaixei sua calcinha até os joelhos e de uma vez penetrei aquela boceta lisinha. Estava tão molhada e lubrificada que meu pau entrou todo. Comecei a foder a boceta apertada de Fabi e ela gemia com uma putinha no meu pau. Entre uma palavra e outra e seus gemidos de patricinha, ela dizia: me sinto uma puta... Então toma minha rola sua puta. Eu a chamava de puta gostosa... que boceta gostosa e ela respondia: então fode tua puta gostosa... fode minha boceta...

Ela pedia para fode-la com força e eu respondia como ela queria, se masturbando, anunciou que ia gozar, eu me segurei ao máximo para gozar junto com ela. Urrando como uma cadela no cio, Fabi gozou no meu pau e em seguida enchi sua boceta gulosa de porra. Ela se virou de frente para mim e se abaixou, engolindo meu pau e chupou deliciosamente.

Fomos interrompidos pelo interfone. Ela sorriu e correu para atender. Seu pai a estava chamando e queria saber o porquê da demora. Antes de vestir a calcinha ela olhou para a boceta e disse: cacete, minha boceta não para de escorrer porra. Passou a mão entre as pernas e levou a boca. Lambeu tudo com cara de puta satisfeita, beijou minha boca e me disse para descer antes dela.

Foi difícil manter o rebolado, tomei algumas cervejas e minha mulher querendo saber por que demorei tanto. Ainda bem que estava alegrinha, pois não foi difícil dobra-la. Já Fabi se sentia meio incomodada com aquela porra no meio das pernas.

Se gostaram, deixem um comentário e se quiserem me add:
                                



Ficha do Conto

Escritor:
edusaf

Nome do conto:
A melhor amiga da minha mulher

Codigo do conto:
19152

Categoria:
Traição/Corno

Data do Envio:
15/08/2012

Quant.de Votos:
0

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Ultimos Comentários
Comentado por: linsar em: 18/08/2012
Muito bom adorei, essa colega de sua mulher e muito safadinha.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
18894 As calcinhas da minha madrasta Fetiches 2
18900 Perdi a virgindade com minha madrasta Virgens 2
18933 Comi minha namorada na frente da mãe dela Coroas 1
18951 Comi a mãe da minha namorada Coroas 4
18979 Que cunhada gostosa I Traição/Corno 2
18980 Que cunhada gostosa II Traição/Corno 5
18987 A loirinha virgem Virgens 3
19073 A tara secreta da minha noiva: ela deu para quatro Traição/Corno 0
19099 Minha mulher o chupou dois caras no cinema Masturbação 2
19100 Minha mulher encoxada no trem Masturbação 3
19114 A gringa quis conhecer o fogo latino Heterosexual 1
19115 Vi minha mulher dando o cu... Traição/Corno 4
19305 Minha mulher, minha putinha Fantasias 2
20201 Tirei o cabacinho da loirinha virgem, parte I Virgens 1
20202 Tirei o cabacinho da loirinha virgem, parte II Virgens 2
20203 Tirei o cabacinho da loirinha virgem, parte III Virgens 2
20866 Minha irmã foi minha putinha Incesto 3
20899 Primeira orgia com minha mulher Grupal e Orgias 3
29125 A princesinha virou putinha – parte I Heterosexual 3
29127 A princesinha virou putinha – parte II Heterosexual 3
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA