Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





Férias em família


Olá, meu nome é Paulo, tenho 24 anos e sou de Curitiba, a história que vou contar hoje aconteceu a um pouco mais de 1 ano atrás, nas férias de janeiro/2012. Em nossa casa somos em 5, eu, minha mãe Tatiana, meu pai Roberto, minha irmã mais velha Thais e a caçula Fernanda.
Somos uma família bem unida e gostamos sempre de viajar juntos, nessas férias tínhamos programado passar 20 dias em Balneário Camboriú, mas minha irmã Thais, de 28 anos, preferiu viajar a sós com o noivo para Florianópolis, onde a família dele tinha casa. Então, com tudo acertado, logo no começo de janeiro fomos para o apartamento que tínhamos alugado. O apartamento tinha 3 quartos, 1 só para mim, 1 para minha irmãzinha Fernanda, e 1 para os meus pais.
Chegamos logo cedo, vimos que o apartamento estava bastante sujo e com algumas pequenas coisas para serem arrumadas, como chuveiro, torneira, etc. Então o resto do primeiro dia minha irmã e minha mãe gastaram limpando a casa, enquanto eu e meu pai saímos para comprar comida, mantimentos, produtos de higiene e algumas coisas pra concertar no apartamento, e quando voltamos começamos a arrumar essas coisinhas.
Ao final do dia estávamos todos muito cansados e suados com o clima quente que estava, mas meu pai não conseguiu trocar o chuveiro e logo se irritou e foi comprar a janta, sobrando pra eu arrumar o chuveiro, então estava eu em cima da escadinha tentando desenroscar o chuveiro que estava preso quando minha irmã entra no banheiro e diz estar super apurada precisando fazer xixi, fui começar a descer e ela falou que não precisava que não ia dar tempo e mandou eu não olhar e ficar olhando pro chuveiro, abaixou o shortinho e começou a fazer xixi, até então eu não estava olhando pois nunca senti atração por ninguém da família mas o barulhinho do xixi estava me incomodando então fui zoar ela e virei sem nem me ligar, quando virei ela tinha acabado de terminar e estava levantando a calcinha, de costas pra mim e pude dar uma boa olhada naquela bundinha durinha enquanto ela enfiava uma calcinha fio dental , depois ela abaixou pra levantar o shortinho empinando ainda mais aquela bundinha deliciosa, quando ela foi se virar olhei de volta pro chuveiro como se não tivesse nem prestado atenção, ela pediu desculpas pela pressa de fazer xixi, mas não aguentava esperar trocar o chuveiro, então saiu.
Depois de trocar o chuveiro a visão daquela bundinha deliciosa não saía da minha cabeça, nunca tinha pensado na minha irmã dessa forma, mas ela estava um tesão com aquele fio dental enfiado no rabinho. Bom, não preciso dizer que aproveitei que estava no banheiro e bati uma punhetinha pensando naquela bunda deliciosa né? Depois o resto da noite foi tranquilo, mas me peguei prestando mais atenção nas curvas dela do que antes. Fernanda tinha 18 aninhos, tinha a pele bem branquinha e o cabelo comprido, liso e preto, era baixinha e não tinha os seios muito grandes, na verdade um pouquinho maiores do que cabe na palma da mão, achei eles lindos agora que estava prestando mais atenção, tinha biquinhos bem durinhos e viviam marcando as camisetas que ela gostava de andar dentro de casa e uma bunda média também, mais bem durinha e empinadinha, era aquele tipo de menina delicia, pequenininha e com tudo no lugar perfeito.
No outro dia de manhã acordamos cedo para aproveitar logo as praias da região, mas nossos planos foram por água abaixo quando minha mãe percebeu que esqueceu o biquíni em Curitiba, então tiramos a manhã para comprar biquínis novos para ela e minha irmã, meu pai odiava ir às compras com elas, e ficou em casa, eu também odiava, mas alguém tinha que dirigir então levei elas. Chegando em uma loja conhecida da cidade elas já se entusiasmaram e escolheram varias peças e eu sentei no banquinho em frente ao provador enquanto elas escolhiam o que iam comprar. Então minha irmã chega do meu lado segurando um biquíni daqueles micro e me pergunta:
- Paulo, acha que vou ficar bonita com este biquíni?
Me assustei com o tamanho da biquíni e disse:
- Se tu ficar bonita pelada vai sim, porque não tem pano nenhum ai. – e dei risada. Ela então me disse:
- Deixa de ser ciumento, ele cobre o que tem pra cobrir, quer ver? Eu vou ali provar ele e você vai ver.
Então ela entrou no provador, nisso a minha mãe chegou e perguntou da minha irmã falando que já tinha escolhido o dela, que só faltava minha irmã, eu comentei que ela estava no provador, então minha mãe gostou da ideia e resolveu provar também pra não precisar trocar depois. Quando minha mãe entrou no provador, minha irmã saiu. Fiquei de pau duro na hora, sorte que eu estava sentado e a bermuda escondia um pouco, ela estava muito gostosa, veio andando na minha direção com aqueles peitinhos gostosos balançando, o biquíni só cobria a pontinha o resto estava aparecendo e era uma delicia. Quando ela chegou perto eu vi que na parte da bucetinha o biquíni tinha ficado meio dobrado pra dentro e aparecia o ladinho, foi ai que meu pau quase explodiu né, tentei avisar ela, eu disse:
- Fernanda, é melhor você arrumar a parte de baixo que está aparecendo coisa que não devia ai.
Ela olhou pra baixo e viu que bem na parte da bucetinha o biquíni estava com o ladinho dobrado pra dentro deixando aparecendo bem pouco do lado da buceta, então se assustou e levou rápido a mãe pra arrumar, mas na hora que foi puxar pra desdobrar puxou um pouquinho pro alto e durante 1 segundo vi aquela delicia de buceta, sem nenhum pelinho, rosinha, lisinha. Então ela arrumou e ficou muito vermelha de vergonha.
Nisso a minha mãe sai do provador também, acho que estava excitado com a situação, pois nunca tinha olhado minha mãe como mulher, mas quando ela saiu e virou de costas pra se olhar melhor no espelho de dentro do provador vi aquele rabão suculento com o biquíni entrando no meio me deixando com mais tesão. Minha mãe tem 45 anos, mas um corpo de dar inveja em muita menininha, ao contrário de Fernanda ela tinha peitos e bundas grande, e como era nutricionista e fazia academia 5 dias por semana, além de grandes era durinhos e sarados, uma verdadeira tentação, que eu nunca tinha apreciado por ser minha mãe, mas o que aconteceu com minha irmã me deu um clique que elas também era mulheres, e muito gostosas. Minha irmã, percebendo que eu estava olhando pra minha mãe, disse pra me sacanear:
- Mãe, o Paulo está secando a tua bunda!
Ela nem ligou, continuou virada de costas olhando pro espelho, só disse o seguinte:
- Bobo dele, com você nesse micro biquíni na frente dele, se fosse ele eu estava olhando é pra você.
Minha irmã virou um pimentão na hora, mas me surpreendeu e disse:
- Ele estava, até descobriu que o biquíni tinha ficado dobrado bem lá na Fernandinha, esse safado estava olhando pra ela!
Já era tarde demais pra tentar me salvar, então fiquei morrendo de vergonha, pois eram minha mãe e irmã, mais minha mãe me tranquilizou quando disse:
- Que bom, quer dizer que gosta de mulher, preferia que estivesse olhando pra homem?
Minha irmã ficou quieta depois dessa e foi tirar o biquíni no trocador, minha mãe então virou pra mim e perguntou o que eu tinha achado do dela, era bem mais comportado que o da minha irmã, mas não sei se ela ficou excitada com a conversa, mas dava pra ver bem marcadinho o biquinho do peito dela no biquíni e não consegui desviar o olhar né, quem é homem sabe como isso hipnotiza, então eu disse:
- Tá lindo mãe, vai fazer sucesso na praia. – Ela então me respondeu:
- Tua irmã tem razão, você está um tarado, fica secando os peitos da tua mãe assim sem vergonha nenhuma?
Pensei que ela ia ficar muito puta da cara com isso e já preparei pra levar sermão:
- Desculpa mãe ... – ela então me interrompeu.
- Calma filho, fica tranquilo, sei como homem é, ainda mais do lado da tua irmã naquele biquininho, fica tranquilo tá? Há, e antes que eu me esqueça quero que você prove isso aqui, presente meu pra você, não pode dizer não!
E me deu uma sunga cinza clarinha, odeio sungas, prefiro bermudas, mas já estava morrendo de culpa dessa conversa e resolvi provar logo pra ir embora, então minha irmã saiu do provador e eu entrei, minha mãe foi no do lado. Coloquei a sunga, só gritei que serviu bem e ia tirando quando elas me pediram pra sair pra elas olharem, mas eu não podia, ainda estava com o pau duro daquela situação, então disse que não, quando minha mãe disse:
- Para com isso menino, você pode olhar pro nosso corpo e a gente não pode olhar pro seu? Pode ir saindo já daí!
- Nem mãe, já estou tirando, ficou boa, podemos ir já.
- Não vamos sair até você me mostrar como ficou Paulo, sabe como eu sou teimosa!
Não tinha jeito, ela era mesmo cabeça dura e ia ficar ali até eu sair, então tentei arrumar o pau pra não ficar tão evidente e sai, e já fui virando de costas como se estivesse olhando no espelho. Quando minha irmã disse:
- Mãe, já viu né? Porque ele não queria sair? – e morreu de dar risada.
- Isso ai foi você que fez com ele, não sei porque tá rindo menina – disse minha mãe, então a Fer retrucou:
- Nem vem que ele estava te sacando também.
Minha mãe ignorou o comentário e continuou olhando pra mim, eu estava de costas, fingindo que estava olhando pro espelho, então minha mãe disse:
- Vira pra cá Paulo, já vi como fico atrás, quero ver como fico na frente. – Então eu virei e ela olhando pro volume que meu pau fazia, agora mais do que nunca, disse – Nossa Fer, olha como ele está, o instrumento dele é grande hein? As menininhas da idade de vocês devem adorar.
Então eu e minha irmã viramos dois pimentões de vergonha, nunca tínhamos ouvido nossa mãe falando assim. Então acho que ela percebeu que a gente estava meio sem graça do assunto me pediu pra botar a bermuda de volta, pagamos os produtos e fomos pra casa, no carro, acho que pra me provocar, minha mãe ainda disse:
- Fer, você já transou com um cara com o volume igual do teu irmão?
Minha irmã não podia nem olhar pra mim de vergonha e disse:
- Para mãe, o Paulo está aqui, isso é conversa de menina. – então minha mãe disse:
- É, mas estamos falando do pau dele, acho justo ele estar aqui, agora me responde, já ou não:
- Não mãe...
- Então deveria, quando eu tinha tua idade adorava dar pra esses caras picudos, quando achar um experimenta depois me conta.
E eu continua quieto no meu canto não acreditando no tanto de coisa que minha mãe estava falando, ela que nunca tinha falado besteira perto da gente. Mas logo minha irmã não deu conversa, nem eu, então minha mãe logo parou de falar e fomos quietos pra casa.
Os próximos 5 dias aproveitamos para conhecer as praias da região, laranjeiras, praia do buraco, praia dos amantes, praia do estaleiro. Cada dia íamos em uma nova e passávamos praticamente o dia inteiro, e eu não parava de secar minha mãe e minha irmã, e elas pareciam não ligar muito também, e meu pai, como sempre distraído nem percebia as olhadelas.
Depois de quase 1 semana na praia, a gente recebe a ligação da Thais, chorando, o noivo dela tinha traído ela e ela tinha acabado de descobrir, tinha saído da casa dele e estava em um hotel, pediu pra gente ir buscar ela. Meu pai sempre preguiçoso me pediu pra pegar o carro e ir buscar ela, então saí de casa lá pelas 10h da noite, peguei a estrada e fui até o hotel que ela estava em Florianópolis, chegando lá ela me pediu pra subir. Quando entrei no quarto ela estava com aqueles camisetões gigantes de gatinho, meias, com o cabelo solto desarrumado, devia ter ficado o dia inteiro na cama vendo TV antes de ligar pra gente.
- Senta aí na cama Paulo, pra gente ver TV, eu quero encher a cara hoje e não gosto de beber sozinha, então você vai beber comigo e dormir no sofázinho ali pra não pegar a estrada bêbado, amanhã a gente vai pra Balneário.
Fiquei aliviado de ver que ela estava bem, só precisando encher a cara pra afogar as mágoas, então desci, fui até o posto e comprei uma vodka e 2 engradados de latinhas de cerveja, subi pro quarto e começamos a beber, ficamos assistindo os filmes da TV a cabo no hotel até acabar a vodka e 1 dos engradados, então já não achamos nenhum filme bom e ficamos zapeando de canais, uma hora parávamos num canal de música e ela já bem bêbada começava a pular e dançar, depois tentávamos começar a assistir um filme pra ver se era bom. Não sei se por causa da bebida ou do clima, mas eu estava com muito calor e tirei a camisa. Eu sou moreno, não muito alto, tenho o abdômen definido da academia e o peitoral largo pois luto boxe, ela então me disse:
- Puta que pariu, é uma merda ser mulher mesmo, você pode tirar a camisa ai numa boa e eu morrendo de calor.
Eu disse:
- Se fode ai.
Ela então retrucou:
- Foda-se você, to nem ligando pra você, vo tirar a camisa também que tá muito calor e você é meu irmão mesmo. – E tirou a camisa.
A Thais tinha puxado a mãe, tinha os peitos e a bunda grande, estava bronzeada, barriguinha chapada pois fazia academia com a gente. Tirou o camisetão e ficou só de calcinha na minha frente, meu pau dei sinal de vida na mesma hora, mas ela não percebeu, ela estava usando aquelas calcinhas de bichinhos, o que me deixava com mais tesão.
Nesse momento ela estava deitada na cama e eu no colchão no chão, no pé da cama, então eu fui virando de canal e passei sem querer por um canal pornô, ela gritou pra eu parar, mais eu mudei só pra provocar, ela então se virou na cama com a cabeça pro meu lado e tentou pegar o controle me agarrando pelas costas, pude sentir aquele peitão delicioso encostando na minha costa e estiquei mais o braço pra ela não alcançar, ela então pulou pro colchão que eu estava no chão, do meu lado e agarrou o controle e voltou pro canal pornô e disse:
- Caralho Paulo, olha o tamanho da tora que o negão tá enfiando nessa loirinha, ela vai morrer assim – e se matou de dar risada.
Eu ali, vendo um pornô, meio bêbado, com uma gostosa só de calcinha do meu lado estava com o pau quase explodindo, então não aguentei e comecei a passar a mão por cima dele, mesmo por cima da bermuda. Ela estava hipnotizada pela jeba do negão entrando na loirinha na TV, e ficamos um tempo ali vendo até o negão gozar na boca na loirinha, ela então disse;
- Eu adoro gosto de porra, mas gosto ainda mais de lamber aquela gotinha que sai do pau do cara para lubrificar, aquele viado do meu ex-noivo, se soubesse que já lambi a jeba de mais da metade dos amigos dele não ia se achar tanto.
Então ela olhou pra minha mãe mexendo com o meu pau por cima do calção e falou:
- Aff Paulo, coitado do bixinho, tu fica ai apertando ela no calção, já estamos bêbados mesmo e eu sou tua irmã, pode botar ele pra fora ai.
Então, meio bêbado, tirei a bermuda sem cerimônia, e comecei a acariciar o pau assistindo o novo pornô que estava começando, ela então disse:
- Mas se você pode eu também posso!
Então tirou a calcinha do meu lado, abriu as pernas e começou a esfregar aquela bucetinha. Era linda demais, rosinha igual a da Fer mas tinha uma linhazinha de pelo encima que dava uma vontade imensa de cair de boca. Ficamos os dois ali se masturbando bem devagar enquanto assistíamos o pornô, ela me viu olhando pra bucetinha dela umas 3 vezes e falou:
- Nem vem, somos irmãos, não vou pegar no teu pau e você não vai chegar perto da minha buceta seu tarado.
Eu só dei risada e continuamos ali, até que saiu aquela gotinha de lubrificante do pau, lembrei do que ela disse e falei pra ela:
- Olha ali Thá, era disso que você tava falando?
Ela olhou pro meu pau e ficou secando com água na boca e disse:
- Posso pegar só essa gotinha Paulo? Me da um tesão foda lamber isso.
- Claro que pode Thá.
Então ela levou a mão pra pegar a gotinha e eu tirei a mão dela e disse:
- Mas vai ter que ser com a linguinha.
Ela me olhou com um cara séria que pensei que ia dar merda, então segurou o cabelo atrás do pescoço e desceu olhando pro meu pau e lambeu a cabeça, foi uma sensação que não tem como descrever, tua própria irmã, uma gostosa, passando a língua bem devagar na cabeça do teu pau, e por sorte ela não parou, ela disse:
- Sabe que teu pau é bem bonito, vermelho e com essa cabeça gigante, quero ele dentro de mim Paulo.
E começou um boquete delicioso colocava ele inteiro na boca, parecia profissional, tirava só a linguinha por baixo pra lamber as bolas, nunca levei um boquete tão gostoso, eu sabia que ela era safada, mas não sabia que eu que ia me beneficiar disso.
Depois de deixar meu pau todo babado, ela ficou de pé na minha frente, eu sentava embaixo dela, bem de frente pra buceta que estava encharcada já. Eu estava sentando de costas pro pé da cama, ela então passou um joelho pelo lado da minha cabeça e apoiou na cama, ficando com a buceta bem perto da minha cara, olhou pra mim e disse:
- Da uma lambidinha nessa puta da tua irmã, dá?
Então passei a língua desde o finalzinho da buceta, bem pelo meio, até o comecinho dos pelinhos encima e parei, ela estremeceu toda, então puxou meu cabelo pra trás fazendo minha cabeça cair na cama e subiu com o outro joelho na cama ficando com a buceta esfregando na minha cara e gritava:
- Lambe a buceta da puta da tua irmã seu safado, sente o gosto dela, sente ela toda molhadinha esperando teu pau gigante arregaçando com ela, lambe meu puto, chupa essa buceta meu irmão safado.
E ia esfregando a buceta toda molhada na minha cara, parecia o paraíso, aquela buceta linda na minha cara subindo e descendo e eu passando a língua por ela inteirinha, sentindo cada detalhezinho daquela buceta linda, sentindo o calor da minha irmã na minha língua, sentindo o líquido dela escorrendo e descendo pelo meu peito, ela gritava igual uma vadia, o que me deixava com mais tesão ainda.
Então ela levantou, ficou de pé na cama, eu levantei também, mas no chão e ela pulou em mim, eu segurei ela no colo, ela passou as pernas pela minha cintura, me olhou com carinha de inocente e disse que queria que eu mamasse nela, então coloquei aquele peito gostoso, redondo, quente, na minha boca e chupei, apertei, mordisquei, e cada movimento que eu fazia ela jogava a cabeça pra trás e gemia gostoso, então, ainda mamando nela, ela desceu um pouco no meu colo, colocou a mão por trás até achar o meu pau e encaixou na bucetinha, deslizou pra dentro de tanto tesão que nós dois estávamos e ficou rebolando no meu pau dizendo:
- Fode a tua irmão seu tarado pervertido, tá me arregaçando todinha com essa cabeça grande e vermelha, me arrebenta, me fode inteira seu puto, fode essa puta da tua irmã, fode seu cachorro.
Fodemos igual animais, joguei ela na cama, papai mamãe, depois ela veio de 4 igual uma cadela rebolando no meu pau, tentei forçar no cú e ela não deixou falando que nunca tinha dado o cú, que tinha medo e o corno do noivo dela tinha nojo, então não insisti e aproveitei tudo que ela me dava, até que ela viu que eu ia gozar e não aguentava mais e disse:
- Quero sentir o gosto do meu irmãozinho, goza na minha boca maninho, goza na boca da tua putinha.
Sem pensar duas vezes tirei o pau todo babado da buceta, virei ela de frente, fiquei de pé na cama, ela estava sedenta, grudou no meu pau e mamou até eu encher a boca dela de porra fervendo, ela engoliu tudinho e lambeu meu pau inteiro pra não deixar escapar nada, olhou pra mim e disse:
- Nossa Paulo, que pau delicioso, nunca imaginei que ia gozar tanto com o meu irmão.
- É Thá, foi a foda mais gostosa que eu já tive.
- Minha também, e eu já tive muitas – deu risada – mas ninguém pode ficar sabendo, eu não acho errado o que fizemos, mais sempre tem gente que acha, não vamos contar pra ninguém, assim podemos repetir sempre que estivermos carentes, o que você acha?
- Se for pra te foder de novo faço o que você quiser.
- Seu safado, te amo maninho lindo.
Então levantou e foi tomar banho, depois que ela saiu eu fui, então dormimos exaustos pelados e abraçados se curtindo a noite toda, pois sabíamos que era o único dia que ficaríamos sozinhos assim.
Acordamos bem tarde no outro dia devido ao cansaço, comemos qualquer coisa e voltamos para balneário, minha irmã nem parecia a mesma que encontrei a noite, estava alegre, agitada e foi bagunçando e falando sacanagem a viagem inteira, acho que agora ela sentia livre pra falar de sexo numa boa e estava me contando as loucuras dela, e eram muitas, não imagina que ela era tão safada assim mas estava adorando. Foi quando ela começou a me contar da primeira vez que transou com uma mulher.
- Nossa Paulo, sou viciada numa pica, você já percebeu, mas já chupei bucetinhas também, até que eu gostei viu.
- BucetinhAAS? – Eu perguntei.
- É, no plural mesmo, eu e as meninas da faculdade fizemos um suruba só das amigas, chupeí várias bucetinhas aquela noite.
- Mas você é uma puta mesmo hein? Belo exemplo pra Fernandinha você. – E dei risada.
Ela deu mais risada ainda e falou:
- É irmão, você não sabe da missa a metade né? Nossa irmãzinha não tem é nada de santinha, alias, nós duas puxamos a mamãe que é uma tarada.
- Sério? Nunca percebi.
- Claro, ela só se solta quando está comigo e com a Fer, ela já conto cada história de quando era mais nova que até eu fiquei envergonhada.
E ficamos conversando até chegar em Balneário Camboriú, como chegamos mais pro final da tarde estavam todos em casa tomando café, e logo que entramos a Fer e minha mãe já puxaram minha a Thais pro quarto para conversar sobre o que aconteceu com o ex dela. Tomei meu café e fui tomar um banho pra tirar a canseira da viagem, demorei bastante no banho, pois não acreditava no que tinha acontecido no dia anterior e só de pensar já ficava excitado. Quando sai do banheiro vi que a casa estava muito quieta, olhei na sala e não tinha ninguém, então fui até o quarto das meninas e não tinha ninguém também, então resolvi verificar o quarto dos meus pais e minha mãe estava chorando sendo consolada pelas minhas irmãs, fiquei meio sem saber o que aconteceu, então a Thais me viu, saiu do quarto e veio falar comigo.
Meu pai tinha recebido uma ligação que falou que era do trabalho e teria que voltar urgente para Curitiba, e minha mãe desconfiava que ele estava saindo com outra por isso estava chorando. Fiquei sem saber o que falar, mais deixei as meninas consolarem a mãe e fiquei assistindo TV, depois de um bom tempo ela foi tomar banho, minhas irmãs entraram no quarto pra conversar. Depois do banho ela parecia que já estava melhor, mais como eu sabia que ela estava triste chamei elas pra jantar fora.
Fomos para um restaurante especializado em frutos do mar conhecido da região e passamos uma noite muito boa, bebendo e comendo muito. Para afogar as mágoas minhas mãe extrapolou na caipirinha e ainda misturou com vinho, saiu tortinha do restaurante, mas nenhum dos 4 estavam muito bem, acho que de todo eu era o melhorzinho, então fui dirigindo, quando cheguei em casa as 3 estavam dormindo, minhas irmãs no banco de trás e minha mãe no da frente.
Tentei acordar elas mais estavam muito moles de bêbadas, então apoiei a Fernandinha em um braço e a Thais no outro e fui ajudando elas a subir pro AP e deixei elas na cama, voltei pra buscar minha mãe, mas ela não conseguia nem ficar de pé apoiada como minhas irmãs, então me pediu pra levar ela no colo. Segurei ela no colo e fui subindo com ela, quando tomei um susto, ela começou a beijar o meu pescoço e passar a língua no meu ouvido me dando um tesão danado, olhei pra ela e ela me olhou com uma cara de santinha, então passou a mão por trás e apertou a minha bunda e disse:
- Nossa filho, você tá gostoso hein?
- Você tá bêbada mãe, se comporte. – E demos risada.
Chegando no AP estava um silêncio enorme, com certeza as duas já estavam dormindo, então levei a mãe pra cama dela, deitei ela e ia saindo quando ela me chamou:
- Paulo, ajuda a mamãe a tirar essa roupa, tá fedendo a cigarro e bebida, assim vou dormir mal e acordar de ressaca.
- Mãe, não é a roupa que está cheirando bebida é você e tenho certeza que de um jeito ou de ouro você vai acordar de ressaca.
- Ah, vem me ajudar, por favor Paulo.
Então peguei uma camisolinha que ela costuma dormir e estava pendurada no armário levei até ela.
- Obrigado filho, agora me ajuda a tirar essa roupa aqui.
Eu estava muito nervoso, minha mãe tinha um corpo lindo e estava pedindo pra eu tirar a roupa dela, eu não queria me aproveitar da bebedeira dela mas meu pau estava dura igual uma pedra de tesão, então ajudei, tirei a camisa e a calça jeans que ela estava usando, ela continuou deitada, estava muito bêbada pra levantar, e ficou ali, só de calcinha e soutien branco de rendinhas na minha frente, dava pra ver a rachinha da buceta dela pela calcinha, eu queria comer ela ali mesmo, mas não podia me aproveitar dela bêbada, então comecei a colocar a camisola nela, quando ela disse:
- Não adianta, mesmo sem a roupa ainda estou fedendo, vou precisar de um banho, me ajuda filho?
E tentou levantar, dessa vez ela conseguiu, embora meio cambaleando, então guiei ela até o banheiro, liguei o chuveiro peguei um banquinho pra ela sentar, coloquei ela sentada lá, e fechei o box e fiquei do lado de fora pensando naquelas curvas deliciosas sendo envoltas com água, queria muito tirar o pau pra fora e bater uma ali mesmo, mas tinha que me controlar, era minha mãe, e estava bêbada.
- Paulo, por favor, me ajuda aqui, não estou conseguindo me lavar direito. - Quando abri o box ela estava com um peito pra fora do soutien que já estava tudo torto e com a calcinha só em uma perna na altura do joelho.
Ela era muito mais deliciosa do que sempre imaginei, ela deixava crescer uns pelinhos acima da bucetinha gordinha dela, rosadinha, com uns peitões gigantes e aréolas bem grandes rosas, quase gozei sem nem pegar no pau de tanto tesão, ela nem ligava que eu estava vendo ela daquele jeito.
Então terminei de tirar o soutien dela e a calcinha, ela ficou peladinha na minha frente, uma delicia, mas eu tinha que me conter, ela estava muito bêbada, então comecei a passar sabonete nela, nos ombros, nos braços, nas costas, na barriguinha, quando ela pegou minha mãe e levou até os peitos e disse:
- Lava aqui também amor, a mamãe gosta. – E fez uma cara muito de safada.
Então esfreguei seus seios, fiquei brincando um pouco com os mamilos, ela estava com cara de que estava gostando, mas resolvi não me aproveitar muito, então já desci a mão pra lavar a perna, quando ela pega a minha mão devolta e leva até na bucetinha dela:
- Lava aqui também pra mamãe amor?
Eu queria muito comer a minha mãe ali mesmos, mas não podia fazer isso com ela, não nesse estado, então comecei a lavar a bucetinha dela e ela jogou a cabeça pra trás com tesão, comecei a massagear e ela começou a respirar mais forte, a esta altura estava ajoelhado na frente dela, ela então pôs a cabeça nos meus ombros enquanto eu esfregava a bucetinha dela bem devagarzinho e ela disse no meu ouvido:
- Coloca um dedinho dentro da mamãe filho, por favor.
Não consegui me conter e coloquei 2 dedos dentro da buceta da minha mãe e comecei e masturbar ela ali no chuveiro, até que ela jogou a cabeça pra trás e gozou gostoso, terminei de dar o banho nela e levei ela pra cama, vesti a camisolinha nela, sem nada por baixo e deixei ela dormindo ali. Devo ter batido o recorde de punhetas consecutivas depois que fui para o meu quarto, não conseguia tirar aquela cena da minha cabeça.
Quando acordei no outro dias as 3 já estavam na sala, todas com cara de ressaca e minha mãe super envergonhada, então quando cheguei e sentei ali com elas, ela se levantou e foi pra cozinha dizendo que ia fazer um suco de laranja, perguntei se ela precisava de ajudar pra espremer as laranjas e ela falou que sim, deixamos as meninas na sala e fomos para a cozinha, chegando la ela me perguntou:
- Filho, foi você que me deixou na cama ontem?
- Fui mãe.
- Mas eu acordei de banho tomado e não lembro de ter tomado banho ontem, não lembro nem como cheguei em casa.
- Você não queria ficar fedendo cigarro e bebida por isso tomou o banho.
- Paulo, o que eu to enrolando pra falar é que eu acordei de banho tomado e sem roupas intimas, e não estava em condições de tomar banho sozinha, você me ajudou?
Fiquei sem saber o que responder, mas resolvi dizer a verdade:
- Sim mãe, você me pediu.
- Então você me viu pelada né?
- Sim – respondi totalmente envergonhado – mas não tinha jeito, você queria muito tomar banho e me pediu e eu não sabia o que fazer.
- Tudo bem filho, nossa to morrendo de vergonha de você agora, não sei onde esconder minha cara.
Vi então que ela ficou totalmente sem graça então resolvi quebrar aquele clima tentando dizer algo engraçado:
- Não se preocupa mãe, não foi nem um pouco sacrificante pra mim – E dei um sorrisinho meio safado, ela então deu risada, pegou o suco e voltou pra sala.
Passamos o dia inteiro em casa devido a ressaca braba que estavam, mas cedinho do outro dia resolvemos aproveitar a praia ao máximo e fazer a mãe esquecer um pouco do pai. Resolvemos ir até Laranjeiras, ficamos a manhã toda curtindo o sol e o mar, tomando umas cervejinhas de leve, mas percebemos que a mãe ainda não estava muito boa, então de tarde estávamos voltando quando vimos vários carros parados na beira da estrada e um monte de gente com binóculos, então a Fer deu a idéia de parar ali pra ver o que eles estavam olhando. Estacionei o carro, tomo mundo desceu, quando o pessoal viu a gente começou a ir embora, ficamos sem intender nada, então olhamos em direção ao que o povo tava olhando antes e vimos um monte de gente pelada na praia, era uma praia de nudismo ali, demos muita risada da situação e entramos no carro pra ir embora. Já voltando pra casa a Fer fala:
- Não imaginava que tinha uma praia de nudismo aqui, depois vou pesquisar na net pra ver o nome.
Então a Thais responde:
- É a praia do pinho, eu sabia que era por aqui, mas não sabia onde direito.
- Ahh, quer dizer que estava procurando, gosta de andar na praia peladona né – Disse a Fer e começou a dar risada. Então a Thais retrucou:
- Não é isso sua idiota, é que a mãe falou que já tinha lido dessa praia e tinha vontade de vir antes de eu ir com o viado do meu ex pra Florianópolis.
Minha mãe olhou pra mim, depois olhou pra Thais e disse:
- Isso é coisa pra contar na frente do teu irmão Thais? Eu sempre tive vontade sim, mas em respeito a você, Paulo, e a seu pai, nunca vim. Uma vez comentei com ele e ele não gostou da idéia de outros homens me verem e não quis mais ouvir no assunto.
Daí eu disse:
- Nada a ver essa de respeito mãe, eu não ligaria de você experimentar essa sua vontade e o pai está sendo um cuzão, sinceramente.
- Nossa filho, não sabia que você era tão liberal assim, pensei que era careta igual seu pai.
Então a Thais me inventa de falar:
- Então porque não aproveitamos que o pai não está aqui e vamos amanhã pra essa praia, sou louca pra experimentar também. O que você acha Fer?
- Por mim podemos ir, mas já vou avisando que vou ficar envergonhada.
Então minha mãe disse:
- Ai vocês e essas suas idéias, vocês acham que o irmão de você vai querer ir numa praia de nudismo com a mãe e as irmãs?
Então respondi na hora:
- Por mim está tranquilo mãe, também tenho curiosidade de visitar uma praia dessa.
Então a Fer disse:
- Curiosidade de ver uma praia de nudismo ou de ver a gente pelada seu tarado? – E deu risada. Minha mãe vendo que eu fiquei sem graça resolveu me ajudar:
- É melhor você cuidar Fer, eu lembro que você não tirava o olho do pau do teu irmão quando a gente estava vendo biquíni .
Demos todos risadas, a Fer virou um tomate de tanta vergonha e fomos brincando até chegar em casa, na outro dia de manhã então fomos em direção a tal paia de nudismo, chegando lá tem uma cabaninha de adaptação, ficamos os 4 nos olhando até que a Thais resolveu tirar a roupa, tirou a parte de cima do biquíni expondo aqueles peitões deliciosos e depois a parte de baixo do biquíni, mostrando a bucetinha rosadinha, minha mãe e irmão ficaram olhando pra ela e ela disse:
- Vocês vieram aqui pra me apreciar ou pra ficar pelados também?
Então começamos todos a tirar a roupa juntos até, minha mãe e irmã ficaram de costas e tiraram a parte de cima do biquíni, eu tirei minha camiseta, então elas começaram a tirar a parte de baixo e ficaram com aquelas bundinhas brancas redondinhas viradas pra mim, tirei a sunga e estava tentando me controlar pra não ter uma ereção ali mesmo, então elas viraram pra mim, estavam as 3 na minha frente peladinhas, a Thais e minha mãe com peitões deliciosos, a Fer com um peitinho menor mais durinho que era uma delicinha, ela ainda tinha deixado só um fiozinho de pelos encima da bucetinha, minha mãe deixava um pouco mais e a Thais era raspadinha, não aguentei e fiquei de pau duro olhando aquelas 3 delicias, quando a mãe disse:
- Nossa Paulo, é maior do que eu imaginei aquela vez, mas para com isso, o que o pessoal aqui vai achar?
- Não sei o pessoal, mais eu achei uma delicia – disse a Thais, dando risada.
- Você é uma puta mesmo, não perdoa nem o pau do irmão? – a Fer disse em resposta.
- Como se você não estivesse babando, olha só que delicia, sei que você queria um pau desse nessa tua bucetinha sua safada – e se matava de dar risada.
A Fer nem respondeu mais ficou muito vermelha e braba, então pra amenizar a mãe disse uma coisa que me deixou mais de pau duro ainda:
- Querem parar as duas, o pau do teu irmão é uma delicia mesmo, mas não fiquem falando senão ele não consegue abaixar. Paulo, vai la no banheiro e faz o que tem que fazer pra gente poder passear aqui.
Fiquei meio sem graça, mas fui pro banheiro e me aliviei, então sai passear com elas pela praia, elas estavam se curtindo todas com todos os homens olhando pra elas e eu ali sortudo com 3 gostosas comigo. Resolvemos para então, estendemos as esteiras e cadeiras, arrumei o guarda sol e ficamos tomando um sol, eu fiquei na cadeira curtindo o movimento, do meu lado direito a minha mãe deitada com a bunda pra cima numa toalha curtindo o sol, do lado dela a Thais na mesma situação e do lado esquerdo a Fer também deitada com a bucetinha pra cima. Então falei que ia pra água (queria tentar esconder um pouco minha ereção), e entrei no mar deixando as 3 lá, logo a minha mãe levantou e entrou no mar também, chegou perto do mim e me disse:
- Já conseguiu se acalmar ai filho:
- Ainda não mãe, tá fogo viu, vocês são muito gos... bonitas não to aguentando.
- Que filho safado, com tesão das próprias irmãs, pena que não é de mim também, senão eu podia te ajudar.
Eu não acreditava no que acabei de ouvir, era a minha mãe se insinuando pra mim? Era bom demais pra ser verdade então resolvi ver até onde isso iria:
- Você sabe que você é a mais gostosa das 3 né mãe?
- Você acha mesmo ou só está querendo um ajuda ai?
- É sério mãe, desde que vi você provando aqueles biquínis que fico pensando em você como mulher.
- Deixa eu te ajudar então com esse teu probleminha filho.
Ela então chegou mais perto de mim e começou a tocar um punheta bem discreta por baixo da agua mesmo pra ninguém ver, aquilo era o paraíso, minha mãe, supergostosa, com os peitos a poucos centímetros de mim, massageando meu pau, então ela soltou, olhou pra mim e mergulhou, foi quando senti a boquinha dela no meu pau, colocou ele inteiro na boca, passou a linguinha e subiu, pegando com a mão devolta, e ficou tocando uma punheta até que eu falei que ia gozar, ela então mergulhou mais uma vez e colocou a boca e eu não aguentei, gozei na boquinha dela, ela voltou pra superfície, abriu a boca pra me mostrar a porra que eu tinha deixado na boca dela e engoliu tudinho.
- Pronto filho, agora acho que você ta mais calminho pra voltar pra areia com suas irmãs, vamos lá?
Então fomos até a barraca , a Fer não estava ali e a Thais estava sentada olhando pra gente e falou:
- Mãe, tem um negocio branco escorrendo da sua boca.
Ela rapidamente levou a mão na boca pra limpar mais não tinha nada, então Thais disse:
- Eu sabia – e deu risada – essa é velha hein, como você caiu mãe? E você hein Paulo, me traindo?
Minha mãe ficou paralisada sem saber o que falar. Então a Thais disse:
- Relaxa mãe, sei como essa porra é gostosa, a gente passou a noite toda fodendo quando ele foi me buscar, ele é tão safado quanto a gente esse cachorro.
- Filha, por favor, não conta isso pra ninguém, se alguém souber...
- Já falei, relaxa mãe, ninguém vai saber, MAS, eu quero te pedir uma coisa?
- Chantagem não né?
- É sim, sempre tive vontade de transar com uma mulher mais velha e minha única experiência com mulher é aquela suruba da faculdade que te contei sabe? Vamos trepar gostoso nós 3?
- Ai filha, eu sou a mãe de vocês, você sabe como isso é estranho...
- na hora de mamar no teu filhinho não era né? – então a Thais abriu as pernas mostrando a bucetinha pra minha mãe e começou a esfregar – porque mamar aqui é?
- Para Thais, e se os outros perceberem, em casa a gente conversa, cade a Fer?
- Foi pegar uma caipirinha, deve estar voltando, falando nisso temos que decidir, se trazemos a Fer pra nossa suruba familiar ou inventamos uma desculpa pra despistar ela?
- Eu não disse que ia fazer nada dona Thais, falei que em casa a gente conversa.
Aquele papo das duas ali e só de imaginar transar com as 3 juntas começaram a erguer meu pau devolta.
- Iiiiii mãe, olha o Paula ai, acho que ele quer é trazer a Fernandinha pra nossa suruba – e deu risada.
Então minha mãe disse:
- Porra Paula, acabai de tocar uma punheta pra você ficar tranquilo e você me vem com esse cacete duro devolta.
- O que eu posso fazer? Ficam falando putaria ai, só de imaginar ele já fica assim. – Eu já tinha perdido toda a vergonha.
- Thais, eu já fiz minha parte, vai pra água com teu irmão vai, senão já começam a ficar olhando pra gente.
Thais então levantou e me puxou pra água, era uma descarada mesmo, quando chegamos com a água no meio me enganchou com as pernas e levou meu pau na bucetinha dela e ficou metendo ali mesmo na água, com as pessoas passando na areia e nossa mãe nos olhando, até que eu vi a Fer chegar no guarda sol com a minha mãe e as duas ficaram olhando pra gente falando alguma coisa, então a Thais fala pra mim:
- Ai to gozando gostoso nesse teu cacete seu puto, vai ficar me traindo com mãe é? Seu safado! Goza dentro da bucetinha goza, quero sentir toda sua porra dentro de mim.
Não aguentei e enchi a buceta dela de porra, então ela desgrudou de mim, mexeu um pouco na buceta pra dar uma limpada e fomos pra areia devolta, então a Fer olha e fala:
- Tá com a buceta ralada hein Thais? E esse pau ai Paulo, será que foi ele que ralou toda nossa irmã?
Então minha mãe disse:
- Para de botar pressão neles Fer. Thais, eu conversei com a sua irmã, hoje nós 4 vamos passar uma noite maravilhosa, ela me disse que queria isso faz tempo.
- É já sei de onde puxei tanta safadeza hein, to doida pra chupar a buceta de vocês.
Então como todos estávamos ansiosos, resolvemos ir embora, já era finalzinho da tarde. Chegamos em casa então minha mãe falou que era pra eu tomar banho primeiro porque depois era pra eu ir no mercado. Tomei meu banho, e ela me pediu pra comprar uns queijos e vinhos no mercado, passar na locadora alugar uns filmes pornô e comprar várias camisinhas e lubrificante. Fiz exatamente do jeito que ela me pediu, mal podia esperar pela noite.
Quando cheguei em casa encontrei as 3 peladinhas de banho tomado, minha mãe estava sentada no meio do sofá e cada um delas mamando em um peito e esfregando a buceta.
- Ainda bem que você chegou filho, essas gatinhas estão com fome tá vendo?
Eu não conseguia acreditar em tudo que estava acontecendo, estava até meio bobo, minha mãe e minhas 2 irmãs gostosas se pegando na minha frente, então minha mãe se livrou das bocas gulosas delas e veio na minha direção, as duas começaram a se beijar. Minha mãe tirou minha camisa e minhas bermuda, eu estava sem cueca, e falou:
- Já sabemos o que vai acontecer, ninguém precisa de roupas aqui, trouxe tudo que eu pedi?
- Tá tudo aqui.
- ótimo, vamos então abrir esse vinho e cortar o queijo enquanto essas duas taradas ficam se pegando ai.
Quando olhei a Thais já estava masturbando a Fer que estava gostando muito, e as duas não paravam de se beijar. Então fui com minha mãe pra cozinha, abrimos os vinhos, pegamos 4 cálices, cortamos os queijos e fomos pra sala. As duas continuavam de relação, até minha mãe sentar do lado delas, falou pra parar e encheu os cálices e colocou o queijo numa mesinha, e me pediu pra colocar o filme pornô. Tinha alugado um pornô da brasileirinhas sobre uma família se pegando pra dar mais tesão nelas, ficamos ali assistindo, comendo queijo e tomando vinho, meu pau parecia uma pedra, eu estava do lado da minha mãe e enquanto assistíamos ela ficava massageando meu pau e minhas bolas, só parava pra pegar pedacinhos de queijo e comer. Enquanto isso minhas irmãs estavam se pegando devolta, agora a Fer chupava o peito da Thais.
Quando acabou o vinho e o queijo, minha mãe largou meu pau, levantou, pegou as garrafas e a tábua em que estava o queijo e chamou Thais pra ajudar ela a levar pra cozinha, e me deixou sozinho com a Fer, ela então me disse:
- Paulo, sei o que aconteceu entre você e a Thais e também entre você e a mamãe, mas você nunca tentou nada comigo, você me acha feia?
E fez uma carinha triste, eu não aguentei, cheguei pertinho dela, passei a mão atrás do pescoço cheguei bem pertinho dela e disse:
- Foi graças e prestas atenção em você, nessa sua bundinha linda que acabei prestando atenção nelas, você foi o começo de tudo Fer.
Então dei um beijo gostoso nela, passei a mão pela bundinha e cheguei na bucetinha e comecei a esfregar o grelinho dela, a respiração dela começou a ficar ofegante, ela então tirou a boca da minha e disse:
- Mas eu meios seios são menores que os delas, você não liga?
- São perfeitos pra mim Fer.
Então desci e comecei a mamar nos peitinhos da Fer, acho que ela tinha algum complexo pela irmã e mãe serem peitudas e sentia muito tesão enquanto eu mamava nos peitinhos delas, mordiscava, chupava, lambia, mamava, ela estava quase gozando só com eu esfregando a bucetinha dela e chupando os peitinhos, quando minha mãe e irmã chegaram, e já começaram a se esfregar na gente, a Thais pegou no outro peitinho da Fer e começou a mamar também, a Fer quase endoidou, então minha mãe afastou a minha mão da bucetinha da Fer e falou:
- Vamos fazer nossa caçulinha gozar primeiro.
E começou a mamar na bucetinha da Fer, ela já nem sabia o que sentir estava sendo completamente dominada pelo tesão, estava de olhos fechados e começou a tremer toda, estava gozando a nossa irmãzinha, mamãe mamou na bucetinha dela até ficar com a boca toda meladinha, levantou e veio na minha direção e me beijou empurrando de costas na cama, estava passando a mão pela bunda da mãe quanto senti uma boca chupar o meu pau, não sabia qual das duas era, não conseguia ver com minha mãe na frente e nem me importei também, estava muito gostoso, então a minha mãe saiu da frente e vi a Thais mamando no meu cacete e a Fer deitadinha ainda retomando o fôlego, então a Fer levantou e falou algo no ouvido da Thais que disse:
- Mãe a Fer falou que você chupa muito bem e que ela quer sentar no pau do Paulo, então tenho uma idéia, vem aqui.
Então eu fiquei deitado na cama, a Thais arrumou a nossa mãe com a buceta na minha cara, e abriu as pernas atrás de mim, então minha mãe ficou chupando a Thais e esfregando a buceta na minha cara, enquanto isso a Fer veio por cima, ajeitou o meu pau na bucetinha encharcada dela e começou a rebolar:
- Ai Paulo, que pau gostoso, me fode irmãozão, me fode enquanto a vadia da nossa mãe chupa a Thais seu cachorro.
Thais então disse:
- Olha, o pau do Paulo é milagroso, fez até nossa caçulinha se soltar, arrebenta essa vadiazinha Paulo, nossa mãe, você é uma puta, essa tua linguinha ta tão gostosa coçando na minha buceta, chupa isso, gostosa, nossa mãe você é uma delícia, chupa sua vadia.
- Sou a vadia dos meus filhinhos – minha mãe disse – não gostam assim?
A buceta quentinha da Fer estava escorrendo gostoso no meu caralho e eu consegui escutar o barulho da sucção da boca da minha mãe na buceta da Thais até que a Thais começou a gozar na boca da mamãe e a Fer no meu pau, então não aguentei, enchi a buceta da Fer de porra, ela então caiu pro lado da cama e foi a vez da Thais cair de boca nela, chupando minha porra e a bucetinha da Fer, enquanto isso minha mãe ficou de 4 e falou que queria que eu fodesse com o cuzinho dela porque meu pai nunca fazia isso:
- Paulo, vem aqui, arromba o rabo da tua mãe, vem?
Estava com o pau todo melado da buceta da Fer e meti sem dó no cuzinho da mamãe fazendo elas uivar de dor, a Thais tava se masturbando e chupando a Fer enquanto a Fer assistia eu fodendo o cuzinho da mamãe.
- Me arrebenta filho, esfola esse cú, tá muito gostoso, arrebenta meu rabo inteiro filho, ai que pau gostoso. Enche o cú da mamãe dessa tua porra quente enche?
Não demorou muito e mamãe já estava com as pernas tremendo e gritando de prazer enquanto eu enchia aquele rabo de porra bem grossa e quente do jeito que ela me pediu, enquanto minhas irmãs assitiam.
Depois disso minha mãe foi pro lado da Fer e ficarão se beijando e amassando enquanto a Thais veio pra mim falando:
- Já fodeu com a Fernandinha, já fodeu o cúzinho da mamãe, espero que tenha sobrado um pouco pra tua putinha preferida.
Falando nisso já sentou aquelas buceta deliciosa no meu rosto enquanto mamava no meu cacete até deixar ele igual um pedra novamente e veio por cima, rebolando:
- Hmmm, adorei mamar no teu pai com o gostinho da mamãe e da Fer, agora atola esse cacete na minha buceta também seu puto.
E ficou rebolando e esfolando aquela buceta deliciosa até eu quase gozar, então ela saiu e começou a lamber, nisso a Fer e a mamãe vieram junto e ficaram as 3 gatinhas mamando no meu cacete esperando leitinho, até que a mãe disse:
- ainda temos 2 semanas aqui na praia, temos muito o que aproveitar, se preparem meus amores.
Não aguentei e só de pensar em 2 semanas sozinho com essas taradas enchi a cara das 3 de porra.
Passamos as próximas 2 semanas fodendo igual loucos, quando voltamos pra Curitiba minha mãe descobriu que ele estava com outra mesma e acabou se separando e é claro que continuamos com a casa e com ela e sempre que dava vontade ou sentíamos carentes planejávamos outra noite daquelas, embora nenhuma tenha sido tão espetacular como a primeira.


Ficha do Conto

Escritor:
coontos

Nome do conto:
Férias em família

Codigo do conto:
32642

Categoria:
Incesto

Data do Envio:
23/07/2013

Quant.de Votos:
50

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA