Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





O CASAL – JÉSSICA


Apanhamos um ónibus, em pouco tempo fica lotado, coloco-me por detrás da minha putinha, ela facilita a tarefa.
Puxo-a fortemente para mim. A menina baixa a vista, esboça um sorriso de contentamento e prazer. Aperto fortemente as suas nádegas acaricio a coxa e enlaço a sua cintura, cintura. Tudo isto com uma ânsia desesperada
— Putinha , não me vai deixar ficar mal. seja obediente e submissa. - Sussurro com voz rouca ao seu ouvido.
Conduzo-a até a porta do ônibus.Com a respiração tão descompassada quanto a minha, e as pernas, provavelmente, ainda mais trôpegas, abrimos espaço até a porta de descida, saímos assim que o ônibus para.
Chamo um táxi. Entramos no carro e chegamos rapidamente ao motel .
Ainda era bem cedo.
Quando entramos agarro a putinha, beijo-a avidamente, apalpo o seu corpo, a sua cintura, as suas costas, os seus seios. Beijo-lhe o pescoço, ombro, a boca. Enfio minha mão sob a blusa enquanto a beijo, apalpo-a quase alvoroçadamente. A respiração da jovem descompassa fortemente, excita-me e apalpo-a ainda mais sofregamente.
Levo-a para a quarto reservado.
Entramos, na sala um casal de meia-idade, saboreia uma bebida. Ele alto bem constituído, está completamente desnudado, a verga enorme pende sobre o sofá. Ela enverga um body negro, um espartilho da mesma cor, obrigam as mamas a sobressaírem de uma maneira espectacular. Olham observadoramente para Jéssica.
– Despe-a. Diz ele com voz autoritária.
Começo a desabotoar-lhe camisa solto os peitinhos que pulsam ao ritmo intenso da respiração, desaboto-lhe o restante da camisa, contemplo a bela menina exposta à minha frente. Tiro-lhe as calças, tapo-lhe os olhos com uma venda e coloco-a de quatro no meio da sala, prendo a corrente na coleira e entrego-a à mulher . - É sua, está bem amestrada.
Quer assistir ? . Pergunta a mulher com uma voz doce e melosa.
Sim – respondo.
Está bem sirva-se de uma bebida, ah… não interfira, não gostamos.
Eu sei – respondi.
- A mulher levanta-se, aproxima-se da cadelinha, com o pé empurra-a para o chão, coloca-se sobre ela, não busca de imediato as regiões especialmente erógenas, ao contrário, pretende começar lentamente, revelando sensações mais leves alcançadas em regiões menos sensuais, com toques difíceis de serem interpretados.
Aplica a ponta dos dedos no corpo da putinha , aqui e ali.
Com os olhos vendados, e o corpo imóvel, a menina fica impossibilitada de discernir, de descodificar os estímulos aplicados no seu corpo.
Recebe uma enxurrada de sensações novas e indiscerníveis, numa torrente de emoções e impressões inauditas, fortíssimas, que a inundam de prazer sem que pudesse adivinhar o que lhe acontecia.
Os gemidos de prazer surgem em resposta aos toques no seu corpo. Os gemidos que solta, dizem com precisão a eficiência dos toques.
Apalpa esta bela menina como se afinasse um instrumento, toca-a como se fosse um órgão sonoro, sensual. Vira-a de costas, continua a estimular o seu corpo, mas evita tocar as partes mais erógenas.
A respiração da jovem parece já ter atingido um limiar máximo de sonoridade e descompasso, acrescenta aos toques os lábios, o queixo, e as mãos inteiras que passam a agarrar a moça voluptuosamente, lambe a sua pele tanto quanto a língua consegue percorrer. Beija o pescoço da moça longa e intensamente, comprime o queixo no seu ombro, arranha a menina, fá-la estremecer, ao mesmo tempo em que a mão a apalpa inteira.
Enquanto sente os toques, agora cheios, encorpados, eu oiço os seus gemidos doces , delicio-me com a visão da jovem desnuda a se contorcer de prazer ante os toques de uma mulher madura e experiente.
Levanta-se , deixa a cadelinha a contorcer-se de prazer e tesão, pega nos varões e começa por lhe atar cada uma das mãos, estica-lhe os braços e prendo-os . Passa aos pés e abre-lhe as pernas até que consiga prender cada um dos pés no varão.
Observa o seu corpo, os peitos ficam esticados como quer, a buceta exposta, os lábios separados.
Agarra um peitinho rebelde e encantador, a putinha estremece.
Aperta o bico entre o polegar e o indicador, gera enorme arrepio, e uma sensação intensa que a faz arquear as costas. Chupa cada peitinho intensamente, suga-os com enorme avidez.
Geme, suspira a tesão tolda-lhe as ideias, abre a boca mostrando a língua rosada. Fico deliciado .
O homem excitado pelo espectáculo que lhe proporcionam, manuseia a enorme vara.
A mulher continua a excitar a cadelinha.
Cobre com beijos e chupadas acompanhadas por mãos ávidas todo o corpo da moça, evita apenas a buceta molhada. Percorre a sua barriga, ou suas coxas entreabertas na direção do alvo cobiçado, mas evita tocar a buceta deliciosa, percorre sempre na direção errada. A putinha arqueia o corpo continuamente, faz a coninha subir e descer, anseia avidamente, busca por algo que a acalme.
Beija-lhe profunda e avidamente a boca, desce em seguida para perto de seus pés. Posiciona-se entre as suas pernas e, mergulha de boca na buceta suculenta que se oferece para ela e, enfia a língua gulosamente na buceta carnuda.
Espasmos violentos percorrem o corpo da putinha que se contorce de prazer, geme , a respiração descompassa , aperta-lhe os biquinhos ,a putinha grita de dor, gotas de suor salpicam o seu corpo escultural.
A um sinal do homem a mulher pára obedientemente.
Ele levanta-se e encaixa-se no meio das pernas da cadelinha, encosta a verga na grutinha húmida. As pernas abertas permitem o espaço para ele meter o pau endurecido.
Por um instante a menina pára sente o pau duro começar a penetrar suas entranhas.
Contorce-se de dor, grita – Aiiiiiiiii… é grande demais… Ele coloca-lhe as mãos no pescoço, começando a asfixiá-la. Quieta puta, você é paga para isto. Diz com voz rouca.
Sente faltar-lhe o ar, pára de se contorcer e deixa que a verga entre dentro de si.
Mete lentamente até enfiar todo na coninha .
Geme… Abre e fecha as mãos presas. Irrompe em choro,o homem liberta o seu pescoço e esbofetei-a com violência, de um lado e doutro, mantendo os movimentos fortes no interior da bucetinha.
- Cadelinha deliciosa, morde-lhe os peitinhos, suga-os violentamente, os biquinhos ficam estranhamente erectos, fecha a boca num deles e morde-o. A cadelinha geme de dor.
Levanta o corpo e continua a socar com um ritmo cada vez mais forte , ouve-se ruído intenso das respirações descompassadas até que uma onda arrebatadora percorre a putinha que tenta suster o impulso, ele pressiona o pau com todas as forças, esporra copiosamente no interior da coninha da putinha, que soluça.
Levanta-se , a putinha mantêm-se de pernas abertas e braços presos, esticados e doridos, da bucetinha arrombada escorre porra, aprecio com satisfação a cena. A violência da penetração, endureceu-me o pau, apetece-me penetrá-la, possuir a minha cadelinha, mas hoje aluguei-a. Não é minha temporariamente.
A putinha mantêm-se de olhos fechados, a mulher volta para junto dela, coloca-se em cima dela e esfrega-se com volúpia.
De seguida exibe um Plug anal.
A cadelinha, sente e tenta impedir que lho coloque . Prime as nádegas numa vã tentativa de evitar que entre no seu cuzinho, implacável a mulher molha-o na porra e lubrifiqua-o com o seu próprio liquido vaginal, , grita. – Puta deixa meter e esbofeteia-a , a cadelinha chora convulsivamente, afrouxa a resistência e de uma vez só introduz-lhe o Plug.
A mulher mantêm-no no seu interior, a sua mão pressiona e evita que saia.
- Putinha.. quieta.
Chora.. obedece soluçando.
Isso putinha… deixa estar dentro de ti . Olha para o homem à espera de ordens.
Fode-a.
Usa as calcinhas para lhe limpar a bucetinha.
Ajuda- a levantar-se . Fica quieta, cambaleia, mal se mantém de pé.
Está gostoso cadela ?
Acena afirmativamente com a cabeça, Vá putinha anda…. Dá uns passos desajeitados.
Estás a sentir o cuzinho a abrir ? - Sim respondeu com um sussuro.
Estás a ficar obediente e submissa, como o meu dono gosta.
Deita-a de costas, a bundinha fica arrebitada, o Plug negro todo atolado no seu cuzinho é uma imagem sublime.
– A cadelinha, permanece em silêncio, ouve-se apenas a sua respiração apressada. A mulher empurra o Plug , soca a bundinha da cadelinha até o cuzinho alargar mais e retira o Plug, com as mãos abre-lhe nádegas, olha o homem e acena com a cabeça.
A putinha vai ser enrabada por aquela verga de jumento.
Coloca-se quase em cima dela, a cadelinha pressente-o, arrebita a bundinha enquanto ele introduz a verga no seu cuzinho alargado, solta um grito de dor, e súplica para que ele páre . Nãoooo…
Ele penetra-a lentamente, aplica-lhe fortes palmadas nas nádegas, que ficam vermelhas.
A mulher sentada no sofá, masturba-se com um dildo, excitada com a menina, grita para o homem - Vai agora, vai! Vai mais! Vai! Vai!
A cadelinha suplica – Por favor… por favor… dói nuito…
As suplicas da putinha aumentaram a sua a tesão a verga parece endurecer ainda mais , aumenta o ritmo das estocadas, soca violentamente, um urro ecoa na sala.
Mantém a verga no interior do cuzinho dela e esporra-se, no interior das suas entranhas acompanhado de um estertor de prazer o corpo treme, e numa ultima investida, a verga atola-se toda no interior do seu cuzinho.
Deixa-se cair em cima do corpo da menina, - Suspira.. que cadelinha gostosa..
Levanta-se e vai para o banheiro.
De passagem diz para a mulher - Trata dela.
A cadelinha mantêm-se imóvel, parece desfalecida, a mulher tira-lhe as amarras e desprende-a dos varões.
Olha para mim – Leva a cadelinha contigo, o cheque está em cima da mesa.
Desaparece também no interior do banheiro.
Olho para a minha putinha, continua imóvel, respira com dificuldade, soluça.
Pronto. Pronto acabou !
Ajudo-a a levantar-se cambaleia, dorida, a porra escorre-lhe pelas pernas, visto-lhe as calças e a camisa, apoia-se em mim, descemos, tomamos um táxi e vamos para casa.
Deito-a após lhe servir uma pequena refeição. È a minha putinha , ensino-a a ser submissa e obediente, mas hoje permito-lhe um luxozinho, massajo-lhe o corpo dorido, analiso os estragos que o jumento causou, nada que não sare rápido.
- A cadelinha serviu-me bem, ganhei um bom dinheiro.
Foto Perfil mestre1990

Ficha do Conto

Escritor:
domperigon1990

Nome do conto:
O CASAL – JÉSSICA

Codigo do conto:
34052

Categoria:
Sadomasoquismo

Data do Envio:
18/08/2013

Quant.de Votos:
5

Quant.de Fotos:
1

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us
Foto 1 do Conto erotico: O CASAL – JÉSSICA




Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Ultimos Comentários
Comentado por: Cota português em: 09/06/2014
Que tesão.
Comentado por: Lolita Lovedoll em: 30/08/2013
Hummm... Gostei muito do seu conto Sr. Sabe perfeitamente como prender na leitura... bjos respeitosos Lolita Lovedoll
Comentado por: ABUSADINHA em: 21/08/2013
Tudo maravilhoso, gostei...

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
34034 Jéssica Virgens 5
34224 JESSICA - REBELDIA Sadomasoquismo 1
34302 JÉSSICA - A CADELINHA Sadomasoquismo 5
36462 Sissi Porquinha Sadomasoquismo 1
38342 Ritinha Virgens 1
38630 Ritinha - No escritório Virgens 13
39417 Ritinha Iniciação Sadomasoquismo 2
39514 Ritinha no escritório Heterosexual 2
40522 Carminho o fruto proibido Virgens 6
40710 Carminho O início Virgens 6
43021 Denise -Travequinha Travesti 13
43096 DENISE- TRAVEQUINHA Gays 5
45100 Nancy Travesti 5
46856 o cuzinho da dina Interrraciais 7
47856 O primeiro orgasmo de Vanessa Virgens 3
47889 Vanessa a 1ª vez Virgens 3
48246 Marco e Bela amor fraternal Incesto 8
48251 Bela e Marco - A paixão do incesto Incesto 7
50589 a minha gueixa Virgens 2
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA