Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web
   Videos Porno
   Porno Tube

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





Arrombei o cú da mulher do meu irmão


Fui o maior traíra, mas não resisti. Meu irmão casou com uma vadia que tem a bunda mais gostosa que eu conheço. Estatura baixa e muito bonita, mas com destaque especial para o cuzão. Pois a putinha vivia me olhando, uma vez até, de frescura, dei um abraço meio de lado (ela não me viu chegar) e o meu pau prensou a mão dela, que estava na cintura e a vadia não fez nada. Pior: até deu uma leve alisada com as costas da mão, já que o meu pau estava começando a endurecer. Fiquei congelado naquela posição por um bom tempo e ela lá aproveitando.
Mas consegui metê-la num dia em que estávamos na praia e o meu irmão teve que viajar a trabalho às pressas. Ficamos eu, ela e o meu sobrinho de apenas 2 anos. Senti que ia ser ali que eu ia enrabar a mulher mais gostosa que eu conheço. Na primeira noite tudo tranqüilo, sem nenhuma tentativa, mas no dia seguinte já me deparei logo ao acordar com uma visão do pecado: ela só de camisetinha (sem sutiã) e com metade da perfeita bunda para fora e o melhor: com uma calcinha minúscula enterrada no cú. Estava fazendo a mamadeira da criança. Quando vi aquilo não resisti e dei um abraço safado pelas costas, encaixando na cintura e dizendo um elementar “bom-dia”, com um beijinho em seu rosto. Fiquei cravadinho nela, que não fez nada. Meu pau ficou duro na hora, mas eu já tava a fim de ver no que ia dar e como eu esperava ela não me recriminou, continuou os afazeres e empinou ainda mais o rabo. Meu pau é grande (25cm) e como eu estava de samba-canção o cabeção saiu pra fora e entrou bem no meio da bundinha. Ela quietinha. Comecei a dar umas esfregadas e ela correspondeu, mas neste momento meu sobrinho chegou na cozinha choramingando de fome. Ela foi o atender e eu fiquei ali no prejuízo, mas só por alguns momentos. À tarde ela foi tomar banho de sol no pátio e eu fui conversar com ela. Estava deitada de bruços e havia soltado a parte de cima do biquini, para evitar a s marcas de sol, e na parte de baixo um pequeníssimo fio-dental evitava que ela ficasse completamente pelada. Pediu para que eu passasse protetor na suas costas dela e eu depressa atendi sua ordem. Comecei a elogiá-la, pois seu corpo era perfeito para uma mulher de quase 30 anos e com um filho. Disse que meu irmão teve uma grande felicidade por achar mulher tão bonita. Nisso já estava num trabalho forte de passar bronzeador na bunda dela. Ela não me recriminava, nem comentava a minha ousadia. Apenas disse que o casamento estava muito morno, que o meu irmão só pensava em trabalho e que desde que o meu sobrinho nasceu a vida sexual dos dois não foi a mesma. Eu não dizia nada, apenas lamentava, mas preparei bem bote, já que ela disse que havia dormido muito pouco na noite passada porque o colchão era ruim e que estava com muitas dores nas costas. Eu, muito prestativo, disse que sabia fazer uma massagem relaxante, só que tinha que ser antes de dormir. Ela agradeceu e ficou por isso. Não toquei mais no assunto.
Na hora de dormir eu bati na porta do quarto onde ela estava e me ofereci para a messagem. Ela veio tapando os seios com o braço e dizendo que achava que não ia dar, porque o meu sobrinho acabara de dormir. Então eu disse que ela poderia ir ao meu quarto. Ela “se fez” um pouquinho, mas acabou aceitando. Quando virou e fez menção em colocar uma camiseta eu avisei que o ideal era fazer a massagem com as costas nuas, pois iria passar um creme especial. Ela soltou um sorrisinho maroto, do tipo “vai me comer”, pois sabia que eu ia mesmo. E, assim, com uma minúscula calcinha e com o braço encondendo os seios que ela entrou. Eu pedi para que ela deitasse de bruços e ela obedeceu rapidamente. Era a visão mais linda que eu já tive. A bunda mais perfeita do mundo viradona pra mim. Comecei levemente nas costas e fui baixando mais e mais. Cheguei na bunda e sem piedade apertava muito, abrindo as nádegas e tendo a visão do idolatrado cuzinho. Comecei a tirar a calcinha e ela deu um pequeno murmúrio como que não querendo. Eu disse que era mais eficiente para a massagem, então a puta concordou. Neste instante aproveitei e me livrei da minha cueca. Disse que ia utilizar uma técnica corporal usando o meu corpo como peso. Então deitei por cima dela. O pau forçou o cuzinho, não agüentei puxei-a pelos cabelos e dei um tapa leve na cara. Chamei-a de Vadia e que agora ela ia chupar o meu pau. A cadela se virou e para minha surpresa pediu pra que eu a chamasse de puta, ordinária, cadela. Eu chamei e dei-lhe outro tapa. Nisto agarrei o seu cabelo e puxei sua cabeça. Ela caiu de boca no meu pauzão e chupou com fome. A mulher era uma fenômeno, tinha a garganta profunda e mesmo com o meu super-pau, ela conseguiu meter tudo na boca e lamber com a ponta da língua as minha bolas. Gozei na cara da safada e disse que agora ela ia ser enrabada. Ela protestou dizendo que o meu pau era muito grande e que ia rasgá-la. Eu disse que queria fazer isto mesmo. Ela ainda disse que desde que ficou grávida não havia mais dado a bundinha, o que ma excitou ainda mais. Primeiro, sem pudores, coloquei a minha puta de quatro e lambi seu rabo com vontade. A mulher vertia gozo. Então peguei o creme da massagem mesmo e coloquei no cú dela, enfiando o meu dedo com certa dificuldade, o que me excitou muito. Mirei a cabecinha do pau e entrei devagar. Ela gemia. Foi então que dei uma estocada que fez meu pau entrar pela metade naquele cu. Ela gritou e me deixou ainda mais louco quando implorou para que eu rasgasse o seu cu. Não agüentei e atolei tudo. Vi pelo espelho uma lágrima saindo de seus olhos, mas a puta, para minha surpresa começou a rebolar. Então eu tirava tudo e enfiava até que minhas bolas batessem na buceta dela. Uma loucura. O rabo da vadia já estava um “boco”, quando senti que iria gozar. Então puxei ela novamente e a fiz abrir a boca esporreando muito, fazendo ela se engasgar. Mas ela é tão puta que lambeu até a última gotinha, tomando todo o meu suquinho. Como é gostosa a minha cunhadinha........


Ficha do Conto

Escritor:
tumelero

Nome do conto:
Arrombei o cú da mulher do meu irmão

Codigo do conto:
3651

Categoria:
Traição/Corno

Data do Envio:
26/12/2004

Quant.de Votos:
0

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA