Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web
   Videos Porno
   Porno Tube

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





Priminha (verídico)


                                                   Priminha(verídico)   


    O que eu vou contar é um fato real, aconteceu de verdade. Bom meu nome michel moro no RJ , tenho 20 anos, Cabelos castanhos, olhos castanho claro 1.82m 80k, Pratico esportes des dos 11 anos. Tudo começou a ums 8 anos atraz quando eu tinha 12 anos. Na epoca eu morava com a minha vó e minha tia .meus pais tinham viajado para goiania, para abrir uma filial do saläo de beleza deles. Tenho uma prima que irei chamar de Camila (tinha18 anos) . Ela tinha 1,68 de altura (creio eu) deveria ter ums 59 kg , cabelos castanhos ondulados até os ombros, pele bronzeada, e seios médios... durinhos! Era bonita. Ela näo tinha nada de avantajado, era tudo em uma deliciosa armonia. Ela morava no Recife, e minha vó ao ir vizitar a familia que tinha lá (rimou!),resouveu traze-la para o rio.
      Eu também tinha ido, era epoca de carnaval e passava a maior parte do tempo com ela. Tanto que morria de ciumes dos carinhas que ela ficava, mais nunca admitia isso. Era foda. Aqui no rio ela começou a terminar o segundo grau. Eu ia a praia de manhä tentar surfar (näo era täo ruim,mais com o tempo fiquei melhor),e depois ia para escola. As 15:00 ia treinar taekwondo (que durante ótimos anos pratiquei, participando de muitos capeonatos e apresentaçöes. faixa preta com 17 anos.Sendo ‘’bi’’ campeäo brasileiro, e 4 vezes campeäo carioca). Minha prima e eu eramos muito ligados, com certa frequencia durmiamos juntos, já que dividiamos o mesmo quarto. Ela me abraçava como se eu fosse o “bichinho de pelucia” dela. Ela e minha tia trocavam de roupa na minha frente sem nenhum pudor, mais nunca tiravam a calcinha, às vezes escapava sem querer e eu acabava vendo, Mais era difícil. Eu nem tinha tezäo nisso, tava acostumado.
    Certo dia, eu tinha tinha chegado todo suado do treino, entrei no quarto, e sai jogando minha mochila em cima da cama. Estava chovendo e meu tenis estava sujando todo o piso. Camila estava na cozinha e minha vó me mandava tomar banho, e eu näo queria ir, näo lembro porque. Até que Camila consegiu me convencer, me dizenho para ir rápido, pois ela teria que sair. E fui, enquanto ela ia pegar minha toalha.
    Entrei jogando a roupa pros lados, e fui para de baixo do chuveiro. Camila logo entrou no banheiro e fechou a porta, enquanto eu me ensaboava e cantarolava alguma coiza. Da curtina meio trasparente, que separava o box do vazo, pude ve-la abaixar o chortinho de tactel que estava usando e sentar no vaso.
    - Tava doida para fazer xixi –ela disse
    - Só näo vai cagar comigo aqui em! - falei e cai na gargalhada, e ela também.
    - Vai logo, pra quem näo queria tomar banho tá demorando pra cacete - ela disse isso, e quando olhei, ela tava sentada no vaso raspando a xota com um barbeador. Vazendo uma linha transversal de pelos na boceta.
- calma ai, tá com pressa? –falei para ganhar um pouco de tempo. Para olhar um pouco mais aquilo. Até que ela levantou, tirou a blusa , abriu a cortina e entrou peladaaaa...
- to com pressa sim, é rapidinho– falou e foi logo se esaboando tomando a minha            
frente no chuveiro, ficando de costas pra mim. Meu pau ficou duro na hora. Primeira vez que tomo banho com uma mulher, e pela primeira vez sinto tesäo por ela, Vendo aquela bundinha molhada e enpinadinha quase encostando no meu pau (se encostase acho que teria gozado na hora).
    Até que o inesperado aconteçeu. Continuei a fingir que estáva tomando banho, quando ela abaixou o tronco para ensaboar as pernas, fazendo a bundinha enpinada dela encostar no meu pau, Foi uma bela encostada. A bunda dela deslisou no meu pau fazendo a cabeça ficar toda pra fora. Ai minha pica quase virou do avesso de tão duro (não gozei, mais para quem só assistia filme de sacanagem, e batia umas punhetas, aquilo era alucinante). Ela percebeu e logo se recompos, meio sem graça, deixando a água do chuveiro terminar o “serviço”. Ela acabou o banho e saiu do box, me deixando em baixo do chuveiro, puto e com o pau duro na mão.
- posso me enxugar com a sua toalha? eu esqueci a minha. - ela falou e eu desliguei o chuveiro respondendo na hora.
- não!
    - pow... vou ter que ir toda molhada até o quarto? deixa ai.
- então eu primeiro - estiquei a mão para pegar a toalha tentando esconder o meu pau com a outra mão.
    - então deixa eu te ajudar, assim vai mais rápido - Essa... foi...foda! eu morrendo de tezão, tentando me controlar, e ela querendo me enxugar (rimou de novo). Sem me dar chance de falar nada, ela já foi passando a toalha no meu rosto, descendo pelos braços, peito e barriga. Ela fez isso se abaixando até ficar com um dos joelhos no chão. Meu pau tava bem na direção do rosto dela, nem me inportava mais em esconder.
- po... tá bem durinho. Tá querendo mijar? – disse isso, passando a toalha com uma das mãos no meu saco, e a outra segurando o ‘’cacete’’. Nesse momento que ela segurou, eu não aguentei. Gozei na hora, bem na bochecha dela. Fazendo a porra escorrer até a boca.
- porra michel... – disse com o susto.
- foi...foi mal...não aguentei – falei meio gaguejando, e querendo rir!
    - deixa eu me linpar...se troca la no quarto – Pra mim foi como uma ordem, botei meu chort e sai como uma flecha do banheiro.
      Parecia aquelas gozadas de filme.Fiquei com vergonha na hora, mais foi maneiro.

      Os dias seguiram normalmente. Ela não tocou no assunto do banheiro, e muito menos eu. Foi como se nada tivese acontecido. Mais eu não esqueci. Bati muita punheta! Gozei numa porrada de calcinhas dela. 5 dias depois do “episódio” do banheiro, fiz aniversário, e lembro que nosso relacionamento seguiu normalmente. Mais sem nenhum banho junto.
    Tava sentado no sofá da sala assistindo tv, eu, minha tia, e Camila.Só tinha nós três em casa. Estávamos assistindo um filme alugado, filme chato pra cacete... e longo. Dei a ultima golada do refri que tava bebendo, e fui pro quarto dormir. Minha tia tava pra la de bagda e também foi pro quarto dela. Só Camila tinha gostado daquela porcaria, apesar de tá quase despencando também. Acordei de madrugada quase mijando nas causas, fui voando pro banheiro. Quando sai, vi que a sala ainda estava iluminada, não era possível que ainda tava passando aquele filme. Pencei em ir dormir,mais algo me fez ir até lá...
    A tela da tv tava azul, e Camila estava dormindo no sofá. Ela tava de brusos, com a cabeça encostada em uma almofada, e o rosto virado para a tv. O cabelo tava amarrado em “rabo de cavalo”. Vestia uma camisola branca (um vestido que ia até quatro dedos acima do joelho), uma das pernas estava esticada, em quanto à outra estava dobrada, fazendo o pé tocar o tapete no chão. Aquilo fez minha mente maquinar um plano...e a cabeça de baixo acordar.
    Desliguei a tv, e fui até o quarto da minha tia ver se a barra tava limpa. Ela dormia como uma pedra, não ia acordar tão cedo. Cheguei na sala e acendi o abaju (não podia ter muita luz), o Posicionei no lado oposto do rosto dela, para não correr o risco de acorda-la. Tava um silêncio total, e eu lá em pé admirando aquelas curvas. Chegei perto, e comecei a deslizar minha mão sobre a perna dela, Até tocar de leve sua bundinha (hehehe). Levantei bem devagar a camisola, fazendo a bunda que me dixou louco no banheiro ficar a mostra. A calcinha dela era branca, e um dos lados estáva enfiado na bunda. Tentei afastar com o dedo a calcinha para o lado, o que fiz com facilidade. Dava pra ver perfeitamente a buceta linda que ela tinha, lisinha, nunca tinha visto ela daquele ângulo. Comecei a passar os dedos nela, enfiando o dedo médio até o final. estáva umida, e quente...
       Parecia que meu pau ia atravessar meu short, e ela não demostrava nenhuma reação. Não resisti e comecei a lamber aquela buceta, poderia levar o maior esporro da minha vida se ela acordase, mais iria valer a pena. Lambia com calma, fazendo a língua deslizar pelo clitóris indo até o cuzinho. Forcei o dedo, e apesar de ser bem apertado, ele entrou com facilidade no “lolo” , fazendo a bundinha dela se empinar na hora...contraindo meu dedo. Tirei assustado...e quase congelei em seguida.
- vc tá doido mi...cade a manu? – ela disse sussurrando, para não fazer barulho.
      - tá...dormindo. – falei meio sem jeito... Esperando um fora. Até que ela tirou a calcinha e virou, ficando de frente para mim. Com as pernas completamente abertas.
      - Continua... –Disse depois de um londo suspiro.
    Cai de boca feito um desesperado. Lambia, chupava, e ela forçava minha boca contra a xota dela, projetando o quadril pra frente enquanto segurava minha cabeça com a mão. Gozou na minha boca, deixando minha cara toda melada com aquele líquido pegajoso.
    Deitei no tapete da sala como ela tinha mandado, arriando meu short até o joelho, fazendo minha pica pular pra fora. Ela subiu em cima de mim com as pernas abertas, direcionando meu pau para a bundinha dela, forçando a passagem no cuzinho enquanto sentava. Era bem apertadinho meismo...mais logo entrou tudo com ela rebolando nele (esse movimento facilitou as coizas nessa região). Começando de vagar, depois subindo e descendo,como se estivesse cavalgando. E por fim, forçando o quadril para frente e para traz.Indo aos poucos almentando a velocidade enquanto gemia baixo ao meu ouvido, e alisava freneticamente a xana com a outra mão. Em certos momentos sentia o anus dela contrair o meu pau, como fez com meu dedo (o que dava uma ótima sensação), até que não aguentei e gozei...uma bela e boa gozada, como nunca tinha dado antes... e não esqueço até hoje.
      Ficamos ali por mais ums minutos e depois fomos para o quarto. Dormimos na minha cama, e assim foi até os meus 16 anos, quando ela foi morar em são paulo (e mora até hoje) com o pai do filho dela.
    Essa história é verdadeira, e terei prazer em responder e-mails que me enviarem.
   


Ficha do Conto

Escritor:
cainita

Nome do conto:
Priminha (verídico)

Codigo do conto:
4232

Categoria:
Incesto

Data do Envio:
07/03/2005

Quant.de Votos:
0

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
4250 A doméstica (verídico) Heterosexual 0
4251 Priminha (verídico) Incesto 0
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA