Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





A Afilhada


    Olá, meu nome é Flavio, e vim aqui para compartilhar com todos vocês um fato que mudou totalmente a minha vida. Este fato aconteceu no verão de 2005. Bem, como eu já disse, meu nome é Flávio, tenho 27 anos, sou estudante de fisioterapia, sou um cara normal, mas as meninas sempre disseram que eu sou um "gato". Na época do ocorrido estava namorando, já por três anos, e amava minha namorada mais que qualquer coisa no mundo, como ainda a amo. Bom, vamos a história.
    Em 2005, como em todos os anos anteriores, eu passei o verão na casa de praia da minha tia, em um município do interior do Rio. Eu era considerado queridinho da familia, e era o mais engraçado, sempre fazia todos cairem na gargalhada. Acontece que nesse verão, minha afilhada que tinha passado dois anos estudando no rio havia voltado para a nossa cidade, e foi passar o verao na casa da minha tia. Thaynara era neta da minha tia, uma menina antes desengonçada de corpo mas bonita de rosto, e que agora havia ficado linda, de corpo e rosto. Nara, assim chamada, tinha 1,62 de altura, morena, cabelos lisos que terminavam na cintura, corpo lindo malhado, seios medios arrebitados, e bunda redondinha e grande. Era uma menina linda e simpatica, de 17 anos, que atraia olhares por onde passava.
      Todo ano, a familia se reunia la para a passagem do ano novo. E esse ano, Nara estava la. Logo que cheguei a cumprimentei, conversamos bastante, perguntei sobre tudo que ela tinha feito no Rio. E ela me disse que não contaria "tudo", mas uma boa parte. Ela e minha namorada se adoraram. Ficaram conversando a noite toda. Passado o reveillon, todos da familia já estavam na casa para ficar ate o final do verao. La pro dia 6 de janeiro, fomos todos a praia. Eu ficava sentado com minha namorada na areia e conversava com meus primos, inclusive com o meu preferido, Paulo, o pai de Thaynara. Minha vida comeca a mudar a partir dai, pois quando eu me levanto para ir ao mar, vejo chegando minha afilhada com duas amigas. Minha olhada nela foi inevitavel. Nara estava realmente uma deusa, muitos na praia a olhavam, e ela nem ai, andava toda linda, rebolava aquela bunda perfeita. Ela logo veio falar comigo. Conversamos por um tempo, ela me apresentou as amigas e tal, e depois fez o que eu estava doido que ela fizesse. Tirou a canga da cintura, forrou o chao e deitou sobre ele. Sua bunda parecia ter aumentado naquele instante. Eu encarei aquela bunda, nem liguei se minha familia estav notando. Mas logo minha namorada me chamou para ir embora. Eu fiquei meio puto, mas me despedi de Nara e de todos, e fui embora.
       Muitos dias se passaram, sempre iamos a praia e a cena se repetia. Eu tinha sempre que esconder meu pau que endurecia sob a sunga, ate que passei a usar bermuda. No decorrer do verao, Nara se mostrava mais soltinha, e usava roupas cada vez mais curtas. Eu babava quando iamos leva-la para festinhas em boites. Ela usava sainhas e sapatos de salto, que a deixavam mais gostosa. Eu tentava evitar. Mas aquela menina me atormentava em meus pensamentos. Logo passei a bater punheta pensando naquela deusa.
       Um dia, minha mente se pertubou ainda mais, com uma cena que presenciei. Estava na casa da minha namorada, e resolvi voltar para casa. Era a tardinha. Cheguei na casa da minha tia, abri o portao e entrei na casa. Não havia ninguem em casa, mas algo me pegou de surpresa. Ouvi gemidos altos. Ate pensei que fosse na casa vizinha. Mas reparei que havia um quarto fechado. Logo pensei em uma coisa e fui olhar atraves da fechadura para confirmar. E era o que eu estava pensando. Nara estava trepando com um cara extremamente forte. Ela cavalgava e pedia pica, e ele atendia seu pedido. Parecia que ela estava sendo rasgada. De repenteela parou, ajeitou aquela tora naquele lindo cuzinho, e passou a cavalgar ainda mais forte, nem lingando para a dor. Me subiu um tesao violento. Fui para meu quarto rapidemente e bati uma punheta incrivel para aquela foda. Eu ia voltar para a fechadura, mas percebi que os gemidos haviam parado, e logo ouvi a porta se abrindo e Nara se despedindo de seu parceiro. Eu ia falar com ela, tentar agarra-la a forca, mas retornei para a minha cama e pensei no que tinha visto. Acabei adormecendo, e acordei um pouco depois. Pelo silencio que havia na casa, ainda não devia haver ninguem la. Deixei meu quarto e fui procurar por Nara, e foi, quando cheguei la fora, que a encontrei deitada em uma espreguicadeira na beira da piscina. Pensei no que falar, mas ela foi mais rapida - Você dorme hein!.... - Pois é! Cade todo mundo?.... - Foram em um churrasco ae, na casa de não sei quem. Resolvi ficar. A piscina está imperdivel.... - É!....Foi so o que eu pensei para falar. Acendi meu cigarro, e sentei em uma cadeira ao lado da espreguicadeira aonde ela estava. Ela virou para mim, ainda deitada. Me perguntou sobre varias coisas, namoro, faculdade, ate chegar ao sexo. Me perguntou sobre como era com minha namorada e tal. Eu respondia meio sem graca, e ela ouvia e parecia ser experiente no assunto. Ate que resolvi ser meio atrevido e a perguntei sobre seu sexo. Ela me falou de experiencias (e eram muitas) com naturalidade. Se passou um tempinho, as conversas cessaram e ela me perguntou.... - Você é fisioterapeuta ne dindo?.... - To estudando pra isso. .... - Ah ta. Entao voce pode dar uma olhada aqui na minha coxa, porque tem doido um pouco.... - Posso sim....é claro que eu não ia recusar essa oferta. Ela deitou de brucos e eu mexia em sua coxa e ia perguntando se doia, no que ela respondeu em um momento.... - Não doi, ta uma delicia.... - Entao ja deve ter passado a dor, vou parar a massagem.... - Nao dindo. Continua um pouco mais.... - Tudo bem.... Continuei a massagem e ela voltou a falar.... - Sobe um pouco mais dindo.... - Aonde?.... Ela pegou a minha mao e a colocou sobre sua bunda.... - Que isso menina? Eu sou seu dindo, muito mais velho que voce, e ainda sou seu primo.... - Ah! Corta essa dindo, quantas vezes eu já vi voce me olhando, me espiando pelas fechaduras,....ate bater punheta pra mim eu sei que voce já deve ter batido.... Ela me pegou de surpresa, eu pensei, piranha, armou essa situacao. Mesmo com vontade de arrombar aquela menina eu nao sabia o que fazer. .... - Eu nao vejo nada demais nisso dindo. Nos somos primos e tal, mas antes de tudo, voce e um homem e eu uma mulher.... - Não eh assim Nara, tem mais coisa,.... Mas antes que eu terminasse ela se ajoelhou, puxou minha sunga e abocanhou meu cacete. Eu nao resisti. Aquela piranha chupava tao bem, quase perfeitamente, que quase me fez gozar em sua boca.... - Viu como e facil dindo. Agora vem, e sua vez.... Depois disso els deitou na espreguicadeira, afastou o biquini e deixou sua xana de fora. Eu esqueci de tudo e cai de boca. A safada gemia tao forte, e esfregava sua buceta na minha lingua.... - Eu sei que voce me viu hoje trepando, me deu mais tesao sabia. Agora vem, esperimenta por voce mesmo.... A safada ficou de quatro e arreganhou a buceta com a mao. Nao resisti e quando vi estava bombando fortemente aquela piranha. Queria fode-la do jeito que ela merecia. Batia em sua bunda e ela gritava. Nao acreditava naquilo. Tao nova, mas era a mulher mais gostosa e piranha que eu ja havia visto e comido. Ela me falou para eu deitar no chao, no que atendi, e ela veio por cima, encaixou sua buceta no meu cacete e comecou a cavalgar. Ela rebolava e gemia alto. Eu xingava aquela safada e quase gozava. Ate que gozei. Ela riu e levantou. Depois entrou na piscina e me chamou para dentro. Eu a segui..... - Agora eu quero que voce come meu cu.... Dentro da piscina, ela ficou de costas para mim, eu ajeitei meu pau em seu cu e comecei a bombar. Como era apertado, mais que a buceta.
         Naquela tarde, minha vida estava comecando a mudar. Nos fudemos muitos, mas paramos depois, pois ja estava na hora da familia toda chegar. Nos comportamos naquele dia como se nada tivesse acontecido. Mas eu me sentia o homem mais sortudo do mundo.... - Eu quero mais ta....Foi o que ela me disse ao meu ouvido quando ia dormir. E teve mais. So que o resto da historia eu conto depois. A historia ficou grande, mas é real, e eu precisava desabafar em algum lugar. Ate a proxima.


Ficha do Conto

Escritor:
rela215168

Nome do conto:
A Afilhada

Codigo do conto:
6993

Categoria:
Incesto

Data do Envio:
05/02/2006

Quant.de Votos:
1

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA