Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Entrar em contato   Bate Papo
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato

SITES PARCEIROS
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web
   Videos Porno
   Porno Tube

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





Cunhada Cunhadinha ...


Cunhada , Cunhadinha - Parte I - (Como tudo começou)

By: bitusko

Sou casado a 5 anos e nunca desejei ter com minha cunhada alguma coisa   apesar de sempre enxerga a belíssima mulher que ela é, "Thatiana" é morena 1,68 de altura, olhos verdes, cabelos cacheadinhos , seios médios, cintura perfeita e cochas bem roliças forjadas com muita malhação, sempre mirei sua traseira fenomenal quando chegava da academia com aquela malha apertada moldando todo seu corpo escultural, alias qualquer homem no seu estado natural olharia aquele "vezinho" de sua raxinha, entalhado com perfeita simetria entre suas cochas, dando aquele toque de pecado quando passava pela sala da casa de minha sogra esbanjando simpatia com uma lindo sorriso no rosto, o que me deixava super contente só de pensar em como sou privilegiado em ter perto de mim tão belas mulheres, já que minha esposa, dois anos mais velha do que ela, sempre voltavam juntas da academia e me lascava logo um beijo de boa noite, e saia para pegar suas coisas para irmos para nossa casa. Mas daí a ter alguma coisa com minha cunhadinha, nem em fantasia !. Tudo começou quando determinada manhã, recebo um telefonema de "thati"(minha cunhada) perguntando se eu poderia almoçar na casa de minha sogra, pois estava com algumas duvidas em digitar um trabalho para faculdade e queria uma ajudinha minha, como não havia marcado nada para o almoço, disse que sempre era bom filar um rango, e que chegaria por volta do meio dia, cheguei, cumprimentei minha sogra e perguntei pela "thati", me disse que estava me esperando em seu quarto. Chegando lá tive a primeira surpresa ela não estava só, uma amiga que vazia parte de seu grupo no trabalho estava ditando um texto enquanto ela digitava, quando me viu disse que estava aliviada em me ver, e queria que eu explicasse ou fizesse umas tabelas no texto e uma planilha com uns cálculos de peso e massa corporal para uma matéria da faculdade, disse alô para sua amiguinha e vi que não era nada de complicado e fui explicando com fazer, enquanto isso não pude deixar de perceber as lindas cochas de sua amiga morena de tanta praia, cabelos longos e negros e uma micro-saia e um top de malha desenhando seus pequenos e pontiagudos seios ... lindíssima com seus olhos castanhos e uma boquinha de tirar o fôlego de qualquer um. De vez em quando eu me perdia nas explicações mas fingia esta pensando, só para apreciar aquele monumento ao meu lado. Quando acabamos, sentei-me na cama por traz das duas e peguei uma revista para fingir que estava folheando enquanto deslumbrava aquela morena colossal,    logo em seguida ela se levantou do banquinho onde estava sentada me deixando desta vez quase hipnotizado com seus pelinhos dourados e com sua deliciosa marca de biquíni que aparecia acima da mini-saia, logo minha cunhadinha se levantou também e deu lugar a coleguinha tesuda, ai em um relance de maldade de pensamento passei a observar as tão belas cochas de thatiana, que se agachou ate o micro para pegar um disquete que havia gravado, sua sainha de um tecido molinho subiu tanto que a coitada tentou segura-lo sem sucesso e quase perdeu o equilíbrio quando percebeu que eu poderia esta olhando para ela, desviei o olhar para revista, mas, pude ver antes dela se recompor sua deliciosa bundinha durinha, que me deixou muito excitado só de imaginar o resto daquela escultura, ela se levantou olhando para mim só então olhei para ela e perguntei se já havia terminado, ela disse que sim dizendo que a amiga iria gravar outros arquivos e já íamos almoçar, esperamos mais um pouco e saímos os três para a cozinha, naquele momento senti que talvez ela teria percebido que eu estava comendo ela com os olhos, brinquei com ela com sempre faço e no final do almoço, fique sabendo que a amiga já estava de saída pois queria encadernar todo o trabalho hoje ainda e estudar um pouco para a apresentação, ela sorriu para mim e nos despedimos, minha cunhada subiu para seu quarto e fiquei com minha sogra conversado um pouco, ela perguntou se estava de saída e disse que ainda teria algum tempo e talvez fosse ver um noticiário na tv antes de voltar ao trabalho.Enquanto minha sogra recolhia os pratos me pediu para avisar a sua filha que iria dar uma saidinha ate ao banco e com sorte voltava logo, subi pelas escadas passei pelo quarto de minha cunhada, não há vi, e fui direto para o quarto da tv, sentei-me e logo ela chegou com cheiro de pasta de dente e perguntando o que estava vendo, sentou-se em uma poltrona quase em frente a minha e cruzou suas lindas perninhas bem acanhadamente, com estivesse querendo esconder um tesouro sagrado dos meus olhos, mas suas cochas apareceram mais ainda, e um tesão me tomou em ver que coisa gostosa é minha cunhada, me lembrei o recado da sua mãe, e depois ela me pareceu relaxar mais com a minha presença, poderia ser apenas minha imaginação, mas suas coxas ficaram mais a amostra e ela quase se deitou no sofá, eu já não estava nem ai para a tv mas sempre com muito cuidado, parecia que ela percebia para onde eu olhava. De repente ela levantou-se e disse que ia deitar-se um pouquinho e saiu da sala com aquela bunda rebolante e provocadora. Verifiquei se ela já estava em seu quarto e afrouxei o cinto e ajeito meu mastro que pedia socorro de tão apertado que estava, quase bati um punhetão para ela ali mesmo na sala de tv. Demorei mais um pouco vendo tv mas nada me fazia prestar atenção no noticiário, e por um momento tive a idéia de bisbilhotar minha cunhadinha dormindo, será se estava deitada com aquela sainha?, fui bem devagar pelo corredor, só se ouvia o som da tv, até que cheguei ao meu desejado destino, espiei em direção da sua cama e lá estava ela deitada de bumbum para cima, agarrada em uma almofada e suas lindas pernas semi abertas deichando eu só imaginar a cor de sua calcinha, meu pau endureceu mais ainda e enfiei a mão até ele para conforta-lo e pedir calma, a menina se mexeu, e ai então pude ver seus fundinhos protegidos por uma deliciosa calcinha branca, que ia enfiando em sua bundinha. Para meu desespero, ela que pelo jeito ainda estava acordada enfiou a mão por debaixo da calcinha retirando ela do rego, me presenteando com toda a beleza da visão de sua bunda redondinha e com as duas mãos, ajeitou os dois lados da calcinha de uma só vez... e logo em seguida puxando a saia até o final, como soubesse que estava sendo observada, sai meio sem jeito e fui direto ao banheiro onde bati uma bronha maravilhosa para aquela bunda fenomenal, sai e fiquei meio desconfiado pois a porta do quarto dela estava fechada, fiquei com medo de dar algum problema aquele dia com minha esposa, mas foi tudo normal, a noite quando cheguei para esperar as duas da academia, encontrei com ela dizendo que não havia ido malhar hoje para estudar mais o trabalho, e me agraceu mais uma vez e saiu toda cheirosinha com cabelo molhado para a faculdade. Logo minha esposa chegou e fui logo dizendo a ela que queria ela do jeito que estava toda suadinha, chegamos em casa e fui logo arrancando sua malha e notei que ela também estava num tesão só, trepamos como doidos tomamos uma banhos e caímos no sono.
No meio da noite acordei lembrando da bundinha maravilhosa da thati, e olhando minha linda esposa que dormia inocente com uma linda camisola rosa transparente, de costas para mim, olhei para sua bundinha e vi quanto elas eram parecidas, minha esposa tinha cabelos lisos e um pouco mais clara que minha cunhada, mas o corpo eram bem parecidos, ela era pouca mais baixinha que a thati e talvez por minha cunhada ser mas nova seu corpinho parecia ter um não sei o que a mais, mas o fato que passei a mão naquela bundinha e comecei a ficar tesudo, minha esposa não acordava, então mesmo com ela dormindo sentei-me na cama e comecei a puxar bem devagar sua calcinha por debaixo da camisola e ela nada de acordar, comecei a beijar as costas de suas coxas e fui subindo até aquela maravilhosa bundinha com uma marquinha de seu biquíni , ela se mexeu e se esparramou-se todinha na cama, ainda dormindo e gostando do que estava fazendo, cheguei ate seu lindo reginho traseiro e passei a enfiar a língua ,e com uma das mãos, procurei entre suas pernas sua xotinha, que quando toquei simplesmente mergulhei o dedo de tão alagada ela já estava, ela gemeu e empinou sua bundinha para cima, me deixando seu rabinho bem a mostra, não pensei duas vezes, e tasquei a língua naquela rodinha maravilhosa enquanto massageava sua vulva com o dedão, ela já não sabia o que fazer com as mãos me procurando e abrindo suas nádegas, pedindo sem palavras para eu não parar, comecei a massagear aquele rabinho, que já havia comido, mas, poucas veses porque apesar d´ela gostar, não era sua preferência, quando ela conseguiu achar meu pau duro feito pedra, sussurrou com uma voz rouca de quem acaba de acordar, "enfia logo esse pau ai dentro", e se ajoelhou... e eu sem deichar de passar a língua naquele cuzão maravilhoso, ajeitei meu pau na portinha, e lebrei logo da thati deitadinha com aquele rabão para cima , fui enfiando devagar... e com uma das mãos fui batendo uma siririca bem devagarsinho enquanto meu pau entrava. Na primeira bonbada minha esposa deu um gemido alto e pediu mais. Ai pareceu que ela ligou uma motor movido a tezão e comecei a bombar elouquecidamente, as vezes retirava tudo e colocava de vez, ela gemia e estica os braços como estivesse querendo agarrar algo no ar ficamos mais um pouco daquele jeito, ate que Lea me pediu para se virar de frente e abriu as pernas dizendo que queria minha língua em sua xota, passei a chupa-la fazendo ela gozar varias vezes com dois dedos bombando seu cu, quando senti que ela estava molinha de tanto gozar, tirei minha cara de sua xota, e enfiei de uma vez só no fundo de sua rachinha... bombei com meu pau ate deixa-lo bem lubrificado, e preparando novamente seu cuzinho, com dois dedos que entraram e saíram antes de meu mastro, enterrei mastro e fui bombando e ela pedindo para ir mais forte e que queria sentir minha porra escorreu pelo seu rabo, bombei ate que senti que ela também ia gozar, por que estava quase perdedo o ar, e quando ela gozou e amoleceu as perninhas, arreganhei mais ainda aquelas coxinhas e despejei toda minha porra dentro de seu cuzinho, beijei sua boca e imaginei como seria com minha cunhada, uma loucura.
Nos dias que se passaram, passei a freqüentar mais vezes o almoço na casa de minha sogra... coisa muito normal, via o noticiário da tv e ia trabalhar. Mas sempre dava um jeito de dar uma espiadinha na minha cunhada, deitadinha na cama ou se amostrando no sofá da sala. Parecia que as vezes me esperava, e quando não ia, me perguntava porque não havia aparecido. Nos fins de semana a coisa se repetia e quando estávamos a sós, ela me parecia bem mais descontraída, e alguns lances, desses que agente fraga sem querem começaram a ocorrer com mais freqüência do que o habitual. Certa manhã de sábado havíamos chegado cedo para irmos a feira que é perto da casa de minha sogra, tomamos café todos juntos e logo depois subi até o quarto de solteira de minha esposa para deixar umas bolsas, antes de sairmos; quando saia do quarto, notei movimento no banheiro e ao chegar mais perto peguei minha cunhadinha retirando sua linda blusinha, e me dando o prazer de apreciar seus lindos seios, com biquinhos rosa chá tão durinhos que realmente seria um pecado usar sutiã, fiquei imóvel para que não me visse, ela acariciou levemente as duas perinhas e pegou outra blusa em seguida vestiu. Aproveitei e sai de fininho. Outra vez, quando cheguei ela estava fazendo suas unhas com esmalte, algodão e todas aquelas coisas que mulher usa para isso, foi só minha esposa sai da sala ela imediatamente como se fosse a coisa mais normal do mundo, encolheu uma da pernas para limpar as unhas dos pés com algodão e acetona, e talvez sem querer me mostrou sua rachinha encoberta por uma deliciosa calcinha de renda vermelha, me ajeitei para mirar melhor aquilo tudo, e com certeza ela também notou, mas deu a entender que não havia percebido, enquanto ela limpava o esmalte da unhas as vazes abria mais ainda suas perninhas, e sua calcinha foi enterrando em sua grutinha inchada, meu pau quase saiu da bermuda naquela hora, ele terminou e começou a pintar novamente e tirar o excesso com um palito, a mente da gente pode até pregar peças no nosso dia a dia, mais tinha certeza que ela estava me provocando, e dava para ver uma manchinha molhada no fundo de sua calcinha revelando seu tesão naquele momento, eu já nem tirava o olho de sua raxa, e ela se deliciava pintando as unhas. O melhor de tudo foi quando minha esposa chegou de volta na sala, ela imediatamente achou outra posição para pintar as unhas, se traindo para mim e me olhando só para confirmar, esticou as pés para mim e minha esposa e perguntou se estava ficando bom seu trabalho, na mesma hora disse que bom estava, mas eu ficaria melhor se fosse vermelho, senti seu rosto avermelhar bem levemente, e minha esposa disse que o rosa estava ótimo e que eu não entendia nada de unhas. Ela sorriu para mim e tudo ficou assim. Mas a confirmação definitiva veio numa tarde em que fui visitar um cliente e levei maior cano do mesmo, sem ter nada o que fazer, resolvi ir embora mais cedo fui até a casa de minha sogra e a encontrei na cozinha fazendo macarrão caseiro, toda cheia de farinha. Falei com ela e reclamei de uma pequena dor de cabeça, (doido para subir e ver a thati), que iria deitar um pouco lá encima, ela me disse que estava sozinha e que ainda iria aproveitar e fazer um pão também, subi e realmente a thati não estava não havia nada para fazer então realmente deitei no quarto que era da minha esposa quando solteira que fica de frente para o quarto da irmã. Já estava quase adormecendo quando ela chegou meio apressada arrancando os tenis, eu deitado na cama continuei, ela largou algumas coisas na cama sumindo por alguns instantes do meu campo de visão e retornou abrindo as portas do seu guarda roupas, fiquei estático quando começou a puxar sua camiseta me deixando amostra suas lindas costas nuas e largou no chão, mexeu na roupas penduradas e de um movimento desceu seu lido shortinho me revelando sua lida bundinha cravada com uma tanguinha escura quase preta, ficou imóvel por um tempo e ainda de costas alisou com as duas mãos seus seios, em seguida abaixou a mão direita e passou pela sua xana, meu pau latejava vendo aquela bunda e toda aquela movimentação com as mãos, derrepente ela arranca toda sua calcinha até o chão enfia a mão por trás de sua bundinha arrebitada procurando seu clitóris, e da um pequeno urro de prazer, não agüentando mais se vira para porta empurra ela como pode e se joga na cama. E eu não poderia perder esse show, imediatamente cheguei perto da porta e vi thatiana, deitada com as pernas arreganhadas, e dois dedos esfregando com vontade aquela gruta peludinha, soltando pequenos grunhidos e sons sem nexo, na tive duvida saquei meu pau, que latejava dentro da calça, e acariciei-o com muito gosto vendo aquela maravilhosa cena, ela derrepente se virou me mostrando seu lindo buraquinho e os dois dedos agora mais sedentos alcançavam seu cuzinho e retornavam as veses penetrando em sua vagina, eu já não agüentava mais quando no meio de todo aqueles gemidos ela disse bem claramente, ai cunhadinho porque você não esta aqui agora?, eu de sopetão engasguei batia cabeça na porta, ai não teve jeito tossindo muito entrei no quarto, com ela de rabo para cima perguntando... "-- Alguém ai me chamou?", Ela na hora se assustou, sentando e cobrindo seus seios com um dos braços e a outra mão tapando seu sexo, e arregalou os olhos quando viu o tamanho de minha jeba para fora da calça, e entendeu na hora o que estava acontecendo, ... "-- me espionando outra vez né... seu safadinho", ela nua na minha frente eu com o pau totalmente duro em sua frente, respondi ... "-Então você já me viu te olhando, quando vc me chamou não teve jeito.", - dizendo isso me aproximei da menina que não tirava os olhos de meu mastro e encostei-o em seu rostinho quente, ela sorriu para mim e disse..."termina logo o que eu comecei, chupa aki e me faz gozar", e foi logo abrindo as perninhas me deixando de cara com aquela grutinha molhada e peluda, abaixei e comecei beijando suas coxas e descendo bem lentamente para aquele poço dos desejos profundos, quando toquei com a língua e senti a quentura de sua vulva, interrei minha língua,e com o dedão massageando seu cuzinho a menina chega a levantar suas ancas e sufocou um grito de prazer, fiquei lambendo cada centímetro daquela bucetinha, enquanto ela assanhava meus cabelos e pedia para não parar que ela queria gozar do jeito que sempre sonhava comigo, mas alguns minutos subindo e descendo ate o seu cusinho com a língua e ela simplesmente, se esticou toda na cama e arreganhou as pernas dando um tremor nas pernas e cintura gozando em minha boca que não parava para nada, quando notei que ela havia relaxado olhei para ela, e disse "vamos logo já esta quase na hora de sua irmã chegar, agente continua em uma outra hora", ela sentou agarrando meu pau e batendo uma pequena punhetinha disse "eu não vejo a hora", e enfiou toda a glande na boca dando uma mamadinha só para me deixar mais tesudo ainda, depois tirou de sua boquinha olhou para mim e disse "vai logo lá pra baixo, amanhã cedo a mamãe vai sair e só volta depois do meio dia, já disse para ela que era para não se preocupar com o almoço que eu me virava sozinha, mas pelo jeito vou ter companhia, então te vejo as nove, vê se não demora ta!", ouvindo aquilo tudo me arrumei e sai pisando em nuvens e fui al banheiro lavar meu rosto que estava com aquele maravilhoso cheiro da buceta de minha cunhada, porque no outro dia bem cedo..         O RESTO EU CONTO NA CONTINUAÇÃO...   

Se vc gostou do conto vote nele que segunda parte já esta pronta.

bitusko@bol.com.br


Cunhada, Cunhadinha - Parte II - (Minha doce Obsessão)

Continuação do conto: 16014
"vai logo lá pra baixo, amanhã cedo a mamãe vai sair e só volta depois do meio dia, já disse para ela que era para não se preocupar com o almoço que eu me virava sozinha, mas pelo jeito vou ter companhia, então te veja as nove, vê se não demora ta!", ouvindo aquilo tudo me arrumei e sai pisando em nuvens e fui ao banheiro lavar meu rosto que estava com aquele maravilhoso cheiro da buceta de minha cunhada, porque no outro dia bem cedo tinha que dar um jeitinho de não desaponta-la, naquela noite transei com minha esposa deixando ela totalmente exalta, e ela para me recompensar deu um show de buceta mal sabendo ela, tadinha, que eu estava tarado pela irmãzinha dela. No dia seguinte avisei a minha esposa que iria logo cedo visitar um cliente e que não teria idéia quanto tempo iria demorar, deixei ela no seu serviço e fui direto para ver minha "thati". Chegando lá vi logo que minha sogra já havia saído, subi para o quarto de minha tentação, ela não estava, ouvi som de tv e segui para a sala foi quando do banheiro sua linda voz gritou, "já chegou ! , pelo jeito não quer perder tempo safadinho.", cheguei mais perto e notei que ela estava no banho, entrei silenciosamente e fiquei olhando sua silhueta pelo Box de vidro embaçado pelo vapor de água do chuveiro, e ela continuou ainda pensando que estava lá fora na sala, "e ai como foi a sua noite" gritou ela, dando um pequeno sorriso que só notei porque estava bem perto dela, foi então que encostando no Box, abri uma pequena brecha, surpreendendo a menina e fui dizendo "você ta rindo mas, sua irmã achou ótimo, só que ela não sabia que tinha um estimulo a mais na família.", ela corou um pouco as bochechas e jogou um pouco de água em mim, "como sempre me espionando ", ela disse isso e enfiou seus dois dedinhos em seu sexo e me ofereceu para chupa-los, o que fiz com muito prazer e tesão, e me disse... "já que você gosta de me espiar me espera lá na sala, que vou terminar aqui e vou para meu quarto colocar uma roupinha só para você tirar, se quiser ficar espiando sem eu perceber... vai me deixar com mais tezão ainda." Entendendo o joguinho e a tara de "thati", deixei minha cunhadinha em seu banho com uma vontade louca de arrancar a roupa e cair de boca naqueles peitinhos empinados, e sai dizendo "é uma pena porque eu estou doido para tomar um banho". Imediatamente ao contrario do que pensara minha taradinha cunhada, entrei em seu quarto e me escondi entre um gaveteiro e a quina do quarto por de trás da cortina de tecido pesado, não demorou muito e ela entrou só de toalha envolvendo aquele corpinho lindo e outra toalha fazendo um turbante na cabeça, deixou a porta semi aberta olhando para fora, para ver se me achava na sala ou no quarto em frente, deixou a toalha de seu corpo cair no chão e olhando novamente para a porta, abriu uma pouquinho mais a porta do quarto para facilitar minha visão (se eu estivesse lá fora, e claro), seus lindos seios estavam totalmente com os biquinhos róseos durinhos de frio e tezão, passou sua mão nos dois seios ao mesmo tempo, e retirou a segunda toalha da cabeça, se curvando me mostrando sua bundinha redondinha com aquela marquinha de seu bikini já meio desbotada pela falta de sol, ela agia normalmente mas de vez enquanto espiava para ver se me pegava olhando para ela, abriu seu guarda roupa e escolheu um destes short´s de seda para dormir, azul claro junto coma blusinha da mesma cor, jogou a roupa encima de sua cama e se aproximou de onde eu estava e abriu uma das gavetas do móvel que eu estava encostado, vasculho com a mão e retirou uma pequena tanguinha vermelha, dando uma lindo sorriso demonstrando o prazer que estava sentindo por aquela escolha, foi mais para o centro do quarto e com uma das mão começou a alisar seus seios, e com a outra segurando a calcinha passava em suas cochas e bundinha rebolando com se estivesse dançando sem musica só para mim, passou a mão também em sua peludinha e sentou-se na cama vestindo rapidamente a tanguinha, deixando mais sensual ainda aquela bundinha branca agora devidamente vestida com aquela delicia vermelha. Ela então virou-se novamente para o guarda roupas apoiou com uma das mão na parte interior, empinou seu trazeirinho e com a outra mão começou a esfregar sua xaninha abrindo as pernas, rebolando e gemendo para me deixar com muito mais tesão, eu já estava com pau de fora da calça de moletom, doido para voar para cima dela, mas queria ver todo aquele espetáculo e ter o prazer de arrancar tudo depois, ela ficou mais um tempinho naquela posição e resolveu vestir o resto da roupa sempre olhando para porta querendo me ver, de repente parou como se estivesse lembrado de algo foi ate o gaveteiro abriu a primeira gaveta pegou uma cartelinha de comprimidos e mais uma vez sorrindo tomou o pequeno comprimido, dizendo baixinho "hoje eu quero serviço completo", guardou novamente na gaveta e foi devagar em direção a porta, deixando seu cheiro de banho no ar, eu imediatamente recolhi meu pau para dentro da calça, e em silencio segurei seu braço já quando estava saindo do quarto, e assustando-se , olhando para traz abracei sua linda cintura e dando um beijo naquela boca sedenta de prazer, senti seu corpo amolecer em meus braços, e sussurrei em seu ouvido, "eu também quero serviço completo", ela ainda com ar de surpresa e sentindo minha tora em sua barriguinha, disse "então você estava ai... me vendo o tempo todo", então completei dizendo... "vendo e ouvindo", beijei aquela boca novamente e segurei com vontade sua bunda, fui empurrando ela até a sua cama e a deitei delicadamente, e retirei logo o moleton e fique só de cueca, ela agarrou meu pau ainda vestido, enquanto beijava sua boca e ia descendo pelo seu pescoço até chegar nos seus intumescidos seios, ela arrancou me pau para fora da cueca e batia um punheta bem devagar enquanto beijava e sugava seus peitinho, em outro movimento desabotoei sua blusinha e fui abaixando pela sua barriguinha sarada com pelinhos dourados até o elástico do short enquanto com as duas mão me ocupava com aqueles peitos de deusa, neste momento eu já estava pelado por cima dela, e ela acariciava meus cabelos dando consentimento a cada movimento meu, fui puxando bem lentamente seu shortinho e ela levantado a cintura, facilitou a visão daquela tanguinha vermelha que contrastava com sua pele morena desbotada de sol quase branquinha, em um súbito movimento ela se virou me deixando de cara com sua bunda maravilhosa, dizendo "se vai tirar minha calcinha, tira assim que e mais gostoso", mais gostoso foi a visão daquela bunda dourada, que foi beijando imediatamente alisando suas costas e com a outra mão, procurando entre suas perninhas o macio de sua bucetinha quente, que logo estava encharcando o fundo de sua calcinha, ela começou a gemer e empinar a bundinha enquanto me dedo massageava aquela tentação que, pela aproximidade já exalava seus odores maravilhosos me deichando ainda mais em riste, ela se contorcia e entre um mordidinha e lambida em suas nádegas abocanhei sua calcinha e puxei para baixo sentindo o contato da pele de sua bundinha em meu nariz, e me revelando aquele reginho perfeito, e com o dedo que não parava e massagear sua vulva, sentindo a folga do tecido escorregou para dentro daquele posso quente escorrendo de prazer, sua reação foi imediata, dobrando uma das pernas e assim abrindo mais sua raxinha para minha investida; eu por minha vez achei melhor retirar aque maravilhosa cobertura vermelha que era sua tanguinha, e me revelar logo todinho seu corpo perfeito que naquele momento estava ali só para meu deleite, assim que retirei sua calcinha ela voltou imediatamente a mesma posição que estava só que agora de olhos fechados e chupando o dedão da mão direta com aquela boquinha como estivesse esperando uma coisa bem gostosa e estava por minha conta, continuei massageando sua peludinha agora subindo ate seu cuzinho enquanto ela gemia parecendo que iria engasgar de tanto tesão, me deitei ao seu lado beijando sua bundinha e ela foi logo entendendo o recado, senti sua boca quente cobrindo minha glande e sugando bem de leve, olhei um momento para baixo e a vi soltando seus lindo e longos cabelos cacheados, que estavam presos com uma presilha, e o toque deles ainda úmido em minha barriga, quase me fez gozar, ela se empolgando com minha pica ficou de quatro com meu rosto entre sua cochas, e conforme sugava meu pau e acarinhava minhas bolas, foi descendo bem devagar aquela buceta suculenta para lhe dar um beijo, chegava ate meu rosto quando tocava com a língua, recuava rápido com estivesse experimentando me tesão, me pau latejava em sua boca, e em uma dessas investidas, segurei-a pela bunda arreganhando bem seu cuzinho, e enfiei a língua em sua xaninha, e massageava seu rabinho com a ponta de meus dois dedos anelares, ela por um momento ainda com meu pau quase todo enfiado na boca parou e senti seu caldo quente descer e esquentar minha face totalmente encarcada em sua bucinha, ela começou a rebolar com mais tesão e intensidade, e quando retirava meu pau da boca grunia ordens para mim, como uma chefe mandona com raiva faz com seus subalternos, passei a explorar com a língua cada centímetro daquele oásis o prazer e subia ate sua rodinha que piscava para mim de tesão. Ficamos neste 69 por um bom tempo e ela gozava feito louca em mim até que quando ela decidiu que queria me fazer gozar também em sua boquinha e começou a acelerar seus movimento ora sugando, ora batendo uma punheta alucinante, enquanto já com os meus dedos um de cada vez entrava e saia de sua buça para seu cuzinho com muita língua no meio; foi aumentando o ritmo ate que não pude mais agüentar, e esporrei todo aquele tezão, abraçando-a pela cintura e enfiando minha língua o Maximo que eu pude de uma vez em seu cuzinho, ela praticamente sentou em meu rosto enquanto sugava e se melava toda com minha porra, enquanto eu tinha espasmos de prazer...; caindo de lado ainda tive forças de me virar e procurar sua boca e lhe retribuir com um longo beijo por todo prazer que me havia dado. Ela ainda ficou alguns minutos imóvel, enquanto com carinho sentia meu pau em sua mão ganhar mais coragem conforme ela insistia para que ele não amolecesse de vez, e quando viu que ainda podia contar com ele, me disse bem baixinha em meu ouvido "agora quero ele todinho dentro de mim, mas antes vamos ate o banheiro tomar um banho bem quentinho, você não disse que estava louco para tomar um, pode deixar que eu cuido de você hoje, não quero minha irmãzinha diga que estou tratando mal seu macho."

Esta foda e muito mais continua em breve, se esta gostando me mande um e-mail. Estou tentando uma foto dela para vcs.


Cunhada, Cunhadinha - Parte III -(Tudo que eu queria)

Continuação do conto: 16014 e
Continuação do conto: 16146

Ela se levantou segurando meu pau, e me puxou até o banheiro me beijando e se esfregando em mim pelo curto caminho até o banheiro, dizendo que era toda minha hoje e que eu poderia fazer o que eu desejasse, entramos no Box e ela ligou a ducha quente, lavou seu rostinho melado de porra fechando os olhos, levantando o rosto para a água e empinando sua bundinha para mim, não me fiz de rogado peguei o sabonete e comecei a ensaboar aquele trazeirinho perfeito, enquanto ela sorria de prazer, vendo que havia entendido a sua mensagem, com uma das mãos naquela bundinha e a outra esfregava seus lindos e perfeitos seios, que de tanto tezão estavam super empinados me dando mais prazer em ensaboa-los; ela estava de lado enquanto dava este trato com as duas mãos, então, comecei a beijar sua nuca, e esfregava meu pau super duro em sua cocha, meus dedos brincavam na portinha daquele cuzinho e ela abriu mais suas perninhas para dar melhor passagem as minhas intenções, ela se apoiou com as mão na parede azulejada embaixo do chuveiro e se abaixou mais ainda arrebitando mais e mais aquele cuzinho apertado, meus dedos já nesta hora já massageava sua busa e com o dedão seu cuzinho, ela já perdendo as forças da perna se ajoelha e pede para eu não parar por nada neste mundo dizendo com a voz rouca "continua... não para... vai... não para...", ela agarrou meu pau, neste momento eu já estava de joelhos ao seu lado lambendo sua nuca e suas orelhas seu rosto procurando sua boca e meu pau em suas mão era punhetado roçando em seus seios, ela gozou sentindo a água cair em seu corpo e lhe dando ainda mais prazer, sentou-se no chão do Box, engolindo meu mastro com tamanha vontade que fique ate admirado e ver, massageava minhas bolas e lambia ate debaixo de meu saco, para depois voltar a engolir meu pau, não querendo esporrar mais uma vez em sua boquinhas (pelo menos não agora), beijei-lhe com volúpia e levantamos, desta vez peguei uma buchinha de banho muito macia e fui curtindo cada cm de seu corpinho perfeito, enchendo de sabão, sua bucinha com seu pelinhos aparados ficaram bem ensaboados ate que de olhos fechados de prazer ela entrou embaixo da ducha e saiu todo o sabão de seu corpinho. Desliguei o chuveiro e peguei uma toalha branca e olhando aqueles maravilhosos olhos verdes e seu lindo sorriso, fui enxugando ela, entre seus arrepios de frio deixando se é possível mais durinhos aquele maravilhoso para de seios, "e ai ?" - perguntei baixinho "gostou do banho ?" - "adorei !" - respondendo com cara de denguinho "agora que fique com mais tezão ainda!", pegou a toalha jogou de lado e saiu do banheiro me puchando pelo branço enquanto me enxugava também, foi direto para seu quarto e me tascou um beijo, apertando minha bunda com as duas mãos, minha "thati" estava prontinha para mim agora, enfim eu ia sentir aquela grutinha engolir todo meu pau que estava louco para ser engolido, mais ela simplesmente se aproveita da situação e de um lance, me joga em sua cama e por cima de mim diz baixinho: "agora eu quero que você fique bem quietinho, enquanto eu faço uma coisa aqui!", beijou minha boca, foi se abaixando lambendo meu peito descendo pela barriga ate chegar


Ficha do Conto

Escritor:
bitusko

Nome do conto:
Cunhada Cunhadinha ...

Codigo do conto:
7621

Categoria:
Incesto

Data do Envio:
02/04/2006

Quant.de Votos:
0

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
7622 Cunhada Cunhadinha Parte II Incesto 0
7623 Cunhada Cunhadinha Parte III Incesto 0
7624 Cunhada Cunhadinha... Parte IV Incesto 0
7625 Cunhada Cunhadinha ... Parte V Incesto 0
7626 Cunhada Cunhadinha... Parte VI Incesto 0
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA