Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Entrar em contato   Bate Papo
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato

SITES PARCEIROS
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web
   Videos Porno
   Porno Tube

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





Dez anos de chifres (verídico)


(Este relato foi escrito a quatro mãos. Eu e meu amigo Mar – do casal Mar & Sol – o escrevemos para mostrar a fragilidade do ser humano frente às suas fantasias sexuais. Tudo o que narro aqui é verdadeiro e não me envergonho, hoje, desta situação.)
Meu nome é Théo (“short cut” de Theobaldo). Não é meu verdadeiro nome. É uma homenagem ao personagem de um filme erótico que vi (e sobre o qual falarei, aqui mesmo). O Theobaldo do filme era corno. Eu também sou.
Tenho 36 e estou casado a 12 com a Alicinha (nome fictício, adotado por ser o nome da mulher do Theobaldo, no filme que já citei). Minha mulher é dois anos mais nova que eu e casei com ela pensando que tinha sido eu que tinha tirado a virgindade dela, quando ela estava com 18 anos e já namorávamos há quase um ano. Aliás: sempre acreditei que tínhamos perdido a virgindade juntos (já que eu nunca tinha tido uma transa com uma mulher, até meus vinte anos).
Hoje já não sei o que pensar.
Eu trabalhava como Técnico em Instalação de Redes de Informática, em uma empresa de projetos de redes e minha mulher era Auxiliar de Marketing de um banco multinacional, quando nos casamos. Ainda hoje trabalhamos nas mesmas empresas, embora eu seja atualmente Gerente de Vendas e minha mulher seja Gerente de Produto.
Estávamos casados há dois anos, quando descobri uma outra face da minha mulher. Ela tinha verdadeira adoração pelo seu chefe, que foi um dos nossos padrinhos de casamento, junto com sua esposa. Eu achava, antes, que esta adoração era devida ao fato dele ser um profissional muito experiente (na época do nosso casamento ele estava com 36 anos) e inteligente, mas a veneração que minha mulher demonstrava por ele começou a chamar minha atenção e despertar uns certos ciúmes que ela tratava com desdém, levando tudo na gozação.
Um dia, passei uma ligação do Leonardo (o chefe) para ela, certo de que se tratava de assunto profissional. Eu estava terminando a faculdade, naquela época, e não costumava ficar em casa à noite. O Leonardo estranhou o fato de eu ter atendido ao telefone naquele horário e eu expliquei que estava terminando o último ano do curso e que já estava praticamente aprovado em todas as disciplinas, permitindo-me faltar de vez em quando.
Morávamos em um sobrado, naquela ocasião, e ela o atendeu na extensão, do piso superior. Eu estava apenas de meias e ela não ouviu quando subi as escadas para pegar algo. Ouvi minha mulher falar baixinho ao telefone e aquilo despertou minha atenção, levando-me a me esconder à porta do quarto para ouvir o que ela dizia: “Eu não posso, Gato! O Théo está em casa. Você viu! Você falou com ele!” Um tempo de silêncio sugeria que o chefe dela argumentava alguma coisa do outro lado da linha. Ela voltou a falar: “Amanhã a gente encara um almoço executivo naquele motel, Gato. Hoje não dá. Não vou arriscar meu casamento, assim como você não arrisca o seu!”.
Desci discretamente as escadas tomando cuidado para que ela não percebesse que eu tinha ouvido parte da sua conversa. Eu estava trêmulo e meus joelhos pareciam não suportar o peso do meu corpo. Inventei uma desculpa para ir à padaria e saí de casa para tentar pensar melhor. Lembro que cheguei a chorar andando pela rua, mas resolvi voltar logo para evitar que ela voltasse a falar com o chefe. Ao entrar inventei uma dor de cabeça e fui para a cama, fingindo dormir logo para não me defrontar com minha mulher, o que permitiria que ela percebesse meu estado. Na verdade, passei toda aquela noite em claro.
No dia seguinte saí normalmente para o trabalho e, praticamente como um desabafo, contei tudo para o meu chefe (outro dos nossos padrinhos de casamento). Ele me liberou do trabalho, naquele dia e aconselhou-me a descobrir se minhas desconfianças eram fundadas. Dizendo a todos que eu iria realizar uma tarefa de natureza pessoal para ele (isso para o caso da minha mulher ligar) meu chefe emprestou-me um carro da empresa (bem diferente do meu) e eu me coloquei nas proximidades do escritório do banco (na zona oeste da cidade de São Paulo), de onde segui minha mulher e o chefe dela até um motel na Marginal do Rio Pinheiros. Ali eles permaneceram quase três horas. Ao saírem, se dirigiram para o banco, onde minha mulher desceu; o chefe dela foi embora.
Afastei-me dali e fui sozinho para o motel de onde minha mulher tinha acabado de sair. Pedi um quarto, ali, e fiquei sozinho o resto da tarde. Ali eu chorei e fiquei lamentando minha sorte. Fiquei puto da vida com minha mulher e comecei a imaginar como deveria falar com ela, ainda naquele dia, sobre nosso divórcio.
Curtindo – literalmente – minha dor de corno, naquele motel, comecei a imaginar se tinha sido naquele mesmo ambiente que minha esposa tinha dado para outro homem… se ela tinha gozado (comigo era raro ela atingir o orgasmo)… se tinha chupado o pau do outro (coisa que se recusava a fazer comigo porque sempre disse que tinha nojo)… Comecei a me excitar demais com tais pensamentos. Aquela excitação deixava-me morrendo de raiva de mim mesmo, pensando que eu era uma aberração.
Tentando desviar minha cabeça daquilo tudo, evitando o tesão que me causava, liguei a TV e comecei a ver filmes eróticos. Mal eu tinha ligado e começou um novo filme, onde um marido traído (o Theobaldo) acabava rastejando, ao pé da sua própria cama, para bater uma punheta ouvindo a esposa (a Alicinha) trepando com o amante (Leonardo, que – nada acontece por acaso – é o nome real do amante da minha mulher e também era o nome do personagem do filme). Embora não contasse detalhes da história do casal, concentrando-se mais nas cenas de sexo explícito, as coincidências obrigaram-me a substituir os personagens pelas nossas identidades e a excitação que experimentei levou-me a bater a mais incrível de todas as punhetas da minha vida, proporcionando-me um orgasmo maluco que terminou com um choro convulsivo causado pela confusão de sentimentos que eu experimentava.
Voltei para a firma lá pelas 7 horas da noite para pegar meu carro, devolvendo o carro da firma. Agradeci aos céus meu chefe já ter ido embora, naquele horário, evitando que eu tivesse que falar sobre o assunto com ele, naquele momento. Fui para a faculdade, mas acabei não entrando e fiquei rodando pela cidade até o final da noite. Minha cabeça não conseguia se desviar da traição de que eu estava sendo vítima, e o tesão (que loucura, os meandros do prazer) de pensar na minha mulher tendo prazer com outro homem não me deixava em paz.
Voltei para casa, sem saber como agir com minha mulher. Sentia raiva pela sua traição, mas sentia-me culpado pela minha excitação. Imaginava o caralho do Leonardo (o caralho do ator do filme era, agora, em minha cabeça, o caralho do nosso padrinho de casamento: enorme, duro, retinho, cheio de veias e com uma chapeleta vermelha e muito ressaltada do membro), estocando minha vadia mulher que gemia e gozava como nunca tinha feito comigo.
Resolvi não falar nada naquela noite. Nunca mais falei nada.
Dez anos depois desta minha descoberta, minha mulher continua trepando com o chefe dela. Com o tempo ela passou a não se preocupar muito se eu sabia ou não do caso que mantém com ele. Atende o telefone quando ele liga e – sem cerimônia – tranca-se no quarto para falar com o amante sem que eu ouça.
Como sempre mexi com informática e eletrônica, em geral, não tive problemas para instalar uma escuta no telefone e descobrir que ela trepa diversas vezes por semana com ele e – incentivada pelo amante – com outros homens, também. Já ouvi (e tenho gravadas muitas horas de conversa entre os dois) ela declarar que nunca teve um único orgasmo verdadeiro comigo e que ele é o único que a faz gozar até nove vezes (eu mesmo achei exagerado, quando ouvi isso, mas ela declarou com tanta veemência que – sinceramente – acredito que seja verdade) em duas ou três horas de sexo.
Sei que eles treparam inúmeras vezes em minha própria cama e que minha mulher, uma vez, fez-me chupar a boceta dela cerca de uma hora depois do amante ter gozado ali e sem que ela tivesse se lavado depois. Sei que ele se refere a mim, de vez em quando, como “o corno que chupa minha pica por tabela” e que os dois me humilham, sem saberem que eu ouço tudo, depois.
Sei que em muitas das diversas viagens que ela faz, o amante (que continua sendo chefe dela) a acompanha e que os dois reservam um único quarto para a viagem e que as secretárias da empresa é que se encarregam das reservas. Sei, também, que todos no banco já sabem do caso e que a própria esposa do Leonardo (cuja família participa do Conselho do Banco) tem plena consciência do fato de minha mulher ser amante dele, mas é totalmente conformada com isso.
Sei que eles vão ao Rio (segunda filial em importância, do banco) pelo menos duas vezes ao mês, e que freqüentarem uma casa de swing daquela cidade. Sei que minha mulher já transou com o Leonardo e mais dois homens, em uma oportunidade, e ouvi mais de uma hora de conversa telefônica em que ela e o amante comentam as sensações que experimentaram, naquela aventura.
Sei – e agora vocês vão se espantar – que nosso único filho (hoje com sete anos) está cada vez mais parecido com o Leonardo (que é, junto com a esposa, padrinho do menino). Já ouvi, nestas gravações, minha mulher fazer inúmeras referências ao garoto (que também se chama Leonardo e que minha mulher chama de Leozinho) como sendo filho dele.
São centenas de fitas que guardo em lugar seguro, em meu escritório. São centenas de vezes que ouvi minha mulher dizer ao amante que o ama e que se tivesse que escolher entre eu e ele não pensaria duas vezes para ficar com ele. Centenas de declarações – de lado a lado – sobre o tesão que sentem um pelo outro e centenas de putarias de que participam e que relembram se excitando ao telefone; algumas destas ligações chegaram, inclusive, a terminar com sexo à distância.
E são milhares… milhões de gotas de prazer que derramo em inúmeras punhetas que bato ouvindo estas fitas.
Faço parte, hoje, de um grupo de homens que se aproximaram, através da Internet, para conversarem sobre os seus cornos e os prazeres que sentem em serem corneados. E é por isso que contamos nossas aventuras aqui.
Não tenho e-mail fictício. Uso o e-mail do meu amigo Mar. Se quiserem escrevam para ele, que – informalmente – comanda o grupo de cornos de que falei.
Foto Perfil Mar & Sol

Ficha do Conto

Escritor:
maresol

Nome do conto:
Dez anos de chifres (verídico)

Codigo do conto:
8568

Categoria:
Traição/Corno

Data do Envio:
06/07/2006

Quant.de Votos:
4

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Ultimos Comentários
Foto Perfil paulojk Comentado por: paulojk em: 18/04/2014
Comentario: Conto perfeito . Votado
Foto Perfil Marcia Fernan Comentado por: Marcia Fernan em: 17/03/2013
Comentario: ah então vcs já se acostumaram, né....
Foto Perfil Sol45ma Comentado por: Sol45ma em: 03/03/2013
Comentario: eu gosto mais de compartilhar para mim ser corno sem que ela saiba que o marido sabe nao funciona, gosto de compartilhar sem compartilhar nao minha opniao nao há casal.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
8353 Minha mulher gosta de grossura! Traição/Corno 20
8445 O primeiro chifre testemunhado (verídico) Traição/Corno 17
8555 Chifrei o Mar com um casal (verídico) Traição/Corno 11
8623 Traindo meu marido por dinheiro. Traição/Corno 16
8928 Minha mulher e o Ju Traição/Corno 16
10053 Amo mais minha mulher que me trai - 01 Traição/Corno 7
10094 Amo mais minha mulher que me trai - 2 Traição/Corno 10
10137 Camila - 1 - Traí meu marido com ele mesmo Traição/Corno 6
10786 Val. A mulher da minha vida não é só minha - 1 Traição/Corno 10
10791 Val. A mulher da minha vida não é só minha - 2 Traição/Corno 8
10816 Eu não imaginava que minha mulher… Traição/Corno 16
10840 Val. A mulher da minha vida não é só minha. - 3 Traição/Corno 7
10909 Foi você quem disse que queria ser corno… - 1º Traição/Corno 16
15583 Quantos machos ja comeram a sua mulher? Traição/Corno 10
15617 Quantos machos já comeram a sua mulher? (Final) Traição/Corno 9
19953 João Carlos: enfim corno! (Verídico) Traição/Corno 20
26653 Acácio, Lidiane e o amigo Carlos Traição/Corno 7
29164 Lembranças! (Relato, não conto.) Gays 28
30485 Eu, minha mulher e meu melhor amigo (verídico) Traição/Corno 36
30976 Karla confessando a traição para o marido Traição/Corno 11
30980 Minha mulher me traiu e me comeu (bi masculino) Traição/Corno 31
32378 Você não queria ser corno? - minha mulher falou. Traição/Corno 20
32512 O início de um triângulo amoroso (real) Lésbicas 16
33640 É hoje (10 de agosto) - real e com bi masculino Traição/Corno 15
34357 Nudismo, naturismo ou hedonismo? Fantasias 9
34857 Corno! – Ela respondeu e me fez sorrir satisfeito Traição/Corno 18
37333 Enfim ela deu para o vizinho! (real) Traição/Corno 22
37804 Eu não imaginava que viraria corno assim! Traição/Corno 37
39628 Minha iniciação - Meu primeiro macho Gays 17
39629 Minha iniciação - Meu segundo macho Gays 17
39731 O pintor Felipe e seu pincel Gays 18
39976 O pintor Felipe e seu pincel - com minha mulher Traição/Corno 24
40061 Os bem dotados que me perdoem. Fantasias 22
41345 Somos poliamor, sim! (Bi masculino) 1 de 4 Grupal e Orgias 8
41346 Somos poliamor, sim! (Bi masculino) 2 de 4 Grupal e Orgias 10
41348 Somos poliamor, sim! (Bi masculino) 3 de 4 Grupal e Orgias 6
41350 Somos poliamor, sim! (Bi masculino) 4 de 4 Grupal e Orgias 11
41507 Uma homenagem à Angel (chuva dourada) Heterosexual 11
41869 MINHA NAMORADA TEM UM AMANTE – 1º de 3 Traição/Corno 7
41870 MINHA NAMORADA TEM UM AMANTE – 2º de 3 Traição/Corno 6
41873 MINHA NAMORADA TEM UM AMANTE – 3º de 3 Traição/Corno 5
41915 Minha mulher é uma safada e eu não sabia Traição/Corno 20
42145 Microconto 01 – O que tem de mau em ser corno? Traição/Corno 15
42603 Ele era só hétero – capítulo 1 de 2 Gays 33
42604 Ele era só hétero – capítulo 2 de 2 Gays 39
42945 Por que elas mentem para nós? Traição/Corno 22
43354 Minha esposa, enfim, me fez corno – 1 de 2 Traição/Corno 12
43355 Minha esposa, enfim, me fez corno – 2 de 2 Traição/Corno 12
43678 Clayton, Elisa e eu – Eu e Elisa (hétero) Traição/Corno 12
43817 Mulher boa é a que te corneia! Traição/Corno 9
44541 Acabei dando para ele. Gays 23
44630 Ela me traiu com o primo dela. Traição/Corno 13
44934 Eu e minha mulher fomos comidos (parte 1 de ?) Grupal e Orgias 27
45169 Carmen, enfim, me fez corno. Traição/Corno 15
45852 Acho que minha sina é ser corno! Traição/Corno 16
45888 O Bob é feio de rosto, mas... que pica! Traição/Corno 24
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA