Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





Aventura no ônibus


Eu estava na rodoviária comprando passagem para retornar à minha cidade, quando uma morena deliciosa na fila do guichê me chamou atenção. Fiquei olhando para o seu corpo e sonhando com ela quando fui acordado de meu devaneio pela atendente:

- "É seu dia de sorte... última passagem!"

Segui feliz da vida para o fundo do ônibus quando, surpreso, descubro a morena acomodada na poltrona ao lado da minha. Laila era seu nome, e ela mostrou-se super simpática. Assim que o ônibus partiu já estávamos conversando animadamente. Conversamos praticamente sem parar até a primeira parada. Ao descermos para um lanche pude reparar melhor como ela era gostosa. Usava um vestido leve, que com a brisa marcava seu corpo perfeito.

Ela notou em determinado momento meus olhares mais compridos para suas coxas, e mordiscando seu lanche sorriu e perguntou o que eu estava olhando.

- “Estou reparando que seu namorado é um cara de muita sorte.” – arrisquei.

- “É mesmo? Por quê?” – ela respondeu me olhando fundo nos olhos.

- “Não é fácil encontrar uma garota tão bonita e que ainda saiba conversar.” – falei, mas sem tirar os olhos do seu decote.

- “Obrigada pelo elogio, Marcos, mas não tenho namorado. Eles dão muito trabalho...”, e voltando para o ônibus respondeu para mim, por cima do ombro:

- “Além disso, eu gosto de variar!”

Falou isso e deu uma piscadinha. Meu copo de suco quase caiu no balcão. Fiquei olhando ela se afastar incrédulo. Resolvi dar uma passada no banheiro para molhar o rosto e retomar a compostura, e fiquei me olhando no espelho e pensando o que eu deveria falar para tentar algo.

Não cheguei a conclusão nenhuma, mas ao voltar ao ônibus, descobri que ela chegara por mim. Rindo ela falou:

- “Nossa, como você demorou... Estava difícil para guardar?”

- “Como?”, perguntei sem entender a princípio.

- “Hehehehe... nada não, não repara. É uma brincadeira da época do colégio.”

- “Como é isso? Conta, eu não entendi.”

- “Não, deixa para lá...”, desconversou ela, com um jeitinho fingido de tímida.

Insisti até que ela, fingindo embaraço respondeu:

- “É que na época do colégio, cada vez que um garoto ia ao banheiro e demorava, nós cochichávamos que ele devia ter ‘um’ muito grande, então dava trabalho para guardar.”

Rimos bastante da estória dela, e a partir daí a conversa começou a ficar quente. Ela era extremamente maliciosa, e a cada comentário ou caso picante que ela falava meu pau crescia um pouco dentro da calça. Comecei a olhar para o decote dela e para suas coxas de modo ansioso. Novamente ela notou e perguntou se eu estava gostando do que via. Respondi que, apesar de estar vendo pouco, gostava muito.

- “O que mais você gostaria de ver?”

- “Na verdade, eu queria ver tudo...”, respondi, e dizendo isso coloquei a mão em sua perna, levantando seu vestido e deixando sua coxa roliça à mostra.

- “Nã-nã-não...” - brincou ela, “é toma-lá-dá-cá. O quê que eu ganho o direito de ver?”, perguntou, maliciosa.

- “O que você quiser... O que você gostaria de ver?”

- “Se ‘isso’ aqui é realmente grande...”, e dizendo isso colocou a mão sobre minha calça, apalpando meu pau duríssimo, a esta hora.

Ao fazer isso aproximou seu rosto do meu, e murmurando um ‘Noooosssssaaa...”, fechou seus olhos, me convidando para um beijo. Não precisou esperar... No escuro do ônibus, com a grande maioria dos passageiros já dormindo, nossas línguas passaram a se descobrir e se explorar. Minha mão deslizava pelo seu corpo moreno enquanto ela apertava meu pau, aumentando meu suplício.

Olhando em volta para ver se alguém próximo estava acordado (não estavam), ela abriu o zíper da minha calça, fazendo um barulho medonho, ao menos para mim. Preocupadíssimo que alguém pudesse se tocar do que estava acontecendo, quase não acreditei quando ela, com muita dificuldade, conseguiu livrar meu pau da cueca, e passou a segurá-lo com ambas as mãos, olhando para ele admirada.

- “Nossa, que delícia...”, falava enquanto manuseava-o, me deixando louco.

Eu já não agüentava mais...

- “Põe ele na boquinha, põe...” - Ela deu um tapa no meu braço, fingindo indignação:

- “Ah, é assim, é... Você sai por ai pedindo para as meninas chuparem seu pau no primeiro encontro?”

Nem acreditei no que ela falou, preocupado que estivesse ofendida de verdade. Mas ela ignorou minha babaquice e, após olhar novamente ao redor para certificar-se que todos dormiam, abaixou a cabeça sobre meu colo, pos a lingüinha para fora e ficou deslizando por ele, de cima abaixo. Após um tempo brincando assim, levantou o corpo e aproximando sua boca do meu ouvido, disse:

- “Seu pau é uma gostosura... Vou chupar você... Quero fazer você gozar”

Quase que ela nem precisa se dar ao trabalho!!! Ao ouvir isso me arrepiei inteiro. Ela abaixou-se e fez, sem conversa nenhuma, o melhor boquete que já experimentei na vida... Subia e descia sua boca com maestria sobre meu pau duro, enquanto eu passava a mão em sua bunda, tentando explorar sua calcinha já a mostra, uma vez que seu vestido estava levantado até a cintura. A posição no banco não nos favorecia muito, e meu medo de que a qualquer hora alguém iria acordar e ver aquela festa fazia meu estômago congelar. Ela porém, parecia não estar nem ai. Mamava meu cacete como se sua vida dependesse disso, alheia ao redor.

De repente, ela parou de me chupar (justo quando eu sentia que, logo, logo iria gozar), e levantando-se disse:

- “Mudei de idéia... Deixe eu passar”

Já no corredor, parou ao meu lado (que estava perplexo com a interrupção) e brincando com meu pau disse:

- “Esconde isso, menino... Mas não deixe ele diminuir de tamanho.”, e falando isso foi para o banheiro com sua bolsa.

Puto da vida fiquei lá, de pau duro, esperando ela voltar e tentando entender o que tinha dado na cabeça dela para, primeiro dizer que queria me fazer gozar, e depois sem mais nem menos, me largado lá, literalmente com o pau na mão.

Em poucos minutos ela retornou, olhando banco por banco se havia alguém acordado, reparei. Ao passar novamente na minha frente deslizei minha mão por baixo de seu vestido, e descobri o que ela foi fazer no banheiro... Ela havia voltado sem calcinha!!! Tentei puxá-la para que sentasse em meu colo, mas ela pulou para sua poltrona, ao lado da janela.

- “Deixe eu ver seu pau.”

Abri novamente a calça, mostrando meu pau duríssimo. Me deu um novo beijo, e fez algo que quase me deixou maluco: Ela abriu suas pernas e as apoiou nos encostos da frente. Levantando seu vestido, enfiou dois dedos em sua bocetinha, e tirando-os de lá meladinhos os deslizou pelo meu pau duro, dizendo:

-“‘Olha só como ela está molhadinha...”

Quase gozei na hora, com a certeza que atingiria o teto do ônibus!!! Seus dedos pareciam queimar meu pau. Fiquei estarrecido com a safadeza daquela menina. Queria possuí-la de todo jeito, de todas as maneiras. Ela colocou uma camisinha que trouxera do banheiro no meu pau, e decidida, sentou-se no meu colo encaixou meu pau em sua bocetinha. Desceu sobre ele, engolindo-o e arrancando um gemido abafado de nossas gargantas.

O problema, obviamente, era o local onde estávamos, junto mais de 30 pessoas. As que estavam por perto dormiam, de modo que fomos em frente. Obviamente ela não podia se mexer com liberdade ou desenvoltura, tornando a transa complicada, mas não por isso menos deliciosa. Seu vestido escondia nossos sexos, mas sua cavalgada, mesmo que contida, era pra lá de reveladora. Ela parecia se divertir com isso, vasculhando o ônibus à procura de movimentos.

Estávamos sentados agora na poltrona dela, e eu já perto de gozar, quando, de repente, vimos movimento ali da parte da frente do ônibus. Paramos por um momento, com ela saindo de cima de mim e sentando na poltrana do corredor. Rapidamente jogamos o cobertor de bordo em cima de mim, que estava com a calça já no tornozelo.

Uma mulher passou pelo corredor, em direção ao banheiro. A Laila segurava meu pau por baixo do cobertor, me punhetando. Eu ainda tentei soltar meu pau da mão dela, mas ela sorria e continuava me masturbando dizendo que não queira que ele abaixasse:

- “Fica quieto, senão você vai acordar o ônibus inteiro.”

- “Larga meu pau, sua louca... A tiazinha vai perceber.”

- “Não... Não estou nem ai para ela. Ela que arranje um pau só para ela, esse aqui e meu. .. E eu ainda não acabei de usá-lo.”, falou, rindo. Ato contínuo, pos a cabeça embaixo do cobertor e recomeçou a me chupar.

A atitude dela me deixava em polvorosa, mas também quase me matava de tesão. Ela era totalmente safada, mas de um jeito moleque, sensual, delicioso, enfim.

A tiazinha, finalmente acabou de usar o toalete, e voltou ao seu banco. Ao passar por nós, diminuiu o ritmo, notando a Laila com a cabeça sobre minha barriga, ainda meio encoberta pelo cobertor. Continuou andando para a frente, para alívio geral da nação, mas para mim ela viu algo mais do que devia. Em todo caso, felizmente ela não fez nenhum escarcéu, não armou barraco, não mandou acender as luzes e nos prenderem, nem chamou os bombeiros ou os escoteiros... Antes assim.

Não dava para simplesmente recomeçarmos a trepar, já que a Laila precisava ficar em cima de mim, e a tiazinha com certeza estaria ligada em qualquer movimento mais explícito da nossa parte. Mas o tesão era muito. Ficamos nos beijando, com a Laila mexendo no meu pau, e eu deslizando minha mão pela sua xoxota. Atravessamos o pequeno cobertor sobre nossos cobertos, e ela reclinando seu corpo abriu suas pernas para os meus dedos. Sem parar de beijá-la (até mesmo para sufocar seus gemidos), comecei a percorrer sua xoxota com meus dedos, primeiramente por fora, de leve... Em seguida introduzi primeiro um dedo nela, depois dois.

Ela rebolava prazerosamente na minha mão. Quando eu passei a movimentar meus dedos em círculos sobre o grelinho dela, em poucos momentos ela gozou, abafada pela minha boca colada à dela. Logo em seguida o ônibus saiu da estrada para uma parada em um dos postos com restaurante. Muitas pessoas permaneceram no ônibus, dormindo. Demos um tempinho para o povo descer e ir para a lanchonete, e quando o movimento dentro do ônibus parou, falei para ela:

- “Vamos, gata... Tenho um assunto pendente com você!”

-“Eu estava certa... você é um safado mesmo.”, disse ela, rindo, e me seguindo pelo ônibus.

Fomos direto para a área dos banheiros. Pelo adiantado da hora, e também pelo fato de felizmente só haver o nosso ônibus parado lá, embora enorme, o posto de parada estava quase vazio. Ficamos parados, de mãos dadas, olhando para o banheiro masculino e feminino. Ela teve a iniciativa:

- “Vamos no feminino. Acho que tem menos mulheres acordadas. E além disso, se me pegam no masculino, vão querer me currar ali.”, riu divertida.

Ela entrou na minha frente, olhou à procura de alguém, e me sinalizou para entrar. O banheiro era enorme, e muito bonito e bem arrumado, ao contrário dos existentes naqueles postos vagabundos ao longo da estrada. Fomos direto para a última cabine, de uma longa fila. Trancamos a porta, e já começamos a nos atracar. Ajoelhei no chão em frente a ela, e levantando o seu vestido pude, enfim, olhar de perto aquela bocetinha linda.

Era bem aparada, num corte retinho, uma faixa de pelinhos bem baixos, terminando em um par de lábios deliciosos. Levantei uma das pernas dela, apoiando no vaso, e cai de boca naquela fruta tentadora. Lambia e chupava a sua boceta, enfiava a língua o mais fundo que eu conseguia, enquanto ela segurava a minha cabeça entre as suas pernas, e rebolava.

Logo ela estava gemendo de novo... Pensei que se entrasse alguém, fatalmente iria bater na porta perguntando se ela estava passando mal. Resolvi diminuir o risco, e mudar as coisas. Fiquei de pé e abaixei minha calça, liberando meu cacete novamente. Ela deu mais uma chupada nele, deixando-o brilhando, e pegou uma outra camisinha na bolsa. Em seguida, virou-se de costas para mim, colocou novamente uma perna sobre o vaso, e segurou seu vestido levantado.

Sua bunda era um tesão, linda. Encostei meu cacete na entrada da sua boceta, e penetrei-a. Com o tesão que estávamos, foi colocar o pau dentro dela e começar a foder rapidamente, forte, sem tempo para romance. Era uma trepada sacana, de tesão mesmo. Meu corpo batia contra a bundinha dela, fazendo uma barulho característico para quem ouvisse. Mas não dava mais para nos controlar, agora era “morro abaixo”.

Eu olhava aquele corpo moreno, vestido levantado, aquela bunda gostosa, o inusitado da situação... Me senti comendo uma estrela do vídeo pornô. Mais uns poucos movimentos e anunciei que iria gozar. E justo nessa hora ouvimos gente entrando no banheiro.

Paramos de nos mexer, e ficamos atentos, ouvindo. Pareciam duas mulheres, conversando. Uma dizia:

- “Não é impressão minha coisa nenhuma... Eles estavam de safadeza lá no fundo do ônibus. Eu sei do que eu estou falando.”

- “Ai, Ester, deixa disso... e se eles estivessem se beijando, e daí? São jovens, deixa eles.”

- “Se beijando??? Eu SEI que eles estavam fazendo outras coisas. O rapaz estava até suando. E aquela menina tem cara de vagabunda.”

Dentro da cabine, sufocávamos o riso, enquanto a Laila ao meu lado segurava meu pau, me masturbando de leve. Do jeito mais discreto que conseguimos, eu a sentei no vaso e, com pau na altura da cabeça dela, comecei a foder a sua boca, com camisinha e tudo.

Lá fora continuava a discussão sobre a nossa falta de vergonha na cara, e se estávamos só namorando inocentemente ou re-escrevendo a definição para a palavra “pecado”. No reservado meu pau estava prestes a explodir, eu louco para voltar a comer a Laila, e as duas futriqueiras não arredavam pé do banheiro. Comecei a pensar em como faríamos para sair dali, e na possibilidade de perder o ônibus, se elas demorassem muito.

Felizmente, após o que pareceu uma eternidade as vozes diminuíram e elas foram embora. Na mesma hora mudamos de lugar, eu sentei no vaso e a Laila, de costas para mim, sentou no meu colo. Encaixei meu pau na sua xoxota e recomecei a comê-la, com movimentos fortes e rápidos. Segurava nos seus peitos deliciosos, já colocados para fora do vestido, alisava as suas coxas roliças. Que tesão era aquela morena. Não deu para segurar mais, e meu gozo represado já há muito tempo fluiu enfim para dentro dela, alagando a camisinha que eu usava. Eu senti como se pudesse apagar um incêndio em curso, tal a intensidade e quantidade dos meus jatos de leite dentro dela. Ela foi diminuindo o ritmo, mantendo ainda meu pau dentro da sua boceta., e começou a rebolar em cima de mim. Senti arrepios percorrerem meu corpo, enquanto recuperava o fôlego.

Aceleramos nossa arrumação, para não perdermos o ônibus. Ela saiu, viu se a barra estava limpa, e em seguida eu sai do banheiro. Na porta, saímos de mãos dadas, e ao chegarmos ao ônibus vimos que a tal “Ester” estava na janela, nos olhando. Com certeza deve ter-nos vistos sair juntos do banheiro. Pensei um pouco na situação e, puxando a Laila para mim, dei-lhe um demorado beijo na boca.

Estávamos bem em frente a janela da tiazinha... Movido por um impulso, provavelmente influenciado pelo comportamento arteiro da Laila, desci minha mão e brindei a tiazinha com uma super passada de mão na bunda dela, fazendo o vestido entrar entre as nádegas deliciosas dela.

Entramos rindo no ônibus, ignoramos a fofoqueira, e dormimos abraçados o resto da viagem.

Foto Perfil Cialis

Ficha do Conto

Escritor:
cialis

Nome do conto:
Aventura no ônibus

Codigo do conto:
9079

Categoria:
Heterosexual

Data do Envio:
25/02/2010

Quant.de Votos:
19

Quant.de Fotos:
3

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us
Foto 1 do Conto erotico: Aventura no ônibus

Foto 2 do Conto erotico: Aventura no ônibus

Foto 3 do Conto erotico: Aventura no ônibus




Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Ultimos Comentários
Comentado por: umagalinha em: 24/05/2014
Que delícia de conto.
Comentado por: senhor dos anel em: 18/01/2014
muito bom
Comentado por: peludinho em: 20/04/2013
cara esse é um dos poucos contos que eu li e realmente me masturbei com a riqueza de detalhes e me colocando no seu lugar,parabéns.
Comentado por: LoucaSexi em: 18/02/2013
Vc escreve super bem, já li alguns contos seus e fico exitada com todos, uma delícia.
Comentado por: leotevez em: 05/11/2012
parabéns seu conto é bastante como se diz tesudo.
Comentado por: grazynha._ em: 08/09/2012
nooooooossa qee deliicia seeu paau ! Quantos anos ?
Comentado por: Biia em: 09/08/2012
Seus contos são os melhores. Cheios de detalhes, mto bem escritos, mto exitantes... Parabéns.
Comentado por: loba deli em: 08/08/2012
MARAVILHOSO... Fui obrigada a me masturbar e gozei muito com este conto.. adoro este tipo de aventura!
Comentado por: marina souza em: 23/07/2011
Nossa que delícia!
Comentado por: ksadarna em: 21/05/2011
Ai que delicía me molhei toda agora vamos bater papo o msn,(sem compromisso)só quero gozar
Comentado por: jucris em: 12/03/2010
gostaria de ouvir este relato.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
9080 Fátima, minha vizinha Heterosexual 15
9082 A Supervisora de Vendas e a comida de rabo Heterosexual 2
9083 Azar (?!?) na noitada de poker Traição/Corno 22
9087 A gata da faculdade pagou a ajuda Grupal e Orgias 5
9100 A prima da vizinha Heterosexual 8
9127 Nas barbas do irmão dela Exibicionismo 1
9128 Se escondendo da chuva no drive-in Heterosexual 2
11333 Happy hour com a recepcionista Heterosexual 3
11334 Um píer, um barco e uma bunda Heterosexual 3
11352 Minha empregada, Paulinha - O início Heterosexual 1
11353 Minha empregada, Paulinha - Surpreendendo-a Grupal e Orgias 3
11415 Descobrindo a funcionária perfeita Heterosexual 2
11416 Arriscando tudo no feriado Traição/Corno 0
11616 As primas Fátima & Carla: Minhas vizinhas Grupal e Orgias 2
11617 Minha vizinha Fátima, depois da festa Heterosexual 3
11773 A viagem com as duas gatas – O Início Grupal e Orgias 1
12305 A secretária do meu dentista Heterosexual 2
18564 Trabalho de Faculdade - 1a parte Heterosexual 1
18893 Trabalho de faculdade - 2a parte Traição/Corno 4
18922 As nossas loiras Grupal e Orgias 3
18923 A viagem com as duas gatas - O Retorno Grupal e Orgias 1
19065 Viagem às cataratas: #1 - Descobrindo a carioca Heterosexual 2
19066 Viagem às cataratas: #2 - Espiando a alemã Heterosexual 2
19067 Viagem às cataratas: #3 - Surpresas no ônibus Heterosexual 2
19068 Viagem às cataratas: #4 - Domingo de festa Heterosexual 0
19648 Colega de trabalho - Cap. 1 – 1º Encontro Heterosexual 1
19673 Colega de trabalho - Cap. 2 – Dia de prova Heterosexual 2
46118 A Promotora de Vendas Heterosexual 8
47424 A Nova Recepcionista Heterosexual 2
47515 As duas promotoras de vendas - parte 1 Grupal e Orgias 3
47517 As duas promotoras de vendas - parte 2 Grupal e Orgias 3
50017 A Namoradinha Safada Grupal e Orgias 6
50793 Dra. Sheyla, e a minha melhor consulta Heterosexual 5
50906 A recepcionista nissei Heterosexual 15
50979 A Funcionária perfeita e a viagem para Recife Heterosexual 2
51103 As Ring Girls Grupal e Orgias 7
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA