Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





minha irmã caçula


Minha irmã caçula.

Quem já leu meus contos sabe que na minha adolescência quando ia à escola, com mais três colegas, parávamos no meio da trilha para urinar, eles aproveitavam, passavam a mão em minha bundinha e me enrabavam (leia Iniciação). Quando eu chegava em casa, todo contente com o rabo ardendo, encontrava muitas vezes minha irmã caçula, sozinha, com um recado de nossa mãe para que não saíssemos de casa por que ela tinha ido trabalhar com papai e só voltaria à tarde quase a noite. A nossa casa ficava bem retirada das demais, quase não tínhamos visinhos, a casa mais proxima era do meu amigo Rafael, minha irma mais velha, trabalhava em uma empresa e chegava bem à tardinha também, ficávamos sozinhos a tarde toda. Almoçava, fazia a lição escolar, enquanto minha irmã limpava a casa e depois por muitas vezes, sem ter com quem brincar, brincavamos de modelo, trocavamos de roupa, nos divertíamos com isso, eu vestia as roupas dela e ela vestia as minhas. Certo dia pediu que eu vestisse as suas roupas, falei que vestiria, ela mais do que depressa começou a se despir e eu também. Tirei tudo, fiquei peladinho em sua frente e vi que ela observou muito meu pau que já começava e ter pelos, quase o tocou com as mãos, ela também tirou toda a roupa, ficando só de calcinha, pedi que tirasse, queria colocá-la também, meio envergonhada tirou e pude observar uma xoxotinha maravilhosa, uma bundinha durinha e redondinha, parecia uma almofadinha, lisinha sem pelos ainda, mas, muito gostosa. Fiquei excitado e acho que foi ai que comecei a gostar de bucetas tambem, sem deixar de gostar de dar a bunda. Vesti as roupas dela fazendo graça mantendo-a peladinha e fui me aproximando ate que a empurrei e ela caiu de costas na cama, na hora abri bem suas pernas e meti a boca naquela linda xoxota. Ate aquela data eu só tinha chupado pau e aquele novo aroma de xana, deixava-me transtornado, mamava aquela bucetinha com força, engolia seu caldinho e procurava enterrar a língua o mais fundo possível. Ela esperneava, me mandava parar, me ameaçava dizendo que contaria tudo pra mamae, eu lambendo como doido, me deliciava, meu pau ficou duro, segurei suas pernas ate que começou a gostar e se acalmou, comecei a passar as mãos pelo corpo e pelas suposta teta que um dia iria aparecer. Percebi que ela começou a gostar e se entregou, gemia - ahhhhh vai, vai mais fundo, chupa gostoso, ahhhh que delicia ohhhhhhh, isso continuuuuua, ta gostoso, mete a lingua, mete, pedia para eu não parar, vou querer todo os dias isso, não fala nada para mamãe - prometi, seria segredo nosso. Quando ela já estava totalmente entregue, toda arreganhada, gemendo e abraçando-me com as pernas, pedindo mais, eu, com o pinto duro, tentei enfia-lo na sua bucetinha, mas, ela não deixou de jeito nenhum, falando que tinha que permanecer virgem para o casamento (frescura que existia naquele tempo). Levei ate sua boca e a fiz chupar ate pegar o gosto por pica, que foi rapidinho, então, só restava às brincadeiras e isso fazíamos quase todos os dias. Os dias foram passando e nossas aventuras aumentando, perdemos o pudor, ficávamos pelados dentro de casa o tempo todo, ela gostava de ser chupada, de brincar e chupar o meu pau, comecei a gozar em sua boca, ela no inicio tentou cuspir,segurei o pau em sua boca, acabou bebendo uma boa quantidade e gostou do salgadinho, depois, pedia o leitinho e bebia. Comecei a lhe dar novos prazeres, que eu já conhecia e gostava, comecei a lamber seu cuzinho, fazendo ela se retorcer toda na ponta da minha língua, ficou viciada nisso, era só eu chegar ela queria lingua na xana e na bunda, depois de alguns dias comecei a acariciar-lhe o cuzinho com meu dedo e percebi que ela tambem gostou, eu também gostava. Passei a lubrifica-la com manteiga e seu cuzinho já engolia meu dedinho sem nenhuma resistencia, enfiava rodopiava ela rebolava, gostava, piscava o cuzinho sem parar, logo comecei a cutucar-lhe com dois dedos e ela não ofereceu nenhuma reação, os recebeu amigavelmente, enquanto eu me deliciava chupando-lhe a bucetinha. Ela também gostava de me dedilhar e atolava seus dedinhos no meu rabo e rodava-os fazendo meu cuzinho ficar mais excitado e dolorido ainda. Depois de alguns dias recebendo dois dedinhos em seu cuzinho sem reclamar, resolvi comer aquele belo cuzinho, e fui mamando na xana e dedilhando o rabo dela, deixando-a com o cuzinho alargado. Deixei-a de bruços na cama, passei mais manteiga no pau e nos dedos tornei e enfia-los no seu cuzinho rodopiei um pouco e rapidinho tirei os dedos e coloquei o pau na porta e empurrei, a cabeça passou, ela quis espernear, segurei-a e disse agora é tarde já esta dentro, calma que o resto vai devagarzinho, relaxa, não vai doer, deitei-me sobre ela e fiquei parado por uns instantes, beijando-lhe a nuca e mordendo seu pescoçinho e continuei falando com ela e fazendo pressão- voce vai gostar e fui empurrando, ela gemia não sei se de dor ou de prazer, se mexia, e com isso facilitava mais a entrada, e foi engolindo, meu pau deslizava e sumiu dentro daquele cuzinho. Tudo enterrado, meu saco expremido naquela bundinha redondinha, fiquei estático em cima dela, ate ela se recompor, logo começou a rebolar na vara, iniciei o movimento de vai e vem bem devagar e fui aumentando à medida que ela mesmo pedia,- voce é safado, mas ta gostoso, uhhhhh enfia tudo no meu cuzinho, ahhhh que delicia , soca soca, vai fundo mano, que gostoso, aaaiiii uhhhhhh vou sempre dar para você, vou gozar, vou gozar uhhhhh, goooozzzzeiiiii-. Aquele cuzinho apertado e os movimentos de vai e vem cada vez mais acelerado fez com que eu derramasse um mar de porra no seu rabinho, cai por cima dela e esperei o pau sair por si só. Foi a maior sujeira, meu pau saiu sujo e a bunda dela ficou toda melada de porra com merda, que escorria pelas pernas, tivemos que tomar banho. Aprendemos, a partir daquele dia antes de transar iamos ao banheiro, faziamos uma lavagem na bunda e depois ficavamos brincando. Muitas vezes ela almoçou sentada em meu colo agasalhando a vara no seu rabinho, mas, na buceta, nada, só deixava e queria a língua. Ficamos viciados nisso e por muito tempo isso foi nossa diversão, todas as tardes. Ela começou a definir seu corpo de mulher, surgiram os seios, sua buceta ficou cabeluda, sua bunda mais arredondada e firme, uma tesão de menina moça. Adorávamos quando mamãe saia e tínhamos que ficar sozinhos à tarde, muitas vezes quando eu chegava, ela já estava pronta esperando por mim, nua e deitada na minha cama no meu quarto, nem esperava eu almoçar. Quando mamãe ficava em casa ela ficava chata e irritada, acho que sentia falta, respondia mal a mamãe, que não sabia o que estava se passando para tanta raiva. Muitas noites acordei com ela esfregando sua bucetinha em minha cara para eu chupá-la e depois dava uma boa chupada no meu pau e voltava ao seu quarto. Nunca contei a ela que meus colegas me enrabavam e que eu gostava de sentir suas varas, mas ela sempre me falou que eu tinha um cu grande com lábios grossos, eu sabia por que, e gostava quando ela socava seus dedinhos. Retorcia-me todo, e pedia mais, ela me achava muito guloso na bunda e chegou ate a falar em enfiar um pepino na minha bunda. Crescemos fazendo isso, fui o primeiro a chupar-lhe as tetas quando ainda nem bico tinha eu já mamava e ela bebeu muito leitinho meu, mas nunca deixou eu enfiar-lhe o pau na buça, mas no rabo ela ficou viciada. Todos os dias e em todos os lugares da casa ela fazia questão de dar a bunda e brincava falando que estávamos batizando o local. Ficávamos pelados, à vontade, brincávamos em todos os lugares da casa, nem trancava-mos as portas, afinal só estávamos nós ali, até que um dia estavamos na sala, ela sentada no meu colo com o pau atolado no rabo, eu segurando seus peitos, ela resolveu cavalgar e quando começou a fazer o upa-upa a porta abre e mamãe entrou feito um furacão e flagrou a cena. Mais isso fica para o proximo conto...



Ficha do Conto

Escritor:
deuarosa

Nome do conto:
minha irmã caçula

Codigo do conto:
9247

Categoria:
Incesto

Data do Envio:
27/03/2010

Quant.de Votos:
6

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
536 Iniciação Gays 19
537 Meu amigo Rafael Gays 6
538 O substituto do Rafa Gays 7
539 Pai do Rafael Gays 6
546 Adolescente Gays 33
547 Voltando a ser feliz Gays 5
9020 Voltando a ser feliz 2 Gays 4
9021 Reparos no forninho Gays 1
9248 Confirmação Incesto 3
9249 O flagra de mamae Incesto 16
9878 A caçulinha Gays 1
9879 O flagra da mamae Gays 1
9880 Confirmação Gays 1
9881 Mutirão no sitio - Continuação Gays 4
9882 1ª viagem - 1ª noite Gays 4
9883 Saida da oficina Gays 3
9884 Na oficina Gays 2
9886 Saida da oficina Gays 0
9887 O sonho Gays 0
9888 A revisão Gays 3
9889 No motel Gays 2
9890 Novo emprego Gays 1
9891 Iniciado Gays 3
9892 Passei apertado Gays 4
9893 Esperando para carregar Gays 6
9895 Nosso grupo Gays 2
9902 Mutirão no sitio Gays 7
9921 Extras no domingo Gays 0
9992 Substituindo o titular Gays 0
9993 De ferias na praia Gays 1
9994 De ferias na praia - Cont. Gays 0
9995 NA PRAIA uma semana Gays 0
9996 Praia a três Gays 1
9998 Aconteceu por acaso Gays 0
9999 Aconteceu de novo Gays 0
10000 Mais uma vez Gays 0
10001 Viagem doida Gays 2
10002 Vinte dias depois Gays 2
10003 Assim foi o começo Gays 2
10004 Pesqueiro sem peixe Gays 4
10005 Robson do pesqueiro Gays 3
10006 Olha o que aconteceu Gays 2
10007 Olha o que aconteceu 2 Gays 2
10008 Carro quebrado Gays 2
10009 1ª viagem - 2ª noite na fazenda Gays 3
10010 1ª viagem - 4ª noite No posto Gays 5
10011 Novo emprego Gays 1
10012 Filha da visinha. Heterosexual 2
10013 A filha da visinha - cont. Traição/Corno 1
10014 Continuando o trabalho Traição/Corno 1
10015 Aventuras de Rosa Heterosexual 1
10016 Rita, Ritinha Heterosexual 3
10067 O sócio Gays 0
10091 Primeiro domingo com os socios Gays 0
10092 Depois da Confirmação Gays 0
10093 Na casa do Augusto Gays 1
10111 Assistencia tecnica Gays 2
10112 semana legal Gays 1
10124 A volta do Juca Gays 0
10136 Encarando os fatos Gays 0
10146 1ª viagem-3ª noite Gays 3
10255 Quebrando o combinado Gays 0
10256 amigo Barros Gays 0
10266 Futuro cunhado Gays 3
10267 Futuro cunhado 2 Gays 4
10269 Quebrando o combinado 2 Gays 1
10274 Barros e o Padre Gays 1
10357 O retorno Gays 0
10390 Outra viagem do Nosso grupo Gays 3
10422 Final de expediente Gays 1
10423 Cobrindo as ferias Gays 1
10452 Novo professor Gays 2
10486 A primeira vez com o lolão Gays 2
10487 Acompanhando Lourival Gays 2
10564 Futuro cunhado 3 Gays 2
10589 Por causa do lolão Gays 3
10619 A historia do Lori Gays 1
10819 Papai e eu no curral Gays 14
10841 Novo professor parte 2 Gays 0
10842 No curral a revelação Gays 4
10843 No curral A provocação Gays 2
10943 A volta do Lori e da escola Gays 0
10945 O buraco da minhoca Gays 3
11225 Feliz de novo Gays 1
11226 Feriadão prolongado Gays 1
11234 Segunda viagem com Lori Gays 1
11249 Quase mecânico Gays 0
11271 Encarando os fatos Gays 1
11272 Pega, pega... Gays 3
11364 Feriadão prolongado Gays 1
11365 Idade crítica Gays 4
11689 O segundo patrão Gays 1
11711 Aconteceu fazer o que Gays 3
11712 Aconteceu na biblioteca Gays 2
11787 Na rolateca Gays 1
11829 O Pequeno, grande. Gays 2
11830 A volta do Pequeno, grande Gays 1
12163 No escritório do Pequeno. Gays 1
12164 O caseiro do Pequeno Gays 2
12165 Fazendo um dique Gays 1
12166 A falta do caseiro Gays 3
12173 Certa vez... Gays 2
12251 O Susto Gays 2
12252 Por causa da mala Gays 3
12735 Virei caseiro Gays 3
12825 Bairro novo Gays 3
12826 MAMAE TEVE QUE VIAJAR Gays 7
13078 No quartinho Gays 6
13079 Nossas andanças Gays 2
14209 Outro fim de semana Gays 2
14240 A terrível primeira vez Gays 3
14251 Tá nervoso vai pescar. Gays 2
14408 Viagem com titio Gays 3
17498 A volta do pedreiro Gays 2
17611 Mais um dia... Gays 1
18070 A reforma do banheiro Gays 8
19475 Periodo de Coroinha Gays 4
19599 Fora da rotina Gays 4
35485 O enorme do Pqueno Gays 4
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA