Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





MINHA MULHER E NOSSO CASEIRO.


Sou casado há 10 anos, tenho 45 anos e minha mulher 35. Minha mulher é amazonense, uma bela morena clara de corpo delicioso e boca carnuda que ela afirma não gostar achando-a muito exagerada, na verdade sua boca é maravilhosa e macia, tenho certeza que todo homem sonha com lábios como os delas envolvendo sua vara. Minha mulher tem seios médios, coxas grossas, que é característica da mulher amazonense e uma bunda deliciosa, sem dívida a melhor e mais atraente parte do seu corpo, empinada, redonda de média para grande. Quando usa roupa colada as curvas de sua bunda ficam irresistíveis, vestida assim ela chama muito atenção.

Moramos em Manaus e temos um sitio fora da cidade a 50 km. Toma conta de nosso sitio um caseiro de meia idade (entre 30 e 40 anos), mas ainda em pleno vigor físico. Sempre notei os olhares que ele lançava quando minha mulher ficava a tomar sol na piscina, sempre dava um jeito de realizar alguma tarefa por perto apenas para apreciá-la e comê-la com os olhos. Cheguei a notar a o volume em suas calças que a visão de minha mulher lhe causava. Não pude deixar de me sentir também excitado com aquilo, saber que minha mulher lhe despertava um desejo com aquele poder, mexeu fundo com minha imaginação. Somos um casal aberto a buscar outras formas de prazer por isso mesmo fiquei a vontade para chamar a atenção de Lia (nome fictício) para o que estava acontecendo. Claro que aquilo também lhe causava excitação, toda mulher adora se sentir desejada e definitivamente aquele caboclo de meia idade e pele curtida pelo sol com toda sua rudeza mexia com seus instintos femininos. Não demorou muito e nos pegamos elaborando um plano pra que ela seduzisse o caseiro. No fim de semana que passou resolvemos colocar nosso plano em prática. Fomos para o sítio e planejamos que eu iria à cidade mais próxima e os deixaria sozinhos por um tempo suficiente pra ela o seduzir.

Chegamos ao sitio por volta de oito da noite, assim que chegamos ela foi tomar um banho e eu fiquei a conversa com o caseiro sobre as tarefas da semana. Disse que também ia tomar um banho e queria que ele voltasse pra tomarmos umas cervejas, já que era sexta à noite e para quebrar o gelo quis saber se ele não iria à cidade. Ele costumava ir lá, pegar as putas e eu sabia que ele não ia há algum tempo.

Quando cheguei ao quarto, lia tinha acabado de sair do banho, colocou uma calcinha fio dental preta, um vestidinho curto, e uma sandália de salto. Estava maravilhosa, eu disse que era impossível alguém resistir a ela.

Fomos para a varanda tomar cervejas, ela fez alguns aperitivos e logo depois nosso caseiro, vamos chamá-lo de Pedro chegou timidamente. Ocupou uma cadeira de balanço e começamos a beber. Lia aproveitava pra se exibir pra ele, ele começo a olhar para as pernas e seios dela, comia cada pedaço de seu com os olhos e fazia tudo com discrição para não chamar minha atenção. Inventei uma desculpa e sai para cozinha deixando os dois sozinhos na varanda, ela puxou conversa e ele sempre muito respeitosamente a tratá-la como D. Lia e a min como o “doutorzinho”. A medida que ele bebia ia se soltando mais e perdendo um pouco da timidez, Lia perguntou se ele se sentia muito só, ali no sitio sem uma companhia feminina, Seu Pedro respondeu que sim, mas que já estava acostumado. Lia tentava ainda mais chamar sua atenção cruzando as pernas pra lhe mostrar melhor suas lindas coxas ou os seios nus quando lhe enchia o copo de cerveja. Para min tudo estava muito excitante, ficar ali a espreitar observando minha mulher seduzir seu Pedro me deixava com muito tesão. Já dava pra nota a excitação do seu Pedro a julgar pelo volume de sua bermuda. Lia ainda não se sentia a vontade pra consumar nosso plano, então disse que estava cansada, eu já me encontrava com os dois. Disse que queria dormir, mas disse pra ele também ouvir que me esperava do jeito que eu gosto na cama. Nesse momento seu Pedro ficou vermelho de vergonha ou de excitação não sei ao certo. Fiquei em sua companhia ainda por uns cinco minutos, até que disse que ia pra cama, senão não sabia o que Lia era capaz de fazer sozinha. Naquela noite motivada pelo clima anterior, nossa transa foi muito gostosa. Ela dizia que queria dar pro caseiro, que eu seria seu corno e me perguntava se eu vi o quanto ele estava com tesão ao me ver daquele modo e dizia que queria aquela pica dentro dela e gozou gritando que eu seria seu corno manso.

Sábado acordei cedo, fiz um café e sai pra varanda. Seu Pedro já estava de pé e veio me cumprimentar... Perguntou se podia limpar a piscina depois das 8 horas, pois ainda tinha que terminar outras tarefas, respondi que não tinha problema. Fui acordar Lia e dizer para ela ir para a piscina as 8, Seu Pedro iria limpa-la e seria a chance que nos queríamos, conforme combinado eu iria sair e deixar os dois sozinhos. Só de imaginar o que aconteceria durante minha ausência fiquei excitado.

Pude ver como ele ficou quando a viu de fio dental de bruços, a bunda deliciosa quase toda nua, ele não conseguia deixar olhar, e ela aproveitava pra se exibir cada vez mais, de óculos escuros ele não percebia que o olhar dela alcançava seu olhar de desejo. Toda essa tensão demorou umas duas horas enquanto ela estava na piscina. Ao meio dia almoçamos e fui à casa dele dizer que ia a cidade pois tinha esquecido de trazer uma coisas de casa. Disse que Lia não iria e lhe pedi que fizesse companhia a ela, pois não queria ir comigo. Demorei tempo suficiente e em todo trajeto imaginei o que poderia estar rolando no sitio. Daqui em diante Lia lhes contará o resto que fiquei sabendo depois por ela.

“Assim que meu marido saiu coloquei um vestidinho solto de alçinha e me dirigi a casa de Seu Pedro com o objetivo de chamá-lo pra me fazer companhia. Bati na porta e ele veio me atender. Perguntei-lhe se podia entrar. Ele muito tímido respondeu:

- Dona patroa minha casa é muito desarrumada, melhor a senhora não entrar não.

Eu estava tão excitada que queria entra e ver a cama dele, onde ele dormia. Ignorei sua recusa entrei e fiquei jogando conversa fora com ele enquanto observava tudo, inclusive sua reação. Quis saber se ele sentia saudades da ex-mulher e coisas assim. Investigava mas não me surpreendia que tivesse que ousar mais até aquele homem simples entender minhas reais intenções. Fui até seu quarto, ele continuou tentando me convencer a não entrar, devia mesmo ter vergonha da bagunça que a casa estivesse embora estivesse limpa. Fiquei de costa pra ele, não podia vê-lo mais podia sentir seu olhar para minha bunda, a mistura de desejo e respeito que o impedia de se aproximar de min. Perguntei-lhe se ele queria ganhar um presente, algo para nunca mais esquecer. Ele respondeu que não era preciso nada, que o “doutorzinho” já lhe dava tudo que ele queria ali no sitio e o emprego lhe era suficiente. Nesse momento e ainda de costa deixei o vestido cair ficando apenas de calcinha e lhe dizendo:

- Olha o que quero lhe dar!

Seu Pedro quase teve um troço

- Dona, por favor, não faça isso não eu tenho muito respeito pela senhora e o doutorzinho.

Fui caminhando para janela do seu quarto, a janela era baixa, coloquei minhas mãos no parapeito e empinei o rabo na direção dele.

- Meu marido não me dar carinho como eu quero, e quero sentir sua pica dentro de min agora, encosta ela no meu rabo.

Queria sentir aquele pau quente ainda guardado em sua bermuda, mas que já se mostrava vivo e pulsante.

- Quanto ao meu marido, não se preocupe. Ele não lhe fará nenhum mal e ficará contente em saber que fui comida por um macho de verdade como o senhor.

Era tudo que Seu Pedro precisava ouvir pra passar da timidez ao desejo.

- Dona se é assim, me desculpe mas a senhora vai ser comida sim, e nunca vai esquecer.

Ele veio por trás me chupando a nuca e percorreu até meus pés os beijando, rasgou minha calcinha com a indelicadeza que esperava e merecia, sem pedir licença meteu a língua meu cuzinho.

- Vou mostrar pra senhora a senhora como se come uma puta no cio. Disse me levando para a cama dele. Sua língua quente e gostosa continuava a passear meu corpo, áspera, com força. Não era delicado, mas era grosso, era macho. Macho de verdade comendo uma puta como ele mesmo disse. Tudo que ele desejava era saciar o tesão acumulado de tanto me observar e comer com olhos.

Logo ele disse que queria ser chupado por minha boca gostosa, e quase me ordenou que mamasse o pau dele. Eu louca de desejo e tesão pus a boca naquele pau lindo e grosso que tinha uma cabeça que parecia um cogumelo, chupei gostoso como se fosse o ultimo pau do mundo e como se apenas existisse aquele. Mandou que eu parasse de chupá-lo, me colocou de quatro e foi enterrando seu pau por minha boceta adentro, nunca havia sentido algo tão gostoso como aquele pau a preencher cada centímetro da minha xana, parecia espaço para mais nada, só seu pau. Ele bombava sem parar, e dizia que eu era o melhor presente da vida dele. Gozei duas vezes com ele dentro de min. Quis saber se ele não ia gozar. Disse que iria, mas queria gozar como nunca tinha gozado antes. Tirou o pau da minha boceta e mandou que eu o chupasse.

- Quero gozar no rosto da senhora.

Ao ouvi-lo fiquei louca de tesão, nesse momento sua atitude foi mudando.

- Se é assim que a senhora e o doutorzinho querem então vou ser seu macho, quero que a senhora conte tudo a ele e diga que vou querer comer a senhora hoje antes de dormir na frente dele.

Disse e foi esporrando em meu rosto toda sua porra, uma porra tão abundante que melou todo meu rosto e cabelos, levei um banho de porra.

Enquanto ele descansava o corpo extenuado, voltei pra casa. Tomei um banho. Já era fim de tarde e fui esperar meu marido ainda sentindo a boceta levemente dolorosa pelas estocadas da pica do Seu Pedro. Depois ele apareceu na varanda para dizer que ia de Van até a comunidade fazer algo e que estaria de lá pelas sete da noite.”

Voltei pra casa por volta das 18 horas, estava tudo em silencio, fui até nosso quarto e Lia se encontrava dormindo só de camiseta e sem calcinha. Contemplei por um instante aquele delicioso corpo e tentei imaginar o que tinha acontecido nas últimas horas. Lhe acordei com um beijo e ela foi logo me dizendo:

- Você é o corno mais maravilhoso do mundo, valeu a pena esperar tanto. Nunca fui comida tão gostoso por um macho de verdade meu amor. Aquela timidez dele, a rudeza, ele sabe deixar uma mulher louca de prazer, cheguei a chorar na pica dele amor de tanto gozar.

Fiquei excitado ao ouvir suas palavras pedi pra ela me contar tudo. Ela contou-me exatamente tudo que aconteceu inclusive que ele queria comer ela de novo hoje pra min ver.

Comemos alguma coisa e ela estava muito ansiosa e excitada de novo. Tomou banho, passou óleo no corpo, preparou-se inteira pra receber aquele macho dentro dela novamente. Enquanto se vestia eu podia sentir o desejo exalando de seu corpo, aquela fêmea, a minha fêmea ansiava por ser novamente possuída pelo caseiro. Observei que ela colocará apenas o vestido, disse que queria ficar sem calcinhas por baixo e de sandálias. Estávamos na varanda do sitio, cada um em uma rede quando Seu Pedro retornou da cidade. Imediatamente foi a nosso encontro e com a voz tímida perguntou-me se Lia havia contado-me o ocorrido. Disse-lhe que sim e que ele podia ficar tranqüilo pois estasva tud certo. Nesse momento Seu Pedro mudou de comportamento, abandonou a timidez e disse:

- O Doutor tem uma mulher muito gostosa, mas ela não é mulher de um homem só. Ela gosta de Pica doutorzinho, e parece que a sua não estar sendo tudo que ela quer.

Já sentado em das cadeiras da varanda, disse que eu ia vê-la gozar na pica de um macho de verdade hoje, ela vai querer sempre vir pro sitio pra ser comida por min. Eu já estava de pau duro só de ouvi-lo falar aquelas palavras. Ordenou que Lia fosse até ele e lhe chupasse. Lia se ajoelhou, Se Pedro retirou sua pica pra fora e lia começou a chupar seu pau. Era incrível ver aquela boca linda engolindo aquela vara maior que a minha. Lia lhe chupou por uns 15 minutos. Ele apenas me olhava e dizia saber que eu gostava de ver aquilo. Seu Pedro mandou que lia fosse ate uma das janelas baixa da varanda e ficasse de costas e de rabo empinado, minha mulher lhe obedeceu imediatamente. Ele foi pra cima dela chupando sua buceta por trás, levantou seu vestido e disse que ela tinha uma linda boceta e que adorava aquele cú rosadinho. Lia implorou para que ele não lhe comesse o cú.

- Seu pau tem uma cabeça muito grande não vou agüentar, por favor coma minha boceta que esta pingando de desejo por sua vara.

Seu Pedro disse:

- Calma dona! Quando um macho quer comer um cuzinho ele não pede, ele come. Cuzinho de puta ele come e cedo que pra ele se acostumar com a pica

Virou-se pra e disse:

- Olha doutorzinho corno como ela tá louca pra eu meter no cuzinho dela, isso é só charminho.

Mandou que eu passasse gel no cuzinho o que fiz como ele mandou

- Te amo meu corninho, tu obedece ele direitinho não é corno. Disse lia.

Ele disse que ia meter um pouquinho e devagar pra ela ir se acostumando com pau dele no cuzinho. Começou a meter o pau naquele cuzinho rosado, Lia soltou um grito forte e pediu pra que eu segurasse sua mão.

- Segura minha mão amor ele está me arrombando de amor.

Fui até ela, segurei suas mãos, ela apertava forte quando seu Pedro em movimentos lento enfiava seu pau com aquela cabeça enorme em no seu cuzinho. Ele falou que ia parar um pouco pra que ela se acostumasse. Eu via lágrimas a lhe escorrer dos olhos a cada tentativa daquele pau em tentar violar seu buraquinho, que não era mais virgem, mas que nunca tinha sido metido por uma vara de cabeça tão grande. Ele começou a lhe passar o dedinho no grelo e ela foi ficando excitada, me dizia que estava doendo, mas que desejava aquela pica toda bem dentro dela. Não pensava em parar. Seu Pedro mandou que ela se movimentasse um pouco pra frente e para trás a fim de testar se sentia dor. Ela fez e disse que não tinha mais dor, já estava gostoso. Ele disse que Lia agora iria controlar a entrada do pau no cuzinho pra controlar a dor. Lia ficou louca começou a rebolar naquele e logo ela estava com tudo dentro dela. Lia pediu pra que olhasse e conferisse se estava tudo dentro, fiz aquilo com muito prazer. Pedro disse que sabia que ela ia gostar. Quando lhe disse que estava tudo dentro, Lia pediu pra que Seu Pedro se movimentasse, ela queria sentir que tava tudo dentro mesmo.Foi quando seu Pedro começou a bombar devagarzinho o cú de Lia enquanto brincava com seu grelinho avantajado, foi aumentando a velocidade e Lia me dizendo que estava muito gostoso e queria sempre aquele pau chorava e me implorava pra deixar se,pré seu lhe comer, me pedia e me fazia jurar que ia deixar sempre que ela quisesse. Jurei que ela teria sempre aquele pau no cú. Agora Doutorzinho vai ver sua linda esposinha gozar pelo cú, vou encher esse cú com minha porra. Lia gritava alto, gemia, gozava e me chamava de corno maravilhoso, que tinha encontrado o macho completo que lhe satisfazia, queria estar ali todo fim pra ser comida por aquele macho. Logo os dois estavam a gozar e eu me acabando em uma pulheta deliciosa. A visão de minha mulher que em publico parecia a mais santa e fiel das esposas, e que se revelava uma puta das mais vagabunda com a pica daquele homem rústico dentro dela, me deixava louco. A mistura de ciúmes e excitação fazia minha cabeça girar e eu não conseguia deixar de pensar que sim, era seu corno e queria ser sempre.

No dia seguinte, domingo já eram quase 11 horas da manhã, Seu Pedro já arrumado tudo e veio se despedir da gente. Me dei conta que daquele modo sem está comendo Lia ele voltava a ser tímido e encabulado, quase não nos olhava nos olhos. Perguntou-me como seria agora e se gele ainda continuava sendo nosso caseiro, queria saber de Lia ainda queria ele no sítio ou se ia despedi-lo.Lia disse que agora ele era mais que um simples caseiro da gente, disse isso com um sorriso doce pra ele, só queria que ele permanecesse discreto e que continuasse a comé-la daquele jeito, Mas ainda queria uma despedida...

Disse que queria ir pra casa com o gosto da porra dele na boca, ajoelhou-se tomou o pau do seu Pedro e começou a chupá-lo. O pau cresceu imediatamente, eu conseguia tirar os olhos daquele pau. Foi quando Lia me convidou a prová-lo também. Pus-me de joelhos ao lado dela e também chupei aquele pau duro. Seu Pedro, mandou chupar e sentir o gosto do pau que comeu a boceta e cuzinho da minha esposa. Chupamos os dois até que ele gozasse me chamando de corno e espalhando sua porra em nossos rostos.

A aventura que você acabou de ler me foi contada por um amigo que aprecia ser corno como eu e queria ver sua estoria relatada por min. Espero que tenham gostado.

Se vc tem alguma aventura excitante que gostaria de vê-la publicada aqui, mande-me detalhes da aventura e deixa minha imaginação escrever o resto pra vc.

Foto Perfil assisoliveira

Ficha do Conto

Escritor:
assisoliveira

Nome do conto:
MINHA MULHER E NOSSO CASEIRO.

Codigo do conto:
9602

Categoria:
Traição/Corno

Data do Envio:
18/05/2010

Quant.de Votos:
8

Quant.de Fotos:
5

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us
Foto 1 do Conto erotico: MINHA MULHER E NOSSO CASEIRO.

Foto 2 do Conto erotico: MINHA MULHER E NOSSO CASEIRO.

Foto 3 do Conto erotico: MINHA MULHER E NOSSO CASEIRO.

Foto 4 do Conto erotico: MINHA MULHER E NOSSO CASEIRO.

Foto 5 do Conto erotico: MINHA MULHER E NOSSO CASEIRO.




Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Ultimos Comentários
Comentado por: betto2373 em: 22/08/2014
meu amigo vc tem uma mulher muito gostosa adoraria de chupar a buceta dela transar com ela na tua frente fazer tudo que vc quizer meu skyp e betton silva um beijo na buceta dela
Comentado por: Catlinhos.BS em: 16/04/2012
adoro comer esposa de corno menaso
Comentado por: Paulão 1 em: 26/03/2012
Cidadão de sorte, essa posição é simlesmente maravilhosa, leva a loucura
Comentado por: linguado69 em: 06/11/2010
GOSTEI DESTE CONTO PENA QUE NÃO É SEU POIS GOSTARIA DE VE ESTA PUTINHA MESMO QUE POR FOTOS LEVANDO ESTA ENRABADA GOSTOSA PELO CASEIRO
Comentado por: LIAMARA em: 17/06/2010
Hummm, gostei e votei, aqueles que gostarem devem colocar seus votos pois isto incentive o autor, no meu caso autora. Gosto de todos os contes deste autor, continue escrevendo estas delicias de contos. Bjs a todos
Comentado por: MrConto em: 18/05/2010
Ótimo conto...bem escrito e bem safado!

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
9319 Dei minha mulher! Traição/Corno 13
9320 Quando dei minha mulhe Parte2 Traição/Corno 8
9331 A visita e minha mulher Traição/Corno 14
9332 Desejo secreto Fantasias 4
9385 MINHA PUTINHA PORTUGUESA Traição/Corno 6
9390 MINHA PUTINHA PORTUGUESA II Traição/Corno 6
9392 O GOZO SUBLIME Masturbação 5
9404 O GOZO SUBLIME II Lésbicas 13
9427 MEU CORNINHO FIEL Traição/Corno 4
9428 PRIMEIRA VEZ NO SWING Traição/Corno 2
9429 A MINHA SOBRINHA Incesto 17
9430 MINHA MULHER E A SOBRINHA Incesto 4
9508 O FLAGRANTE DE TRAIÇÃO E DESEJO Traição/Corno 4
9516 FLAGRANTE DE TRAIÇÃO E DESEJO II Traição/Corno 7
9603 A TATUAGEM 1 Traição/Corno 7
9604 A TATUAGEM 2 Traição/Corno 3
9605 UMA DEPILAÇÃO ATREVIDA Traição/Corno 7
9630 DE FILHO PRA PAI I Traição/Corno 8
9634 DE FILHO PRA PAI II Traição/Corno 3
9638 DE FILHO PRA PAI III Traição/Corno 3
9655 UM PUTINHA HOLANDESA Traição/Corno 3
9678 DE FILHO PRA PAI, UM NOVO JOGADOR Lésbicas 4
9687 UM CASAL INICIANTE Grupal e Orgias 7
9729 PURO EXIBICIONISMO Fetiches 3
9749 ENCONTRO AS ESCURAS Grupal e Orgias 8
9776 AS FANTASIAS DE VANI Heterosexual 6
9794 AS FANTASIAS DE VANI 2 Heterosexual 2
9814 AS FANTASIAS DE VANI 3 Incesto 5
9894 PROIBIDO E MAIS GOSTOSO Traição/Corno 6
9961 TRAINDO NA PISCINA Traição/Corno 8
10171 A INICIAÇÃO Fetiches 7
10283 DANDO PRO PAPAI Incesto 14
10490 Loucuras no cinema Grupal e Orgias 4
13423 Iniciação canina Zoofilia 8
16790 TRAINDO MEU MARICO COMO ELE PLANEJOU I Traição/Corno 7
17730 TRAINDO MEU MARIDO COMO ELE PLANEJOU 2 Traição/Corno 6
17752 Meu corno maravilhoso Traição/Corno 8
17811 Meu enteado é um tesão Incesto 11
18004 Dando pra satisfazer minha mulher Fantasias 8
20394 Uma deliciosa boneca Travesti 14
26249 QUASE UM ESTUPRO Traição/Corno 3
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA