Contos Eroticos
Adicionar em seus Favoritos RSS conto Erotico Torne o Conto Erotico a pagina principal de seu navegador
O mais excitante site de Contos Eróticos da Lingua Portuguesa.
Username: Senha:
Esqueci minha senha | Quero ser usúario
Principal   Publicar Contos   Painel de controle   Últimos Contos   Mensagens/Scrap   Blog Erótico   Entrar em contato  
Contos Eroticos
   Contos por intervalo
   Por categoria
   Últimos Contos
   Melhores Contos
   Contos com foto
   Publicar Contos
   Publicar Com fotos
   Buscar (Search)

Quadrinhos Eróticos
   Quadrinhos eróticos
   Enviar Quadrinhos

OPÇÕES
   Painel de Controle
   Meu Album de fotos
   Cadastro usuário
   Mensagens (Scraps)
   RSS
   Entre em contato
   Ajuda (Duvidas)

SITES PARCEIROS
   Blog Erótico
   Irotica Videos
   Videos Eroticos
   Relatos Espanhol
   Galaxia Gay
   Videos de Famosas
   Piadas Web

REDES SOCIAIS
   Twitter
 
 
 
 





Iniciação anal de uma ninfeta 1



Talita olha-se em frente ao espelho e a imagem não lhe agrada. Mesmo sendo uma legitima loirinha com olhos azuis brilhantes, rosto angelical, seios pequenos, mas ancas plenamente desenvolvidas que já desenha uma das mais belas bundas que o mundo do entretenimento vai ver futuramente, não se sente satisfeita com esse visual.
São os seios pequenos que incomodam a Talita. Aos quatorze aninhos, quase quinze, esta belíssima adolescente não entende porque seus seios não crescem na mesma proporcionalidade de sua bunda. E devido a isso e somente a isso ela se sente sem atrativos.

Ninguém entendia como uma jovem tão bela pudesse ser tão tímida e arredia à socialização. Ninguém também podia imaginar que Talita fazia de sua solidão uma eterna masturbação. Em qualquer lugar, a qualquer hora que ela quisesse, bastava apertar as coxas uma na outra para que sua xotinha fosse pressionada pela contração e descontração dos músculos e ela chegasse ao orgasmo.
Aos doze anos descobrira na suíte de seus pais uma revista com fotografias pornográficas. Na malicia própria da adolescência, Talita roubou esta revista para si. Desde então ela se imaginava como as heroínas, que sem exceção eram triplamente penetradas. As únicas coisas que ela não tinha ainda feito era saber o gosto do esperma e se deflorado vaginalmente.
Mas imitar um boquete numa banana descascada enquanto se masturbava, era coisa freqüente.

Ultimamente, ela se acostumava mais e mais com o vai e vem de um cenoura no anus. Ela tinha começado com uma banana e pouco a pouco foi sentindo que poderia injetar coisa mais grossa no cusinho. Ela não conseguira se auto deflorar vaginalmente, pois a dorzinha a intimidara.

Agora, perto de completar quinze anos, Talita quando queria se masturbar em grande estilo, levava um pepino ou uma cenoura e duas ou três bananas para o quarto.
O legume escolhido era introduzido no anus e um outro esfregado na xaninha.

A banana lambida, chupada e assim que ela gozava, totalmente despedaçada com os dentes.
O incomodo com Talita era que as heroínas da revista eram, sem exceção, peitudíssimas.

Alguns meses antes de completar quinze anos, junto com seu irmão gêmeo, souberam que iriam mais uma vez a Disneylândia, Seu irmão Junior ainda vibrava com essas viagens. Talita há muito achava enfadonho e só não reclamava, pois fantasiava estar sendo estuprada pelo Pato Donald, Mickey e Cia.!
Desta vez os pais não os acompanhavam. Incumbiram Rafer, o melhor amigo do pai dela e vice-presidente do conglomerado empresarial. Na verdade, Rafer tinha que ir a Miami para finalizar um importante negócio.
No primeiro dia, enquanto Rafer foi tratar de seu assunto, Talita decidiu ficar na piscina do hotel enquanto Junior partia pra Disneyworld com os dois seguranças.

Quando Rafer voltou, satisfeito com o resultado, encontrou Talita conversando animadamente com um grupo de rapagões no bar a beira da piscina. A principio ele se surpreendeu com a súbita desinibição de Talita e até achou saudável que isto estivesse acontecendo, pois todos já estavam preocupados com o comportamento arredio dela.

Mas, naquele momento era de bom tom ele dá uma freada no entusiasmo da inocente ninfeta.
- Hi, guys! Pessoal, sinto muito, mas tenho que tirar esta maravilhosa gatinha de vocês por uns instantes. A mãe dela está ao telefone...

Os garotões protestaram em gozação e Talita acompanhou Rafer com as feições zangadas. Rafer explicou que não tinha nada contra que ela conversasse com rapazes, mas não gostaria de vê-la desaparecer com um deles. Ele pediu que ela lhe prometesse que lhe diria pra onde iria e que sempre estivesse a vista dele.

Talita ficou vermelha de raiva. Ela imaginava realizar, ali com aqueles rapazes, todas as proezas que suas heroínas da revista faziam. Na sua já madura e maliciosa mente feminina, o que ela fizesse ali, ninguém ficaria sabendo lá!

Rafer não entendeu o porquê dela ficar de cara amarrada, pois ele achava que estava sendo o mais liberal possível. Ele notara que apesar dos quinze anos incompletos, Talita era um mulherão!
Tinha o mesmo corpaço da mãe, Cintia. Só faltava um pouco mais de volume nos seios.
- Escuta Talita, sinto que essas viagens a Disney não te agradam mais. Você é uma mocinha, mas tem já um corpo de mulher feita. Acho também que você é bastante madura pela sua pouca idade e sei o quanto é difícil os adultos entenderam uma “adulta” como você.
- Entendem nada! Todos vocês só querem que eu obedeça ao que vocês ordenam!
- Sim, é verdade. Nós achamos que, por você ter só quatorze aninhos, ainda precisa de ama-seca. É um absurdo se pensar assim.
- Vou fazer quinze em três meses! E por que você seria diferente dos outros? Você nunca me entenderia!
- Bom, vamos ver! Me diga uma coisa, um desejo privado seu, para ver se você tem razão.
- Todos me acham a rainha das beleza. Eu sinceramente, me acho feia, desinteressante. E falo isso de verdade, não para buscar elogios. Você vê... eu não tenho seios!
- Aah! Não é possível você estar falando um absurdo desses! Você é a garota mais sensual que há aqui neste resort! Você teve provas disso ainda há pouco, lá na piscina.
- Ainda bem que você não veio com esse papinho de que eu sou bonitinha... Você acha mesmo que sou sensual?
- Sem dúvida! Te digo mais; vamos dar um passeio e comprar umas roupas pra você que vou te levar pra jantar.
- Sem o Junior, ok?
- Sem o aborrecente do teu irmão! Agora vá se trocar enquanto eu tomo um banho.

Rafer ao falar a verdade sobre os atributos físicos da filha de seu melhor amigo, percebeu que realmente ela era já um mulherão. Como não podia deixar de ser, seu imenso caralho também percebeu. Masturbando-se, uma só gozada não foi o suficiente.

O que Rafer ignorava era que Talita em vez de ir trocar o biquíni na própria suite, ficou esperando ele entrar no banheiro. Abrindo uma fresta na porta ela tinha a visão da nudez daquele macho quase quarentão, se masturbando vigorosamente. Quando ele ejacula, o esperma ricocheteia no vidro do Box a frente dele.

Talita mesmo se acariciando, chega bem perto do êxtase, mas não consegue gozar. A superexcitação a empurra para algo mais do que sua mãozinha pode fazer. Ela tenta e tenta, mas em vão.
Rafer sai do box e pega uma toalha e se dirige pra sala enxugando os cabelos. Ao mesmo tempo,
Talita fica paralisada e não consegue retirar a mão de dentro do biquíni. Ela consegue dar uns dois passos para trás e se prepara para correr quando a porta se abre e Rafer se depara com visão voluptuosa da bela adolescente com a mão dentro das calcinhas.

Rafer se assusta ao mesmo tempo em que sua rolona sobe como um guindaste e bate em seu baixo ventre. O sangue corre acelerado por todo seu corpo e o mesmo acontece com Talita.   Dez segundo depois, é a rola dele que esta por dentro das calcinhas da safadinha ninfeta, enquanto os dois se beijam ardentemente.

Na sua experiência de quase quarenta anos, Rafer sente que o tremor de Talita não é só de excitamento. Ela não pára de mexer e soluçar convulsivamente. Ele então, interrompe o beijo e rapidamente a faz virar-se. Com uma das mãos ele segura firmemente o pulso dela e com a outra mão lhe aplica na bunda duas palmadas inicialmente. Não é o bastante. Só na quinta palmada ela retesa o corpo e o encara com os belos olhos azuis arregalados.

Com a mão que está sendo presa pelo pulso, involuntariamente encontra a grossura da tora de Rafer e a enlaça com os dedos. O quase quarentão segura pelos cabelos da jovem de quase quinze aninhos e a beija novamente com o mesmo ardor. Dessa vez ela responde ao beijo se esfregando sensualmente no corpo dele sem largar-lhe a piroca. Suavemente ela desfaz o beijo e lhe sussurra.
- Me bate de novo! Me espanca...

Talita volta a ser beijada com sofreguidão, enquanto Rafer a vira de lado pra si e dá-lhe um, dois, três tapas. Os formosos glúteos dela estremecem formando pequenas covinhas. Talita sabe que agora nada a vai impedir de gozar intensamente.
Por sua vez, a rola de Rafer está pressionada entre o próprio baixo ventre e a curva do quadril dela, já derramando o gozo que está por vir.

Ele sabe que se der mais alguma palmada, irá gozar ali mesmo. Tomada por pura luxuria, Rafer puxa Talita para o sofá e a posiciona de quatro ao longo do assento. Ela faz todas essas ações como um autômato já que o gozo se acumula cada vez mais em seu grelinho e nos mamilos rosados.
Rafer se acomoda a frente da ninfeta e deixa que a própria natureza de sua feminilidade faça acontecer o que se espera. Os olhos semicerrados de Talita encaram languidamente a coluna rosada entrelaçada de veias azuis com rastros brilhantes do liquido que escorre da boca do alto da glande como se fosse um vulcão.

Talita avança um pouco mais até seu busto ficar encostado por cima da coxa de Rafer enquanto a boquinha sente pela primeira o sabor de um macho.
Sabendo que ela vai se engasgar com a explosão de semem dentro da boquinha, Rafer põe uma mão em concha no alto da cabeça dela e goza dando urros e mais urros enquanto com a outra mâo lhe dá seguidas palmadas.
Talita enfim encontra seu intenso orgasmo e para não engasgar com o volume da ejaculação, ela escancara mais a boca permitindo que parte da explosão escorra para fora da boca enquanto a outra parte escorrega pela sua garganta abaixo.

Cinco minutos depois, Talita está aparentemente desfalecida com o belo rosto todo melado e por cima da rola semi endurecida de Rafer. Ele abre os olhos e a bela visão do corpo dela em posição fetal, mas com a cabeça apoiada na própria virilha, faz sua libido aflorar a pele novamente.
Talita sente o intumescimento muscular da rola que logo irá possuí-la. Ela rosna feito uma gata, voltando a si. O odor que lhe penetra nas narinas tem o efeito afrodisíaco. Ela desperta de vez e tem a grata surpresa de ver a rola endurecida a sua frente, somente para si.

Rafer lhe acaricia as nádegas com uma das mãos enquanto com a outra acaricia os cabelos ao mesmo tempo em que os impede de atrapalhar a felação que Talita lhe faz.
- Cuidado com os dentinhos... minha princesinha, devagar! Assim, assim. É inacreditável como você faz isso tão bem...

Talita dá graças por haver praticado nas inumeráveis bananas desde que ela vira umas fotos numa revista pornográfica. A sua respiração começa a se acelerar a medida que o excitamento dela aumenta. Percebendo isso, Rafer interrompe o boquete, havendo um protesto nas feições dela e um fio de baba ligando a ponta da glande ao lábio inferior dela.
Rafer a deita de costas no sofá e ajoelhando-se entre as coxas dela beija com suavidade toda a parte de cima do monte de Venus por uns poucos minutos. Em seguida as partes internas das coxas perto da xotinha. Talita rosna e mexe os quadris lentamente mais em ritmo descompassado.

O melhor amigo do pai de Talita, volta e meia dá uma forte e longa lambida na rachinha e volta a torturá-la com os beijos ao redor da xaninha e nas coxas.   Ela já começa a rosnar mais alto e seus movimentos se tornam mais nervosos.

Chega o momento que Rafer esperava. Talita subitamente leva as duas mãos até a cabeça dele, levemente grisalha, e a puxa de encontro ao centro de sua xaninha totalmente babada. A luxuria toma conta de Rafer que sente a compulsão de deflorá-la com a rombuda língua que serpenteia pelo clitóris e no sensível tecido do hímen.

O gozo da ninfeta vem tão forte que ela chega a arquear os quadris, apertando a cabeça do melhor amigo de seu pai, entre suas grossas coxas.
Rafer tem a sensação de sentir um leve gosto de sangue como que glorificando a sua volúpia de tê-la deflorado com a língua. Seu rosto brilha de suor, saliva e fluídos femininos da filha de seu melhor amigo.
A loirinha relaxa do aperto que dá com as coxas na cabeça do amante, mas sua respiração continua acelerada. Parece que o orgasmo não foi suficiente para satisfazê-la. Rafer já antevia que Talita viria a ser como sua mãe, uma deusa sexual.
Sem esperar que ela relaxasse, Rafer passa as duas mãos por baixo de ambas às dobras do joelho dela e empurra pra cima fazendo-os tocarem os medianos seios da filha de sua amante, Cintia.

Talita olha por entre as próprias coxas tentando adivinhar o que Rafer está prestes a fazer. Ela só tem tempo de lançar a cabeça para trás quando sente o choque da rombuda língua querendo insinuar-se em seu cusinho!
Parte do nariz de Rafer está entre os lábios vaginais dela e a boca colada feito uma ventosa ao redor do anus da linda criatura.
- Aaaah! Qué iiiisso! Coisa...mais estranha! Gostoso, gostoso... não pára! Não pááára!

E arfando, se contorcendo toda, a loirinha tem uma boa parte da língua daquele safado introduzida em seu cusinho. Ao se mexer, os músculos do períneo apertam a língua de Rafer. Com um estalo, ele retira a língua do anus de Talita e se levanta, admirando o belo espetáculo que é aquele ninfetinha de cara de anjo mas de corpo voluptuoso, com as pernas escancaradas, deixando a sua mercê toda a feminilidade da xotinha e do cusinho.
- Talita, meu amorzinho, relaxa agora. Eu vou colocar minha rola dentro do teu cusinho, tá bem?
Não tenha medo. A principio vai parecer que você quer fazer cocôzinho! Mas... é só relaxar, que você terá um dos maiores prazeres de sua vida e pelo resto dela!
- Mas...mas, ele é tão grande... e bem mais grosso!

Rafer estranha a frase comparativa e enquanto pincela suavemente a boquinha do anus a olha interrogativamente.
- Eu...eu, huuumm... já fiz... já fiz, aaaiii... já fiz isso...aaaarrh, com uma... uma... banana!

As sobrancelhas de Rafer se levantam de surpresa enquanto um sorriso sardônico de dentes trincados se estampa em seu másculo rosto ao mesmo tempo em que ele vê sua grossa rola expandindo o rosado cusinho e ir desaparecendo dentro dele.
- Meeeuuuu deeeeeuuuus! Pára um... pouco, pára um pouco. Deixa eu respirar!
- Mexe na xaninha, mexe! Isso, assim...asssiiim! Quer que tire ou ponha mais?
- Não sei, não sei. Você acha... que eu agüento... tudo?
- Acho, meu amorzinho, acho sim. Deixa eu meter mais, deixa?

E sem esperar resposta, o canalha enfia a rola lentamente por inteiro no cusinho da filha de seu amigo. Ela joga a cabeça de um lado para o outro até começar a ter os primeiros espasmos que o tecido de seu tubo anal recebe da grossura do penis que desliza por dentro dele.
Também, suavemente, Rafer desliza metade de sua rola para fora e espera pela pulsação ao redor dela. Quando sente o relaxamento muscular da ninfeta, ele retira mais um pouco e logo em seguida empurra pra dentro de novo. Com quase toda rola dentro do anus dela, ele sente ainda a vibração do músculo anal ao redor de sua torona. Mas desta vez não é de exasperação, mas sim voluntária. Quando ela pára de contrair o anus, Rafer desliza sua rola pra fora. Talita volta a contrair o anus. E quando menos se espera, Talita sente seu anus acariciando a grossura do pênis de Rafer em pleno conforto. E assim eles se adaptam, se sincronizam e gozam. Cusparadas de esperma saem do espremido espaço entre a rola e o anel do cusinho.

Rafer lança sua parte superior para trás, dando um urro de gozo intenso enquanto uma molenga Talita desfalecida é sacudida com os trancos da ejaculação de seu primeiro sodomizador.

Foto Perfil Helge

Ficha do Conto

Escritor:
Helge

Nome do conto:
Iniciação anal de uma ninfeta 1

Codigo do conto:
9964

Categoria:
Virgens

Data do Envio:
13/07/2010

Quant.de Votos:
6

Quant.de Fotos:
0

Compartilhe
Tweet esse conto! Digg esse conto! Adicionar esse conto no del.icio.us



Clique aqui para enviar uma mensagem (scrap) para o autor desse conto.

Gostou desse conto? Nao deixe de compartilhar com seus amigos no twitter. Tweet esse conto!






Escreva o seu Comentário

Importante:Comentário com número de telefone serão apagados.


Para fazer um comentario a respeito desse conto ou mandar um scrap para o autor. Voce precisa logar em nosso site.

Ultimos Comentários
Comentado por: Roger82 em: 07/02/2014
Otimo conto, muito excitante.
Comentado por: Dudu 65 em: 02/10/2013
Helge são maravilhosos seus contos,muito bem contado com todos os detalhes beijos
Comentado por: Ingha em: 01/01/2013
Agradecemos a este fantástico contoerotico, por nos deixar colocar nossas aventuras e mais ainda por deixar divulgar nosso helgashagger.blogs.sapo.pt/ onde alguns contos estão com mais ilustrações, tipo quadrinhos, o que infelizmente, não podemos fazer aqui. Beijos de Ylena, Ingha, Helga e Helge.
Comentado por: marquestg em: 28/02/2011
muito bom
Comentado por: Helga em: 15/02/2011
Meus adoráveis fans
Comentado por: flaviolinf em: 02/08/2010
oi minha bebe . seus contos sempre com uma pitadinha deliciosa de sexo .como uma mulher sabe entregar seus pontos , e fica sempre uma coisinha de quero mais , e vc deve ser uma bela e uma contadora no ouvido que nos faz ficar com esta visão qdo lemos, mas queria que vc me contasse a as partes do conto da juiza e o filho gay . pois estou esperando ela se soltar assim como vc fez ainda qdo meninars
Comentado por: Baskerville em: 24/07/2010
Oi Helge! Acho que não existe estimulante em toda a industria farmaceutica que produza efeito maior nos hormônios maculinos do que os seus contos. Minha namorada e eu somos seus fãs. Vez ou outra seus contos nos dão idéias que nunca deixam nossa relação ficar morna. Bjos linda!
Comentado por: Galluzzi em: 14/07/2010
não sei o que me viciou mais... olhar suas fotos ou ler seus contos... existe a possibilidade de rolar algo real com essa sua bunda deliciosa? quero ser seu Rafer

Contos enviados pelo mesmo autor
Codigo Nome do Conto Categoria Ranking
9899 Sodomizada na porta da igrja 2 Traição/Corno 12
9900 Sodomizada na porta da igreja 1 Traição/Corno 8
9946 Iniciação Anal da ninfeta modelo III Traição/Corno 8
9949 Iniciação Anal da ninfeta modelo I Virgens 10
9962 Flora e seu poney Zoofilia 15
9975 Helga e os presidiários II Traição/Corno 7
9981 Safadas santinhas III Virgens 5
10070 Amadureci chupando um pivete Fantasias 16
10076 Rasgando as calcinhas da mãe Incesto 15
10103 Dando a bundinha com classe Traição/Corno 8
10104 Meu marido aceitou minha tara 3 Interrraciais 6
10105 Meu marido aceitou minha tara 2 Interrraciais 6
10106 Meu marido aceitou minha tara 1 Interrraciais 9
10121 A juiza e o filhinho gay 4 Incesto 7
10184 O Deputado e sua esposinha safada 4 Traição/Corno 3
10185 O Deputado e sua esposinha safada 3 Traição/Corno 3
10186 O Deputado e sua esposinha safada 2 Traição/Corno 3
10187 O Deputado e sua esposinha safada 1 Traição/Corno 3
10188 O deputado e sua esposinha safada Traição/Corno 5
10241 Rasgando a calcinha da mãe 2 Traição/Corno 6
10329 Só o amigo de meu marido que me enraba Traição/Corno 6
10330 Minha primeira traição foi dar o cusinho Traição/Corno 5
10340 Forçada ao incesto III Incesto 3
10341 Forçada ao incesto II Incesto 3
10342 Forçada ao incesto I Incesto 9
10430 A juiza e o filhinho gay 5 Incesto 10
10455 Namoro o filho, mas o api que me come 1 Traição/Corno 9
10545 Sodomizada por acaso II Incesto 4
10546 Sodomizada por acaso I Incesto 6
10584 Namoro o filho, mas o pai é que me come II Traição/Corno 19
10671 Anus acolhedor da Luterana III Traição/Corno 3
10672 Anus acolhedor de uma Luterana II Traição/Corno 4
10673 Anus acolhedor de uma Luterana I Traição/Corno 6
10682 Sodomizada no navio 4 Traição/Corno 4
10683 Sodomizada no navio 3 Traição/Corno 7
10705 Namoro o filho, mas é o pai que me come 3 Traição/Corno 8
10751 Melissa e seu sogro (parte 2) Traição/Corno 7
10752 Melissa e seu sogro (parte 1) Zoofilia 13
10913 Meu marido jura que lhe sou fiel II Traição/Corno 7
10914 Safadas santinhas IV Traição/Corno 5
10974 A safada esposinha do parlamentar I Traição/Corno 11
11022 A esposinha safada do parlamentar II Traição/Corno 5
11183 Diana e o estagiário negro I Traição/Corno 10
11204 Diana e seu estagiário negro II Interrraciais 12
11315 Diana e o estagiário negro III Interrraciais 11
11347 Diana e o estagiário negro IV Incesto 7
11400 Virei gay por amor a uma mulher I Incesto 11
11605 Virei gay por amor de uma mulher II Incesto 10
11705 Melissa e o primo gay I Incesto 9
11863 Quem acredita num corno? Incesto 8
12053 O lado obscuro da esposa perfeita 1 Traição/Corno 11
12116 O lado obscuro de uma esposa perfeita II Traição/Corno 7
12117 Dando a bundinha com classe II Gays 11
12183 Buttplug de Marta Traição/Corno 8
12184 Divórcio Incestuoso Incesto 7
12273 Rasgando as calcinhas da mamãe III Incesto 7
12276 Rasgando as calcinhas da mamãe IV Incesto 6
12397 Rapto e defloração anal de Ylena Sadomasoquismo 7
12398 Rapto e defloramento anal de Ylena 2 Sadomasoquismo 7
12515 Meus maridos, meus cornos I Traição/Corno 18
12689 Meus maridos, meus cornos II Traição/Corno 8
12815 Viuva insaciável Zoofilia 15
13096 A sogrinha e o genro cafetão Traição/Corno 10
13363 Arrependida, porém satisfeita. Traição/Corno 10
13386 Arrependida, porém satisfeita II Traição/Corno 9
13528 Que culpa tenho por ser gostosa? Traição/Corno 9
13684 A primeira vez com meu filho. Incesto 173
13871 Infidelidade em familia Traição/Corno 10
14000 Esposa e sogra enrabadas pelo vizinho I Traição/Corno 20
14082 Infidelidade em familia II Traição/Corno 8
14225 O canalha que me seduz III Incesto 9
14463 Helga descobrindo o prazer Anal Traição/Corno 26
14550 Compulsão Anal do noivo e da noiva Traição/Corno 27
© Copyright 2000-2014 www.contoerotico.com - Todos os direitos reservados
Web Design/Hosting - Dynamic Web Solutions Corp - USA