No escuro do cinema ela me convenceu



                                    No escuro do cinema ela me convenceu
   Aquando da visita a minha casa aqui em São Paulo da minha sobrinha Filipa e sua mãe Carla, houve uma noite em que eu, elas e meu filho Bruno resolvemos pegar um cineminha. Estava passando um filme bem interessante numa das poucas salas de cinema desta cidade onde eu moro, é uma cidadezinha bem perto da capital.
   Depois de jantar peguei meu carro e nos dirigimos para o local. Como é difícil passar bons filmes nesta cidade desta vez era um bem famoso, e por isso estava de lotação esgotada. Chegando lá já tínhamos os ingressos comprados com antecedência nos fomos sentar ainda com as luzes acesas. Carla e sua filha ficaram sentada no meio de mim e de Bruno. A sala estava praticamente lotada, mas as duas cadeiras mesmo ao meu lado permaneciam ainda vazias. Mesmo uns instantes antes de as luzes se apagaram reparei que um casal, ela bem mais joven que o homem que a acompanhava se dirigiu para onde nós estávamos. Ela se sentou bem no meu lado enquanto ele ficou na outra cadeira que estava vazia.
Naqueles poucos segundos antes de ficarmos no escuro eu consegui ver que ela era uma mulher muito bonita e se vestia extremamente bem, pelo contrário o homem que a acompanha me pareceu de verdade um indivíduo com poucas boas maneiras. Talvez tivesse sido apenas impressão minha. A realidade é que era concerteza bastante mais velho que ela.
Depois... Bem depois começou a rodar o filme na tela, e todos nós nos concentramos a assistir. Passados alguns minutos eu sentada na minha cadeira e tranquilamente fixado o meu olhar na tela começo a sentir alguns movimentos na cadeira a meu lado, aquela mulher eu tinha reparado quando chegara tinha algo de especial. Embora ali não fosse o lugar ideal, até porque tinha muita gente e ela se encontrava acompanhada não dei muita atenção para ela.
Como o filme era um pouco longo teve um pequeno intervalo que talvez para se mostrar para mim foi das poucas pessoas que na nossa fila se levantou para ir no banheiro. Enquanto se afastava de nós eu pude repara que ela era gostosa demais. Aí eu já fiquei na curiosidade de olhar ela melhor quando voltasse ao seu lugar.
Não me enganei nem um pouco, enquanto se aproximava eu a olhei mesmo de frente e ela sem nada falar só deu um ligeiro sorriso para mim. Nesse curto espaço de tempo deu para eu ver que era morena, cabelo e olhos castanho claro, seios médios, relativamente magra e uma bunda empinadinha. Seu acompanhamento mal lhe dirigia a palavra, pensei que fossem um casal brigados.
Quando de novo tudo ficou escuro não tardou eu sentir aquela mulher encostando levemente sua perna na minha. Nessa hora eu pensei para mim mesma: " poxa a mim tudo me acontece, nem no escuro do cinema consigo ficar em paz".
Mas depois que a vi chegando a meu lado durante o intervalo teve um momento em que pensei que se o homem que estava com ela era seu marido concerteza ela não teria tudo o que precisava no que toca a sexo. E concerteza o procuraria fora de casa.
Minha sobrinha que estava mesmo a meu lado não estava se apercebendo de nada, muito menos Carla e meu filho. Mas depois mais algumas leves investidas daquela mulher embora fossem ténues eu já estava a ficar um pouco excitada.
    Ela estava ficando mais atrevida, vendo que eu não reprovava seus actos começou a ir mais longe e começou roçando mesmo sua perna na minha. Podia sentir sua pele deliciosa em contato com meu corpo. Para tentar disfarçar coloquei minha mão sobre meu joelho, dali a pouco ela disfarçadamente passou a sua sobre ela. Eu estremeci ao sentir aquilo.
No espaço que existia entre as nossas cadeiras dali a pouco já nós estávamos de mãos dadas sem que ninguém notasse nosso atrevimento. Eu senti minha bucetinha ficar encharcada só em pensar naquela mulher comigo numa cama toda pelada.
Quando o filme já estava muito perto do final, ela soltou minha mão e se concentrou de novo na tela. Mas ainda antes disso foi com sua mão á sua bolsa e discretamente me passou um pedaço de papel que deveria conter alguma coisa escrita. E também eu discretamente fingindo estar com calor o guardei no meu soutien.
Quando terminou a película todo o mundo foi saindo e eu na confusão a perdi de vista, minha curiosidade era imensa, não via a hora de chegar em casa e ler o conteúdo que estava escrito naquela mensagem.
Depois nós quatro antes de ir para casa ainda fomos no barzinho tomar um drink. Tinha a certeza que ainda tínhamos uma longa noite de sexo pela frente. Nessa noite finalmente Carla e sua filha iriam transar de verdade, mas isso eu vou vos contar muito em breve, hoje só estou focada em vos contar o que aconteceu entre mim e a mulher misteriosa do cinema. A unica coisa que eu tinha a certeza é que aquela mulher tinha me deixado excitada demais, não saía do meu pensamento.
Durante a viagem de regresso a casa, eu estava dirigindo e quase não falava, Filipa a dada altura me perguntou se estava tudo bem comigo, respondi pouco convincente que sim. Chegados a casa minha sobrinha insistia em saber o que estava acontecendo comigo e falou: " foi aquela mulher no cinema, não foi tia?". Afinal ela tinha percebido tudo o que tinha acontecido no escuro do cinema. Eu não tinha como negar e confirmei para ela que sim, que aquela desconhecida tinha me perturbado. Mas nem a conhecia e se calhar nunca mais a veria na vida.
Nós dias seguintes enquanto Filipa e sua mãe estivera lá em casa eu não me preocupei em procurar a mulher misteriosa do cinema, e para não cair na tentação nem o bilhete eu li. Mas muitas vezes eu pensava nela. Nesses dia eu só tinha que me preocupar com Carla e minha gostosa sobrinha. Se aquela mulher estivesse mesmo interessada em mim poderia esperar apenas mais uns dias.
Depois que minha cunhada e sua filha voltaram para casa eu voltei ao trabalho, naquela segunda feira até estava com pouco trabalho, e num momento em que me encontrava sozinha fui na minha bolsa e peguei o tal papel com a mensagem que dizia o seguinte: " Olá! Desculpe meu atrevimento, mas vendo você naquela sala de cinema acompanhada por duas mulheres lindas eu não consegui resistir. Espero que não me leve a mal. Se por acaso estiver interessada em me ter como amiga pode me ligar para esse número de celular. Nas próximas duas semanas eu estarei disponível a qualquer hora. Depois volto para o Rio de Janeiro de onde sou natural. Obrigada só por ter perdido seu tempo lendo esta mensagem. Gabi."
Ali eu entendi que ela deveria se chamar Gabriela, e estava passando férias ali na nossa cidade. Talvez estivesse hospedada num dos hotéis que tem aqui. Ganhei coragem e na minha hora de almoço procurei ficar sozinha por algum tempo tendo ir almoçar num pequeno restaurante fora do Spa.
Depois do almoço finalmente eu ia falar com ela, ouvir sua voz é saber quem realmente ela era. O celular tocou apenas duas vezes, quando do outro lado da linha ouço uma voz super delicada e sensual.
Me apresentei, falei que me chamava Andréia e era a pessoa que estava a seu lado naquela noite no cinema. Dela ouvi falar que se chamava Gabriela e que estava passando uns dia na cidade acompanhando seu marido que estava em trabalho. Depois me perguntou se a gente podia se encontrar, eu falei que sim. Era só ela me indicar seu endereço e marcar uma hora. Minha maior surpresa foi quando me falou o local do nosso encontro. Me mandou ir no Spa que não vou divulgar o nome e a mandar chamar na recepção. Me deu seu nome completo para quando eu perguntasse por ela não haver enganos. O pior é que o Spa onde ela estava hospedada era o mesmo onde eu trabalho. Só não nos encontramos antes porque eu estava gozando um pequeno período de férias.
Como vocês se devem lembrar lá no Spa tem uma recepcionista com quem também mantenho uma relação muito afectuosa faz muito tempo, mesmo sendo casada já me confessou que é super apaixonada por mim, embora saiba de quase todas as minhas aventuras nunca na vida seria capaz de me trair. O melhor seria eu me encontrar com Gabi quando minha amiga estivesse de serviço. Então pedi a Gabi para esperar um pouco que eu ia ver quando nos poderíamos encontrar, liguei de seguida para a minha querida recepcionista que me confirmou que no dia seguinte estaria no turno da noite. Lhe expliquei tudo direitinho e ela entendeu bem o que eu pretendia. Me deu os parabéns, porque também ela achava Gabi uma mulher muito gostosa. Elas já se conheciam vagamente, tipo aquela relação de recepcionista com cliente.
Voltei então a ligar para a minha nova amiga, perguntei para ela se o nosso encontro poderia ser no dia seguinte por volta das vinte e uma horas, seria a hora que a recepcionista estaria de serviço sozinha. Aceitou de imediato.
Chegado o dia eu enquanto estive trabalhando tentei sempre evitar que por algum acaso Gabi me visse por ali com o uniforme de enfermeira. Mais tarde eu falaria para ela o que fazia e onde trabalhava. Quando terminei meu turno fui direta a casa me arrumar de jeito a impresionar Gabi, vesti minha saia que eu mais gosto, é uma blusinha com um decote não muito provocante e uns sapatos de salto alto mas sem exageros. Afinal eu ia me encontrar com ela no meu local de trabalho, concerteza ia ser vista por todo o mundo que lá me conhece.
Quando cheguei já minha amiga foi falando de modo discreto que ela tinha lá estado antes na recepção e tinha deixado um recado escrito num papel, pequei e li. Mandava eu subir e me dirigir ao quarto com aquele número. Eu conheço todo aquele espaço de olhos fechados. Agradeci à recepcionista e fui direta ao local combinado. Finalmente eu a ia conhecer.
Não sabia se estaria sozinha ou se o marido estava presente, mas imaginava que não. Aliás eu rezava para que não estivesse, meu assunto era só com ela. Minha reza deu resultado, Gabi estava de facto sozinha.
Estava linda, com um robe se seda semi transparente que dava para ver todos os belos contornos de seu corpo. Tinha uma lingerie cor de rosa, seus seios se destacavam debaixo daquele lindo soutien. E sua calcinha também minúscula fazia dela um Filet Mignon. Na hora eu fiquei louca de tesão, mas consegui me controlar.
Nos apresentamos e logo ela foi falando que era do Rio, e seu marido aquele homem que estava com ela no cinema, ele é advogado de um conhecido político lá no Rio e que estava ali a defender uma pessoa que era familiar desse político. No Rio eles são muito conhecidos e que depois que conheceu uma amiga lésbica sempre ficou fascinada com suas histórias e com muita vontade de experimentar. Mas lá no Rio é muito difícil porque tem sempre muita gente dando em cima. Por isso quando seu marido lhe falou que viria aqui nesta cidade em trabalho ela decidiu vir também e quem sabe talvez tivesse alguma oportunidade de acontecer algo especial. E quando me viu no cinema com Carla e Filipa eu lhe despertei a atenção.
Realmente aquela mulher me interessava de verdade, nem que fosse por uma só noite. Mas não poderia ser ali no Spa, imaginem se alguém nos ouvia e sabendo que eu estava com ela toda a minha vida obscura seria descoberta. Eu falei que já tinha transado com mulheres e ia adorar ser sua primeira, mas não ali. E perguntei se seu marido tinha conhecimento. "Claro que não", respondeu ela.
Mas ele também não precisava saber, e além disso ele merecia que ela fizesse isso. É muito mais velho que ela, só pensa no dinheiro e a esposa para ele não interessa para nada. A única coisa boa do seu casamento era que nunca lhe faltava nada que precisasse. Mas no que a sexo dizia respeito não tinha nenhum tipo de prazer fazia muito tempo.
Eu lhe perguntei se queria mesmo fazer aquilo, Gabi pelo que falou tinha mesmo muita vontade de experimentar coisas que sua amiga lésbica tinha contado para ela. Minha vontade também era muita, e falei que no dia seguinte que era quarta feira não podia ser, mas na quinta poderia ter tudo o que mais desejava. Nesse momento também falei que precisa ir porque estava ficando tarde e tinha um compromisso para aquela noite.
Antes de sair mandei ela se encontrar comigo na portaria do cinema onde nos conhecemos por volta das 17 horas, iria de táxi e depois eu no meu carro a levaria a um lugar especial. Gabi estava determinada e a aceitou minha proposta. Antes de sair me dirigi a ela e levei minha mão em direção de sua buceta, estava bem molhadinha. Desviei sua calcinha e meti meu dedo maior todo nela levando ele até à minha boca, era uma delícia. Repeti o gesto mas agora mandei ela chupar o meu dedo, naquele momento exitou. Mas eu a obriguei e ela lambeu tudo, com um longo beijo de língua me despedi dela falando que estaria esperando ela na data marcada.
No dia seguinte quando voltei ao trabalho já não estava muito preocupada que Gabi me visse trabalhando, se ela quisesse desistir era problema dela. Mas eu já conhecia seu segredo.
Pouco depois entra a Doutora Patrícia e logo veio com uma conversa interessante. Uma nova hóspede do Spa muito bonita de nome Gabriela se tinha insinuado para ela, Patrícia tinha ficado sem jeito e sem saber que fazer naquela situação. Eu deixei Patrícia falar e perguntei porque ela não aproveitou. Patrícia me era muito fiel e sempre que tinha alguma aventura planejada me falava antes, se eu não apoiasse ela desistia. A doutora me devia muitos favores e tinha me jurado fidelidade para sempre. ( Conto com a doutora Patrícia).
Aí me veio à cabeça uma ideia. Mandei Patrícia estar em minha casa no dia seguinte para jantar, mas que fosse um pouco mais tarde para ela nos pegar em flagrante, eu lhe emprestei uma cópia das chaves e ela entraria sem precisar tocar na campainha. Se juntaria a mim e a Gabi sem que esta soubesse.
Na hora marcada eu estava eu estava dentro do meu carro num pequeno estacionamento que ali existe. Saiu do táxi e olhou à sua volta procurando por alguém, eu estava um pouco distante. Saí do carro e me dirigi até ela, quando me viu suspirou de alívio. Acho que tinha pensado que eu havia desistido
Estava linda, aliás toda ela é linda demais, vestia um vestido colado ao corpo, curto,pernas lindas à mostra. Nos cumptimentamos com beijos na face, sugeri que fossemos tomar um café num bar que tinha mesmo ali e depois iríamos no meu carro para o lugar ideal.
Nosso destino naquela tarde foi a minha casa como vocês devem estar imaginando. Patrícia e eu combinamos tudo muito bem.
Quando chegámos perguntei para ela se era mesmo verdade que nunca tinha transado com outra mulher, me confirmou que sim. Sua amiga lá do Rio muitas vezes lhe falava que era delicioso, mas nunca tivera a oportunidade, e sua curiosidade era imensa.
Não perdi tempo e pedi para ela tirara calçinha, timidamente ela tirou vagarosamente. Isso me deixou já bem excitada. Mandei entao suspender o vestido e se virar. Queria ver a sua bunda , era linda e volumosa. Naquele momento eu achei de verdade que ela estava como eu adoro, me obedecendo a tudo que eu mandava. Sempre adorei e adoro uma mulher submissa. E aquela era gostosa demais.
Dirigi-me para o meu quarto e mandei e,disse a ela me seguir, Quando chegamos,ela já estava quase toda nua, havia tirado o vestido, só faltava o soutien que ela ali mesmo tirou sem que eu pedisse. Mandei se encostar contra a parede, abri a gaveta do criado e peguei um cinto de couro que sempre uso e dei-lhe na bunda com força. Ela gemeu, mas não reclamou.
Perguntei quem havia mandado ela se despir completamente, tentou se desculpar, dei-lhe outra chibatada e mandei ela que se vestir novamente. Voltou à sala e se vestiu toda de novo
Já não tinha dúvidas, percebi na hora o que aquela mulher buscava. Estava afim de tudo mesmo.Quando voltou a mandei deitar de bruços no chão sobre algumas almofadas que já estavam preparadas pra ela.
Ela submissa se deitou com sua bunda exposta e empinada,suspendi seu vestido até o pescoço,fui descendo minha mão pela sua coluna,pernas,enfiei por baixo pra sentir sua pulsação, sua buceta tava molhada, enquanto eu a tocava ela se arrepiava toda, toda ela era desejo. Mandei ela abrir bem as pernas e mais a bunda, Gabi me obedecia prontamente.
Quando lhe perguntei se o maridinho velho comia por trás, ela respondeu nunca, e foi mais longe: nem por trás nem pela frente e que ele era um froxo.
Aí eu sussurei em seu ouvido que já que ele não aproveitava aquele cu maravilhoso agora era meu. Passava a lingua naquele rego, e voltava a passar. Insinuava entrar, e voltava a lamber. Gabi rebolava e gemia, fui até sua boca de dei o beijo que eu estava louca para dar. Um beijo demorado, chupei sua lingua enquanto ela gemia demais,d.
Falei então que os vizinhos poderiam escutar, e saí para pegar uma coisa e resolver aquilo. A mandei ficar ali quietinha.Fui até a gaveta e peguei um pênis com vibrador. O coloquei em sua boca mandando ela chupar. Enquanto chupava eu me deliciava, começava em seu pescoço, lambia, chupava e descia pelas costas. Sempre lambendo e dando pequenas mordidas, minha mão percorria seu corpo, entrava por baixo e pertava aquela buceta molhada pulsante. Gabi rebolava e se contorcia toda.
Eu a chamava de puta e cachorra enquanto erguntava se sua curiosidade estava sendo saciada, se era aquilo que ela queria, a safada acenava com a cabeça que sim.Peguei o pênis, o lubrifiquei muito bem assim como o buraquinho de seu cu. Enfiei um e depois dois dedos, estava tão bem lubrificado que entravam com alguma facilidade. O pênis estava muito escorregadio e comecei a meter ele naquele cuzinho, logo que a cabeça entrou eu meti o restante com força.
Ela gritou mas conseguiu aguentar. Apesar do marido não comer seu cuzinho Gabi me confessou que não era mais virgem, antes de casar ela chegou a dar ele para alguns namorados. Meti mais e até ao fim. Do jeito que a safada gritava eu mandei colocar-se de lado, peguei aquela buceta de jeito e começei a lamber, ao mesmo tempo que lambia, dava-lhe estocadas com o penis, gritava, gemia e colocava sua buceta em meu rosto
Sentindo que ela estava para gozar, enfiei minha lingua todinha dentro dela, metia e tirava mas não aliviava por trás. Falava a ela para não gozar, que esperasse minha ordem, a putinha gemia ainda mais. Sem se importar, gozou… Gozava e eu sugava tudo daquela buceta, seu mel era muito gostoso, a chupava com muita vontade, não demorou e também eu gozei com ela. Assim que percebi que ela estava relaxando, retirei o pênis, e com o cinto dei-lhes fortes chibatadas falando que era para aprender a obedecer e a fazer tudo que eu mandasse, e quando eu mandasse.
Dei-lhe 5 ou 6 chibatadas, sentindo que aquilo a excitou, virei-a de frente e novamente cai de boca em sua buceta, fui logo colocando a lingua, entrei com força e metia sem parar. Minha lingua entrava e saia rapidamente, passou pouco tempo e ela gozou novamente.
Ficámos ali no chão por algum tempo, brinquei o quanto pude com aquele corpo que me deixou doida. Depois a levei para banheiro, dei-lhe banho e é claro aproveitei um pouco mais.Foi assim a sua primeira vez com uma mulher.Se continuamos? Claro que sim, faltava a Patrícia chegar.
Estávamos as duas no sofá da sala todas peladinhas e nos preparando para mais uma sessão de submissão quando a porta se abriu, Patrícia acabara de chegar. Gabi se assustou com a presença de outra mulher. Mas logo reconheu a doutora que ela havia tentado seduzir lá no Spa.
Quando ia para falar alguma coisa, eu a impedir. Falei para ela não esquecer que ali era só submissa e não tinha que fazer perguntas, me obedeceu e olhava Patrícia com algum tesão
Patrícia com maldade me perguntou: " é essa a safadinha que me tentou lá no Spa?". Eu respondi que sim, então ela retorquiu que nós duas tínhamos de lhe dar um tratamento que nunca mais iria esquecer. Ela tinha de ficar sabendo que em São Paulo também tem mulheres safadas como no Rio.
   Enquanto fui pegar uma garrafa de vinho para nós três comemorarmos Patrícia sem nenhum pudor foi logo se despindo, ficámos as três no sofá bebendo aquele vinho e logo começaram as carícias. Falei para Patrícia que a Gabi gosta de submissão, e como submissa é um tesão.
A doutora lambeu os lábios de tesão quando eu falei aquelas coisa. Sentadas no sofá completamente nuas Gabi ficou no meio das nós. Nossas mãos foram direto em seus seios que ja estavam durinhos só pelo motivo de sentir nossos corpos colados no seu. Já sentia sua buceta latejar novamete, estava obviamente molhadinha. Eu lhe lasquei um beijo enquanto Patrícia falava" a putinha já está pronta para ser comida".
    Eu entretanto comecei a chupar seus seios, minha amiga se ajoelhou na sua fente, abriu suas pernas e meteu a sua língua safada naquels racha encharcada. Gabi estava outra vez gemendo de prazer. A língua de Patrícia entrava fundo na sua buceta, eu lhe sussurei ao ouvido: "vou te chupar também cadelinha, você vai ter duas línguas e nossos dedos na sua xaninha". As duas a lambiamos e mordiscavamos sua xana.
    Gabi estava completamente louca de tesão com tudo aquilo e começou a chupar os seus próprios seios enquanto gritava de prazer com o que estava acontecendo. Como submissa ela só tinha de aguentar tudo que nós lhe fizéssemos, aí eu feito louca enfiei toda a minha mão direita em sua buceta. Nesse ponto não agüentou e gozou, enquanto Patrícia lhe levava os seus dedos molhados com seu melzinho para que ela chupasse. Era só o início, a colocámos de quatro no tapete. Patrícia colocou em sua cintura um pênis de silicone que havia ido pregar no quarto e começou a meter na sua minha buceta. Eu fiquei de pé na sua frente e mandei ela chupar minha bucetinha raspadinha
    Patrícia a comia, e ela continuava passando sua língua com vontade na minha bucetinha, eu também não sou de ferro e comecei a gemer que nem uma gata no cio. Comecei também a me masturbar na sua frente e gritava ainda mais até que gozei. Obriguei Gabi a lamber todo o líquido que saía de minha buceta cheirosa e gostosa. Nesse momento Patrícia tirou o consolo da buceta de Gabi e falou que ia meter na sua bundinha, que ia sentir o que é ser arrombada de verdade a chamando de sua vadia safada.
    Começou devagar mas logo meteu quase todo ele no seu cuzinho que eu já tinha arrombada algum tempo antes, por ainda sentir o ardor Gabi gritou tanto que eu tive de pegar a calcinha de Patrícia que estava ali no chão bem junto de nós para ela morder. Mesmo assim gozou de novo, e quando Patrícia tirou o consolo de seu cú ficou no sofá para se recuperar um pouco. Eu e Patrícia começamos então um delicioso 69 na sua frente e gozamos juntas.esfregamos nossas xanas uma na outra Gabi ia se masturbando enquanto assistia. Só faltava ela sentir o sabor da buceta de Patrícia, a doutora se sentou no sofá com suas pernas escancaradas dando para ver aquela bucetinha depiladinha e gostosa, estava ensopada de tesão. A mandou se ajoelhar no meio de suas pernas e chupar tudo até a fazer gozar e beber todo o seu líquido.
   Gabi nao teve escolha, lambeu a buceta de Patrícia até ela gozar como uma puta, e a obrigou a beber tudinho. Eu já estava novamente me masturbava. Me excitei tanto que cheguei a respingar o meu mijo em cima das duas. Quando viram a minha situação tanto Gabi como Patrícia vieram para cima de mim e me lamberam a sua buceta que estava tão molhada que só pedia língua.
    Gabi merecia um pequeno prêmio pelo seu comportamento, mandei ela pegar aquele consolo e meter tudo em Patrícia. Não hesitou, amarrouo consolo na sua cintura e agarrou Patrícia. Segurando suas coxas estocou aquela rola nela até fazer a putinha se lambuzar toda com seu gozo que veio forte de novo.
A safada da Patrícia a beijou e quase engoliu sua língua enquanto Gabi continuava metendo o consolo na sua xaninha. Ficamos ainda muito tempo naquela gostosa e depravada sacanagem. Para Gabriela foi inesquecível
Depois estava ficando tarde, ela precisava voltar ao Spa. Eu chamei um táxi, enquanto esperava tomou um banho e depois foi embora.
No dia seguinte estava eu a trabalhar quando Gabi me ligou, queria falar comigo. Já sabia que eu trabalhava ali e pediu que fosse na da suite para conversarmos. Eu inventei uma desculpa para o restante pessoal e fui lá.
Quando cheguei ela foi logo direta ao assunto, falou que apesar de estar toda dorida tinha adorado, e que sempre iria voltar, quem sabe trazer alguma amiga que queira participar também.
Eu como safada lhe falei que se ela quisesse também levar com uma rola de verdade, de um homem a sério era só me ligar, minha ideia era entregar aquela gostosa para meu filho também comer. Ela ficou de pensar e depois me ligaria se resolvesse aceitar a ideia.
O que vocês acham, ela aceitou? Depois vos conto. Depende dos votos que vocês me dêem.
" Andréia Felina "



Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Twitter Facebook

Comentários


foto perfil usuario marinha

marinha Comentou em 22/07/2017

molhadinha gozei mais de uma vez andreia

foto perfil usuario samuel-aisla

samuel-aisla Comentou em 17/07/2017

Que delícia, queria participar também. By: Aisla




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


67296 - Eu Andréia me confesso - Categoria: Lésbicas - Votos: 39
67399 - A minha segunda vez. com Viviane, claro - Categoria: Lésbicas - Votos: 37
67514 - Meu sonho se tornou realidade. - Categoria: Lésbicas - Votos: 37
67517 - Com a doutora Patricia ( parte 1) - Categoria: Lésbicas - Votos: 48
67518 - Com a doutora Patricia ( parte 2 ) - Categoria: Lésbicas - Votos: 27
67583 - Com a minha nora - Categoria: Lésbicas - Votos: 42
67940 - Mãe e filha recém conhecidas - Categoria: Lésbicas - Votos: 34
68212 - Orgia a cinco - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 23
68213 - Marta e sua filha Sandra - Categoria: Lésbicas - Votos: 15
68388 - As duplas penetrações de Marta e sua filha Sandra - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 50
68794 - As minhas escravas - Categoria: Lésbicas - Votos: 12
68850 - Entreguei Sandra e sua mãe à doutora Patricia - Categoria: Lésbicas - Votos: 14
77663 - A recepcionista - Categoria: Lésbicas - Votos: 10
84909 - A minha dentista linda - Categoria: Lésbicas - Votos: 9
84912 - Um final de semana na chácara da minha amiga - Categoria: Lésbicas - Votos: 7
84926 - Festinha com minha prima - Categoria: Lésbicas - Votos: 7
84969 - Minha vizinha desesperada - Categoria: Lésbicas - Votos: 13
84997 - Sobrinha carinhosa - Categoria: Lésbicas - Votos: 14
85302 - Minha cunhada carente - Categoria: Lésbicas - Votos: 13
85441 - Traí meu marido com seu amigo - Categoria: Heterosexual - Votos: 26
86940 - A esposa do Prefeito - Categoria: Lésbicas - Votos: 12
90464 - Num casamento - Categoria: Lésbicas - Votos: 5
90683 - A visita - Categoria: Lésbicas - Votos: 8
90760 - A policial - Inspeção nocturna - Categoria: Lésbicas - Votos: 9
90963 - Uma estranha deliciosa - Categoria: Lésbicas - Votos: 3
91251 - A médica substituta - Categoria: Lésbicas - Votos: 26
91402 - Esfrega sua boquinha em mim - Categoria: Lésbicas - Votos: 9
91451 - Doutora Vanessa ( ficção) - Categoria: Lésbicas - Votos: 10
91754 - Esfrega sua boquinha em mim II - Categoria: Lésbicas - Votos: 11
92001 - Esfrega sua boquinha em mim III - Categoria: Lésbicas - Votos: 11
92395 - Esfrega sua boquinha em mim IV - Categoria: Lésbicas - Votos: 9
92622 - A portuguesa carente mas muito safada - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 10
92655 - Debaixo da mesa do restaurante - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 9
93298 - Alberto, o amigo de meu filho - Categoria: Heterosexual - Votos: 11
93386 - Nossaaa!!! Meu tio me comeu toda - Categoria: Heterosexual - Votos: 13
93456 - Com Liliane e seu amigo - Categoria: Heterosexual - Votos: 7
93459 - Um esclarecimento - Categoria: Heterosexual - Votos: 5
93530 - Tímida mas maliciosa - Categoria: Lésbicas - Votos: 5
94583 - Um sonho meu - Categoria: Lésbicas - Votos: 6
94730 - Minha amiga pagou para me ver masturbando - Categoria: Lésbicas - Votos: 17
95049 - A Doutora Juíza - Categoria: Lésbicas - Votos: 14
95164 - Gozando muito com a ninfeta no Rio - Categoria: Lésbicas - Votos: 14
95704 - Com um casal da internet - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 14
95705 - Final de semana em São Paulo com Beatriz - Categoria: Lésbicas - Votos: 8
95746 - Fui cantada por uma menininha - Categoria: Lésbicas - Votos: 11
95834 - De volta à chácara da minha amiga - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 14
95873 - A filhinha virgem do casal de evangélicos - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 22
95894 - A minha cunhada carente, alguém se lembra dela? - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 12
96639 - Acabei dando para o meu filho - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 22
96782 - A esposa submissa do administrador - Categoria: Lésbicas - Votos: 8
97051 - A mãe evangélica da minha menina - Categoria: Lésbicas - Votos: 17
97170 - O meu amigo advogado - Categoria: Heterosexual - Votos: 7
102941 - A minha amiga Rosa ( a mulatinha ) - Categoria: Lésbicas - Votos: 14
103035 - Começou numa noite fria - Categoria: Lésbicas - Votos: 4
103039 - O técnico da internet era uma mulher - Categoria: Lésbicas - Votos: 10
103064 - A minha amiga Rosa ( a mulatinha ) segunda parte - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 16
103153 - Meu filho comendo a titia comigo assistindo - Categoria: Incesto - Votos: 38
103272 - Comemos minha sobrinha com sua mãe dormindo ali ao lado - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 20
103422 - Finalmente minha cunhada e sua filha transaram - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 17
103649 - A minha primeira vez - Categoria: Lésbicas - Votos: 6
103720 - Consegui a reconciliação entre meu filho e minha ex nora - Categoria: Grupal e Orgias - Votos: 22
103824 - Uma viúva me provocou... Teve o que merecia - Categoria: Lésbicas - Votos: 11
103848 - Meu tio queria me comer de novo... Mas fui eu quem comeu sua esposa - Categoria: Lésbicas - Votos: 10
103909 - O Clube da Felina - Categoria: Lésbicas - Votos: 4
104113 - Uma louca perseguição... E uma noite de sonho - Categoria: Lésbicas - Votos: 10
104607 - Ana agora é submissa... E arrombada - Categoria: - Votos: 13

Ficha do conto

Foto Perfil andreiafelina
andreiafelina

Nome do conto:
No escuro do cinema ela me convenceu

Codigo do conto:
103340

Categoria:
Lésbicas

Data da Publicação:
16/07/2017

Quant.de Votos:
13

Quant.de Fotos:
0