Meu bem querer II



MEU BEM QUERER II Nas inúmeras situações de maluquices que vivemos juntos, depois de assistir um filme com sacanagens de uma mulher com um cachorro, contei à ela os detalhes do filme e percebi a maluca tesão que tomou conta da menina peralta. Claro está que nada podia ser feito, a não ser fantasiar sobre as possibilidades escondidas no silencio de um animal. Um dia, saímos para a estrada, tão cúmplice de nossas fugidas, e ficamos dando vazão ao imenso tesão que sempre nos assola tão logo cheguemos perto, um do outro, quando nos demos conta de que na próximo a cerca do pasto a margem da estrada, havia um garanhão pastando. Nada de mais até aí, se não fosse a minhoquinha assanhada que vive em nossas cabeças. Sugeri à ela, a loucura que deveria ser o cacete do cavalo. Ela apenas riu, e não deu bola, afinal uma cavalo é um cavalo, e deve ter um cacete sem tamanho! E na brincadeira - sempre com absoluta concordância - passei a mão na xoxota dela, encharcada como sempre - e depois de bem lambuzada aproximei-me da cerca e estendi a mão para o cavalo. Manso que era, ele se aproximou e cheirou a minha mão. Ato contínuo, ergueu a cabeça e levantou o lábio superior numa atitude estranha com se estivesse cheirando o ar. Voltou a cheirar a minha mão e mostrou-se interessado! Aí é que ficamos surpresos. O danado do cavalo começou a excitar-se e a fungar cheirando a minha mão e erguendo a cabeça. Eu disse então à menina travessa, "veja só; até o cavalo fica tesudo com o cheiro da sua xota". Acontece, que não apenas o cavalo, mas ela também excitou-se e vendo que provocava tesão, gostou da idéia, e quis ver até onde ia a brincadeira. Aproximou-se bem da cerca, e levantando a saia (aliás sainha muito safadinha sempre usada para as sacanagens) encostou a buça na cerca deixando que o cavalo sentisse os hormônios e o fogo diretamente da fonte. Foi uma loucura total, enquanto ele de cabeça baixa cheirava a xota, eu coçava seu pescoço como se estivesse tentando pedir-lhe calma com a criança. Aquilo nos levou à um estado de tesão poucas vezes sentida. O danado do cavalo, começou a colocar para fora tamanha pica, que pudemos constatar, que nem a Messalina poderia ter agüentado mesmo! Alguma coisa aí pelos 45 cm de comprimento por 7 de diâmetro. Ninguém pode imaginar uma mulher recebendo tudo aquilo, mas a sensação de poder excitar aquilo tudo, deixou a minha menininha maluquinha - e eu também é claro. Nosso fogo chegou ao limite extremo, quando ele resolveu dar uma lambida na fonte do cheiro delicioso. Passou a língua por cima, pelos lados, até que a tesão superou a razão, e ela abriu as pernas, para que aquela língua maluca encontrasse o que procurava. E encontrou. Deu uma lambida tão safada que cobriu toda a buça, entrou com a ponta meio que por dentro e veio lambendo tudo. Alguém aí, já viu como a língua de um cavalo é áspera??Fim da tesão! Fomos embora.


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Twitter Facebook



Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


Ficha do conto

Foto Perfil Conto Erotico piloto

Nome do conto:
Meu bem querer II

Codigo do conto:
46

Categoria:
Heterosexual

Data da Publicação:
11/12/2009

Quant.de Votos:
1

Quant.de Fotos:
0